Tag: perdão (Page 1 of 6)

Conversão

Conversão, Tesouros de Cornélio à Lápide

A conversão vem da graça e da bondade de Deus

O Senhor livrar-me-á de todas as más obras, diz São Paulo, e me conduzirá a seu reino celestial. A Ele seja dada a glória pelos séculos dos séculos. Amém: Liberavit me Dominus ab omni opere malo, et salvum faciet in regnum coeleste, cui glória in secula seculorum. Amen. (2 Tm 4, 18).

Adão, Davi, Madalena, Paulo, Agostinho etc. e todos os pecadores que se convertem não se convertem senão pela graça e pela misericórdia de Deus.

Diz São Paulo que Deus é Quem, por um efeito de sua boa vontade, opera em vós, não somente o querer, senão também o executar: Deus est enim qui operatur in vobis et vele, etperficere, pro bona voluntate (Fl 2, 13).

Sem mim, diz Jesus Cristo, nada podeis fazer: Sine me nihil potestis facere (Jo 15, 5). Aquele que está em pecado mortal, morreu; assim, pois, aquele que está morto, não pode naturalmente ressuscitar; somente Deus o pode fazer.

Perdemo-nos sem Deus; porém, não podemos voltar à vida, não podemos nos converter, sem o auxílio de Deus. Continue reading

Contrição

Contrição, Tesouros de Cornélio à Lápide
O que é contrição

Contrição é o sentimento de haver pecado. Contrição vem da palavra conterere, triturar, esmagar[1]. Este vocábulo expressa o estado de uma alma rasgada, penetrada de dor por haver ofendido a Deus, e que deseja ardentemente reconciliar- se com Ele e recobrar a graça.

O Santo Concílio de Trento (Sess. XIV, cân. IV) define a contrição como uma dor da alma e um aborrecimento do pecado cometido, com um propósito de não voltar a pecar doravante: Contritio animi dolor ad detestatio est de peccato comisso, cum proposito non pecandi de coetero.

Esta contrição deve ir acompanhada do desejo de cumprir tudo o que Jesus Cristo ordenou para a remissão dos pecados: por conseguinte, deve ser acompanhada pela vontade de confessá-los e de satisfazer a justiça divina. Por isso, os teólogos, segundo Santo Tomás, assim definem a contrição: a dor por haver pecado, acompanhado da vontade de confessar e de satisfazer. Continue reading

Confissão

Confissão, Tesouros de Cornélio à Lápide

Divindade da Confissão

No dia da Ressurreição, Jesus Cristo apresentou-Se no meio de seus discípulos e disse-lhes: A paz esteja convosco! E repetiu-lhes: A paz esteja convosco! Assim como o Pai me enviou, assim Eu vos envio: Sicut missit me Pater, et ego mitto vos (Jo 20, 19-21). E, depois, que pronunciou estas palavras, soprou sobre eles, e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo; ficarão perdoados os pecados daqueles a quem vós os perdoardes; e ficarão retidos os de quem retiverdes: Haec cum dixisset, insuflavit, et dixit eis: Accipite Spiritum Sanctum; quórum remisseritis peccata, remittuntur eis; et quoum retinueritis, retenta sunt (Jo 20, 22-23).

Conta-nos São Marcos que Jesus Cristo disse a seus discípulos: Empenho- vos minha palavra que tudo o que atardes sobre a terra será atado no céu; e tudo o que desatares sobre a terra, será isso mesmo desatado nos céus: Amen dico vobis, quaecumque ligaveritis super terram, erunt ligata et in coelho, et quaecumque solveritis super terram, erunt soluta in coelo (Mc 17, 18).

Daqui infere-se que, para perdoar ou reter os pecados, para atar ou desatar as consciências, é necessário conhecer as faltas que foram cometidas. E como conhecê-las sem a Confissão? Continue reading

Do segundo fruto da mesma palavra proferida por Cristo na Cruz

Capítulo III. Do segundo fruto da mesma palavra proferida por Cristo na Cruz
O segundo fruto, e na verdade muito salutífero para quantos dele provarem, será aprendermos a perdoar facilmente as injúrias, e a fazermos assim de inimigos amigos. Para disto nos convencermos, deveria ser razão bastante o exemplo de Cristo e de Deus: pois se Cristo perdoou aos que O crucificaram, e pediu por eles, por que não há de fazê-lo o cristão? Se Deus, Criador, que podia, como Senhor e Juiz, castigar imediatamente os pecadores, espera que eles se arrependam, e os convida para a reconciliação, pronto a perdoar a quem Lhe ofendeu Sua Majestade; porque não há de perdoar a criatura? A isto se há de acrescentar que o perdão de uma injúria nunca fica sem grande prêmio. Na história da vida e morte de Santo Engelberto, Arcebispo de Colônia, se lê, que, tendo-o os seus inimigos assassinado numa jornada, e ele em seu coração dissesse: Meu Pai, perdoa-lhes, dele se revelara, que só por aquela sua rogativa, de que Deus sumamente se agradou, não só a sua alma foi imediatamente levada ao Céu pelos Anjos, mas até colocada entre os coros dos Mártires, recebeu a palma e coroa do martírio, e foi assinalada por muitos milagres (1). Continue reading

Salvação das Almas

Meditação para o 3º Domingo depois do Pentecostes. Salvação das Almas

Evangelho de Nosso Senhora Jesus Cristo segundo São Lucas 15, 1-10

1Aproximavam-se dele todos os cobradores de impostos e pecadores para o ouvirem. 2Mas os fariseus e os doutores da Lei murmuravam entre si, dizendo: «Este acolhe os pecadores e come com eles.»

3Jesus propôs-lhes, então, esta parábola:

4«Qual é o homem dentre vós que, possuindo cem ovelhas e tendo perdido uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto e vai à procura da que se tinha perdido, até a encontrar? 5Ao encontrá-la, põe-na alegremente aos ombros 6e, ao chegar a casa, convoca os amigos e vizinhos e diz-lhes: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida.’

7Digo-vos Eu: Haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não necessitam de conversão.»

8«Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perde uma, não acende a candeia, não varre a casa e não procura cuidadosamente até a encontrar? 9E, ao encontrá-la, convoca as amigas e vizinhas e diz: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a dracma perdida.’

10Digo-vos: Assim há alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte.»

Continue reading

A Virtude da Esperança

Mês de Fevereiro: A Virtude da Esperança

Mês de Fevereiro: A Virtude da Esperança

Mês de Fevereiro

Breve introdução sobre a Esperança e o Apóstolo Patrono

Quoniam in me speravit, liberabo eum, protegam eum, quoniam cognovit nomen meum – Porquanto em mim esperou, livrá-lo-ei; protegê-lo-ei, porquanto conheceu o meu nome (Sl 90, 14)

A esperança é uma virtude sobrenatural, pela qual, firmados nas promessas de Deus, esperamos confiadamente a salvação eterna e todas as graças que necessitamos para consegui-la. Para nos persuadirmos de grande valor desta virtude e nos estimularmos à sua prática, consideremos os motivos, os objetos, as propriedades e os efeitos da esperança.

A nossa esperança de conseguir a salvação e os meios necessários para isto deve ser certa da parte de Deus. Os fundamentos desta certeza são o poder, misericórdia e fidelidade de Deus: mas destes três motivos de confiança, o mais firme e certo é a fidelidade infalível de Deus na promessa que nos fez, por causa dos méritos de Jesus Cristo, de nos salvar e conceder-nos as graças necessárias à salvação… Todavia esta promessa é condicional, pois exige, da nossa parte, que correspondamos à graça e oremos. Aquele que ora com certeza se salva.

Crê firmemente “que ninguém esperou no Senhor e foi confundido” (Eclo 2, 11). Pondera que Deus te ama mais do que tu a ti mesmo. Davi achava consolação no pensamento:

“O Senhor cuida de mim” (SI 39, 18)

Dize também tu ao Senhor:

Senhor, lanço-me nos Vossos braços; só quero pensar em amar-Vos e agradar-Vos; Vós não só desejais o meu bem, mas cuidais igualmente de mo assegurardes. Em Vós, pois, confio, porque quereis que ponha em Vós só toda a confiança: ‘Ponde no Senhor toda a vossa solicitude, porque ele tem cuidado de vós” (Pd 5, 7)

Para te firmares mais na confiança em Deus, lembra-te muitas vezes da maneira carinhosa com que te tratou até agora e dos meios compassivos de que usou para ganhar-lo a Seu amor. Agora que estás resolvido a amar a Deus quanto possível, deves temer unicamente mostrar pouca confiança no trato com Deus. Sua misericórdia para contigo é a mais segura prova de Seu amor. A falta de confiança naquelas almas que O amam ternamente e são por Ele amadas, O desagrada sumamente. Se queres, pois, agradar Seu amoroso coração, mostra-lhe então, no futuro, a maior e mais íntima confiança que te for possível.

Um ato especial de confiança, que agrada de um modo todo particular a Deus, consiste em lançar-se a Seus pés e pedir-Lhe perdão logo depois de se ter cometido uma falta. Pondera que Deus está tão inclinado a perdoar, que Ele deplora vivamente a desgraça do pecador que vive longe dEle, privado de Sua graça. Se caíres, pois, em algum pecado, eleva imediatamente teus olhos a Deus, espera confiadamente o perdão, e dize:

“Senhor, aquele a quem amais está doente” (Jo 11, 3)

“Curai a minha alma, porque contra Vós pequei” (SI 40, 5)

O mal está feito; que devo fazer? Não quereis que eu desespere; amais-me ainda, apesar de meu pecado. Arrependo-me de todo o coração de Vos ter desagradado; perdoai- me, pois, e fazei-me ouvir as palavras que dissestes a Madalena: “Teus pecados te são perdoados” (Lc 7, 48)

Ainda que recaias cem vezes no dia no mesmo pecado, não deves deixar de recorrer a Deus depois de cada queda. Se tua alma permanecer abatida e pusilânime, teu amor arrefecerá dentro em breve; se, porém, recorreres a Deus imediatamente pedindo-Lhe perdão e prometendo-Lhe emenda, tuas faltas te servirão para maior progresso no amor de Deus.

Apóstolo Patrono para o Mês de Fevereiro: Santo André.

Sumário
I. A sua natureza
II. Dos objetos da Esperança
III. Dos motivos da nossa Esperança
IV. Das propriedades de nossa Esperança
V. Dos Efeitos da Esperança
VI. A Esperança e o Redentor
VII. A Prática da Esperança
VIII. Orações para alcançar a Virtude do Mês

Mês de Janeiro: A Virtude da Esperança. Apóstolo Patrono: Santo André

Mês de Fevereiro: A Virtude da Esperança. Apóstolo Patrono: Santo André

Continue reading

Felicidade do homem pela Encarnação

Sábado. Felicidade do homem pela Encarnação

Meditação para o Sábado da 2ª Semana do Advento

Sumário

Meditaremos os grandes bens que nos provêm da Encarnação do Verbo, e consideraremos o Verbo Encarnado:

1.° Como consolador das nossas aflições;

2.° Como médico caridoso que cura todas as nossas misérias.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De recorrer em todas as nossas aflições a Jesus Cristo como único e verdadeiro consolador;

2.° De não nos afeiçoarmos aos falsos bens da terra, mas a Jesus Cristo só.

O nosso ramalhe espiritual será a palavra do Salvador:

Venite ad me omnes qui laboratis et onerati estis, et ego reficiam vos – Vinde a mim todos os que andais em trabalho, e vos achais carregados, e eu vos aliviarel (Mt 11, 28)

Continue reading

Jesus é o Cordeiro que tira os Pecados do Mundo

Festa da Circuncisão - II. Jesus é o Cordeiro que tira os Pecados do Mundo

II. Sermão para a Festa da Circuncisão

Pregado no 1° de janeiro de 1687, em Paris, na capela da Casa professa dos Jesuítas.

SUMÁRIO

Exordio. — Desenvolvimento do texto: Ipse salvum faciet populum suum a peccatis eorum…

Proposição e divisão. —Jesus é o Cordeiro que tira os pecados do mundo:

1.º O pecado avilta a alma e dá-lhe a morte eterna, mas Jesus ressuscita-a pelo perdão;

2.° A alma perdoada é de novo arrastada ao mal, mas a graça de Jesus fortifica-a contra a tentação;

3.° Neste mundo estamos sempre, sujeitos a abusar da nossa liberdade, mas com a glória do céu torna-nos Jesus impecáveis.

1.º Ponto. — O pecado é um ato de rebelião contra Deus e de ódio contra o próprio indivíduo, um mal íntimo que apaga em nós por completo tudo que nos une a Deus. A graça de Jesus, fruto do Seu sangue divino, cura este mal nas almas penitentes.

2.º Ponto. — O pecado, entrando na nossa alma, e residindo sobretudo nela, faz-lhe chagas que não desaparecem juntamente com Ele, enfraquece a nossa natureza e produz-lhe as maiores alterações. A graça de Jesus, porém, está sempre preparada para nos lavar dos nossos pecados, para nos ajudar a triunfar, para nos premunir enfim contra novas fraquezas.

3.º Ponto. — Finalmente, para completar a sua vitória, a graça de Jesus Cristo há de ajudar-nos a alcançar o repouso eterno, isto é, esse estado em que a nossa alma, firmada na felicidade, não tornará jamais a pecar.

Peroração. — Ai do que diz:

«Eu pequei e que mal me sucedeu?»

Não se lembra de que o Omnipotente o espera no dia fatal, e que, certo do golpe que há de dar, não  precipita a sua vingança. — Elogio do zelo da Companhia de Jesus.

Vocabis nomen ejus Jesum: ipse enim salvum faciet populum suum a peccatis eorum
E vós lhe chamareis Jesus, que quer dizer Salvador, porque é Ele quem há de salvar o povo dos seus pecados (Mt 1, 21)

Continue reading

Jesus e os Pecadores

Meditação para o Dia 22 de Outubro

Jesus, nos Evangelhos, aparece sempre rodeado de enfermos, pecadores e publicanos. Os judeus murmuravam:

– “Este recebe os pecadores”

“E a quem desejais então que Ele receba? – pergunta São Francisco de Sales. Não é honroso para um médico ser procurado pelos doentes, principalmente quando as suas doenças são incuráveis?”

Nosso Senhor, não tanto para repelir a temeridade dos fariseus, como para nos encorajar a aproximarmo-nos dele, atira para longe, por meio de parábolas, a consideração farisaica. Continue reading

Sofrer de todos e não fazer ninguém Sofrer

Meditação para o Dia 14 de Outubro

É uma regra de ouro da caridade cristã. Neste mundo nunca estamos sem alguma cruz, e cruz que nos vem do próximo. As desigualdades de gênio, condição, educação e caráter, geram mil aborrecimentos, mal-entendidos, questiúnculas e muitos outros males torturantes para o nosso espírito e que tanto nos afligem o coração… Paciência, alma cristã! Não convém acrescentar nova dor a outra dor. A perturbação, a impaciência, a vingança, aumentam o peso daquela cruz. Continue reading

« Older posts

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑