Meditação para o Dia 23 de Maio

1. Eu juro por minha vida, diz o Senhor Deus, que não quero a morte do ímpio, mas que se converta e siga o caminho da vida“. Poderá alguém duvidar da palavra da eterna verdade?

“Se os vossos pecados forem encarnados como o escarlate, eles se tornarão brancos como a neve; e se forem rubros como o carmim, ficarão alvos como a branca lã”

Que infinita bondade de Deus! Sim, Ele odeia o mal; ama, porém, o arrependido. Como bom pastor, procura-o por montes e vales, chamando-o amorosamente e levando-o, Ele próprio, em seus ombros.

2. Em Jesus foi manifestada a incompreensível bondade de Deus. Visitou a casa do publicano, a quem tudo perdoou:

“Hoje entrou a salvação nesta casa”

Apesar dos comentários maliciosos dos fariseus, Jesus não repeliu a contrita pecadora Madalena:

“Perdoados lhe são seus grandes pecados, porque muito amou”

O apóstolo, que tinha jurado não conhecer a Jesus, ainda assim recebeu o perdão, logo que se arrependeu:

“E voltando-se o Senhor, pôs os olhos em Pedro… E tendo-se retirado, chorou Pedro amargamente”

Assim, ainda ao morrer, Jesus procedeu:

“Hoje estarás comigo no paraíso”

Ama, pois, a quem tanto te ama.

Voltar para o Índice de Meditações Diárias do Frei Pedro Sinzig

(Sinzig, Frei Pedro. Breves Meditações para todos os Dias do Ano. 8ª Ed. Editora Vozes, 1944, p. 158)