Curiosidade

Curiosidade, Tesouros de Cornélio à Lápide

Devastações produzidas pela curiosidade

Eva percebeu, diz a Escritura, que a fruta proibida era boa para comer, bela para a vista, e de aspecto deleitável; colheu o fruto, comeu-o, e deu também dele a seu marido, que igualmente comeu: Vidit mulier quod bonum esset lignum ad vencendum, et pulchrum oculis, aspectuque delectabile; et tulit de fructu illius, et comedit; deditque viro suo, qui comedit (Gn 3, 6). E os olhos de ambos abriram- se; e reconheceram que estavam nus: Et aperti sunt oculi amborum, cumque cognovissent se esse nudos (Gn 3, 7).

Ó Eva, diz São Bernardo, conformai-vos com a ordem que recebestes; aguardai o cumprimento da promessa que vos foi feita; evitai aquilo que vos está proibido; não percais as prerrogativas que vos foram concedidas: Serva, o Eva, commissum; expecta promissum; cave prohibitum; ne perdas concessum (De Grad. Humil.).

Porque olhais tão atentamente aquilo que deve ser vossa morte? Quid tuam mortem tam intente intuearis?

Porque desejais espargir com tanta frequência vossos olhos sobre esta fruta? Quid illo tam crebro vagantia lumina jacis?

Porque vos agrada considerar aquilo que não vos está permitido comer? Quid spectare libet quod manducare non licet?

Faço uso de minha vista, dizeis, e não de minha mão; não me está proibido olhar, mas tão apenas comer. Continue reading

Cruzes

Cruzes, Tesouros de Cornélio à Lápide

Necessidade das cruzes

Todos os que querem viver virtuosamente segundo Jesus Cristo hão de padecer perseguições, diz São Paulo: Omnes qui pie volunt viver in Christo Jesu persecutionem patientur (2 m 3, 12).

Perguntareis talvez o que significam estas palavras, pois, muitas almas piedosas e cristãs desfrutam, tranquilamente e sem perseguição, uma vida santa.

São João Crisóstomo responde que por perseguição devemos entender todas as dificuldades, os trabalhos, dores que experimentam aqueles que se aplicam à piedade, por causa dos esforços que se veem obrigados a fazer para pôr um freio às suas paixões, praticar a continência, a humildade, a temperança, e aplicar-se ao serviço e ao amor de Deus (Homil. de Cruce).

Jamais, diz São Leão, faltam cruzes nem perseguições, se somos fieis observadores da virtude: Numquam deest tribulatio persecutionis, si numquam desit observantia pietatis (De quadrag. IX, c. I). E como haveremos de viver em todos o tempo piedosamente, acrescenta este santo Doutor, também, em todo o tempo, temos de levar a Cruz: Sicut ergo totius est temporis pie vivere, ita totius temporis crucem ferre (Ut supra). Continue reading

Cruz

Cruz, Tesouros de Cornélio à Lápide

Poder da Cruz e graças que dela emanam

Vossa Cruz, ó meu Jesus, diz São Leão, é manancial de todas as bênçãos, causa de todas as graças; por Ela, aqueles que creem merecem achar forças em sua debilidade, glória no opróbrio, vida na morte[1].

O eloquente Doutor São João Crisóstomo enumera também os tesouros e as graças que nos vem da Cruz. Ele ensina que a Cruz é a esperança dos cristãos, a salvação dos desesperados, o báculo dos coxos, o consolo dos pobres, o freio dos ricos, a perdição dos orgulhosos, o castigo dos maus. Faz-nos triunfar, do demônio, doma o Inferno, instrui a juventude, sustenta aos débeis e aviva a esperança nos corações abatidos; é o piloto dos que sulcam as águas do mundo, o porto dos náufragos, um muro impenetrável que protege os cristãos contra as emboscadas de todos os seus inimigos. É mãe dos órfãos, defesa das viúvas, consolo dos justos, asilo dos aflitos e desamparados. É guarda das crianças, apoio da idade viril, socorro dos anciãos, para os quais alcança a graça de uma boa morte. É luz que ilumina aos que estão submersos nas trevas e sabedoria daqueles que o mundo estúpido, cego e ímpio mira como insensatos. Continue reading

Cristão

Cristão, Tesouros de Cornélio à Lápide

O que é um cristão

O cristão é aquele que imita Jesus Cristo, que está unido com Jesus Cristo, que vive a vida de Jesus Cristo e Lhe possui. O cristão está morto para os vícios… vive para a virtude… O cristão é um soldado… um piloto… um arquiteto.

É necessário que aquele que veja um cristão possa ver a Jesus Cristo; porque o cristão deve ser a imagem viva do Salvador, e como outro Cristo: Alter Christus. Deve parecer-se com Deus. Adão foi criado à Sua semelhança, como o atestam aquelas palavras do Gênesis: Façamos ao homem a nossa imagem e semelhança; e Deus criou o homem à sua imagem (Gn 1, 26-27).

A profissão do cristão é conduzir o homem ao seu antigo estado, à sua primeira grandeza e felicidade, isto é, à semelhança de Deus.

Chama-se cristão, diz Santo Ambrósio, aquele que ama a castidade, aquele que foge da embriaguez, detesta o orgulho e evita a inveja como um veneno diabólico (Serm. LVIII). Continue reading

Criação

Criação, Tesouros de Cornélio à Lápide

In princípio creavit Deus coelum et terram: No princípio, Deus criou o céu e a terra (Gn 1, 1).

No princípio: isto significa que Deus criou todas as coisas em seu Filho e por seu Filho, que é a ideia da Sabedoria do Pai. Isto é o que ensina o Apóstolo São Paulo em sua Epístola aos Colossenses. É por Jesus Cristo, diz o Apóstolo, que tudo foi criado no céu e na terra, tanto as coisas visíveis como as invisíveis; não somente os Tronos, senão também as Dominações, os Principados e as Potestades: tudo foi criado por Ele e para Ele: In ipso condita sunt universa in coelis, et in terra, visibilia e invisibilia, sive Trhoni, sive Dominationes, sive Pincipatus, sive Potestates: omnia per ipsum, et in ipso creata sunt (Col 1, 16). Ele existe antes de todas as coisas, e todas elas subsistem por Ele, e por ele são conservadas: Et ipse est ante omnes, et omnia in ipso constant (Col 1, 17). Continue reading

Correção

Correção, Tesouros de Cornélio à Lápide

A correção é necessária

Por fim, o ímpio morrerá infelizmente, dizem os Provérbios, porque desprezou a admoestação, e achar-se-á enganado pelo excesso de sua loucura: Morietur, quia non habuisti disciplinam, et in multitudine stultitiae suae decipietur (Pr 5, 23). Aquele que descuida a correção, extraviado anda, acrescentam os Provérbios: Qui increpationes relinquit, errat (Pr 10, 17).

Recordem-se destas palavras da Escritura os superiores, os pregadores, os pais, os patrões e patroas, e não se descuidem de cumprir com o seu dever da correção.

É uma crueldade, diz São João Clímaco, tomar o pão da mão de uma criança que tem fome; porém, aquele que tem a obrigação de corrigir alguém e não o faz, prejudica-se a si mesmo, e prejudica a quem ele deixou de corrigir. Cai em três faltas que estava obrigado a evitar:

1.° priva-se da recompensa que teria recebido se houvesse cumprido o dever da correção;

2.° Escandaliza aos que são testemunhas de sua negligência;

3.° conduz à condenação, por fim, todos aqueles a quem tinha a obrigação corrigir. Continue reading

Conversão

Conversão, Tesouros de Cornélio à Lápide

A conversão vem da graça e da bondade de Deus

O Senhor livrar-me-á de todas as más obras, diz São Paulo, e me conduzirá a seu reino celestial. A Ele seja dada a glória pelos séculos dos séculos. Amém: Liberavit me Dominus ab omni opere malo, et salvum faciet in regnum coeleste, cui glória in secula seculorum. Amen. (2 Tm 4, 18).

Adão, Davi, Madalena, Paulo, Agostinho etc. e todos os pecadores que se convertem não se convertem senão pela graça e pela misericórdia de Deus.

Diz São Paulo que Deus é Quem, por um efeito de sua boa vontade, opera em vós, não somente o querer, senão também o executar: Deus est enim qui operatur in vobis et vele, etperficere, pro bona voluntate (Fl 2, 13).

Sem mim, diz Jesus Cristo, nada podeis fazer: Sine me nihil potestis facere (Jo 15, 5). Aquele que está em pecado mortal, morreu; assim, pois, aquele que está morto, não pode naturalmente ressuscitar; somente Deus o pode fazer.

Perdemo-nos sem Deus; porém, não podemos voltar à vida, não podemos nos converter, sem o auxílio de Deus. Continue reading

Contrição

Contrição, Tesouros de Cornélio à Lápide
O que é contrição

Contrição é o sentimento de haver pecado. Contrição vem da palavra conterere, triturar, esmagar[1]. Este vocábulo expressa o estado de uma alma rasgada, penetrada de dor por haver ofendido a Deus, e que deseja ardentemente reconciliar- se com Ele e recobrar a graça.

O Santo Concílio de Trento (Sess. XIV, cân. IV) define a contrição como uma dor da alma e um aborrecimento do pecado cometido, com um propósito de não voltar a pecar doravante: Contritio animi dolor ad detestatio est de peccato comisso, cum proposito non pecandi de coetero.

Esta contrição deve ir acompanhada do desejo de cumprir tudo o que Jesus Cristo ordenou para a remissão dos pecados: por conseguinte, deve ser acompanhada pela vontade de confessá-los e de satisfazer a justiça divina. Por isso, os teólogos, segundo Santo Tomás, assim definem a contrição: a dor por haver pecado, acompanhado da vontade de confessar e de satisfazer. Continue reading

Confiança em Deus

Confiança em Deus, Tesouros de Cornélio à Lápide

Fundamentos da confiança em Deus

Perguntais, diz São Bernardo, de que modo podeis saber se Deus vos perdoou? Vós o sabereis recordando a cura do paralítico: o Senhor disse-lhe: Levanta-te, toma teu leito e anda: Dicit ei Jesus: Surge, tolle grabatum tuum, et ambula (Jo 5, 8).

Deus perdoou-vos:

1.° Se vos levantais plenos de desejo das coisas celestiais;

2.° Se levais vosso leito, isto é, vosso corpo, se o subtrais ao império dos sentidos e das loucuras da terra, de modo que vossa alma não esteja sujeita às concupiscências dele; mas que ela, como é justo e necessário, governe o corpo e conduza-o até onde ele não queira ir; e

3.° enfim, se caminhais esquecendo o que deixais para trás, e avançando até o Céu que está diante de vós. Continue reading

Confissão

Confissão, Tesouros de Cornélio à Lápide

Divindade da Confissão

No dia da Ressurreição, Jesus Cristo apresentou-Se no meio de seus discípulos e disse-lhes: A paz esteja convosco! E repetiu-lhes: A paz esteja convosco! Assim como o Pai me enviou, assim Eu vos envio: Sicut missit me Pater, et ego mitto vos (Jo 20, 19-21). E, depois, que pronunciou estas palavras, soprou sobre eles, e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo; ficarão perdoados os pecados daqueles a quem vós os perdoardes; e ficarão retidos os de quem retiverdes: Haec cum dixisset, insuflavit, et dixit eis: Accipite Spiritum Sanctum; quórum remisseritis peccata, remittuntur eis; et quoum retinueritis, retenta sunt (Jo 20, 22-23).

Conta-nos São Marcos que Jesus Cristo disse a seus discípulos: Empenho- vos minha palavra que tudo o que atardes sobre a terra será atado no céu; e tudo o que desatares sobre a terra, será isso mesmo desatado nos céus: Amen dico vobis, quaecumque ligaveritis super terram, erunt ligata et in coelho, et quaecumque solveritis super terram, erunt soluta in coelo (Mc 17, 18).

Daqui infere-se que, para perdoar ou reter os pecados, para atar ou desatar as consciências, é necessário conhecer as faltas que foram cometidas. E como conhecê-las sem a Confissão? Continue reading

« Older posts

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑