Nossa Senhora do Rosário de Fátima

Meditação para 13 de Outubro: Nossa Senhora do Rosário de Fátima

Mensagem do Rosário

Em menos de um século Maria Santíssima baixa à terra duas vezes com duas mensagens do Rosário. Lourdes e Fátima são essencialmente revelações do Rosário. Em Massabielle Nossa Senhora quer dizer ao mundo:

Eu sou a Imaculada Conceição, e traz o Rosário e com Bernadete passa-o entre os dedos, graciosamente.

Em Fátima toda a revelação é exclusivamente do Rosário. Pergunta a criança ingênua a doce visão:

— Quem é vosmicê?

Eu sou a Senhora do Rosário, responde Maria Santíssima, já depois de haver recomendado nas cinco aparições precedentes a recitação do Terço.

Em 13 de Maio de 1917 aparece a Bela Senhora pela primeira vez aos olhos dos inocentes pastorinhos de Portugal. Continue reading

Recorrer a Deus nas aflições

Meditação para o 18º Domingo depois do Pentecostes. Recorrer a Deus nas aflições

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus 9, 1-7

1Depois disto, subiu para o barco, atravessou o mar e foi para a sua cidade. 2Apresentaram-lhe um paralítico, deitado num catre. Vendo Jesus a fé deles, disse ao paralítico: «Filho, tem confiança, os teus pecados estão perdoados.» 3Alguns doutores da Lei disseram consigo: «Este homem blasfema.»

4Jesus, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: «Porque alimentais esses maus pensamentos nos vossos corações? 5Que é mais fácil dizer: ‘Os teus pecados te são perdoados’, ou: ‘Levanta-te e anda’? 6Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem, na terra, poder para perdoar pecados – disse Ele ao paralítico: ‘Levanta-te, toma o teu catre e vai para tua casa.»

7E ele, levantando-se, foi para sua casa. 8Ao ver isto, a multidão ficou dominada pelo temor e glorificou a Deus, por ter dado tal poder aos homens.

Continue reading

A Confraria do Rosário

Meditação para 12 de Outubro: A Confraria do Rosário
Origem

A confraria do Rosário é uma associação das mais antigas e veneráveis da Igreja, fundada por São Domingos e cujo fim é unir os fiéis e propagar e garantir a recitação assídua do Santo Rosário.

O seu melhor elogio foi feito pelo Santo Padre Leão XIII na Encíclica Augustissimae Virginis de 12 de Setembro de 1897:

“Dentre as associações não hesitamos em dar um lugar de honra à Confraria do Santíssimo Rosário. Na verdade, se considerarmos a sua origem, ela está em primeiro lugar pela sua antiguidade, pois a sua instituição é atribuída ao Patriarca São Domingos, e, além disso, pelos privilégios inúmeros de que a enriqueceram os nossos predecessores.

A forma desta instituição, a sua alma é o Rosário. A eficácia do Rosário de Maria e o seu poder nos parecem ainda muito maiores quando estão em função da Confraria”

Nestas palavras o Augusto Pontífice define a Confraria do Rosário e a coloca entre as primeiras e mais veneráveis Associações da Igreja. E quer o Papa que rezemos o nosso Rosário sim, mas unidos aos nossos irmãos, na oração comum que é mais eficaz e poderosa, e com as riquezas das indulgências e privilégios espirituais da Confraria. Continue reading

Deus recompensa desde a vida presente as Almas Mortificadas

Meditação para o Décimo Sétimo Sábado depois de Pentecostes. Deus recompensa desde a vida presente as Almas Mortificadas

Meditação para o Décimo Sétimo Sábado depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos:

1.° Sobre a felicidade que Deus concede, desde este mundo, às almas mortificadas;

2.° Sobre a desgraça a que entrega as almas imortificadas.

— Tiraremos destas reflexões a resolução:

1.° De sermos generosos no serviço de Deus, e de fazermos de boa vontade os sacrifícios que sobrevierem;

2.° De impormos a nós mesmos com frequência, por amor de Deus, sacrifícios voluntários, ainda que só seja de um desejo, de um lance de olhos, de uma sensualidade.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra do Apóstolo:

“Exubero de gozo em toda a minha tribulação” – Superabundo gaudio in omni tribulatione nostra (2Cor 7, 4)

Continue reading

O Rosário e o Evangelho

Meditação para 11 de Outubro: O Rosário e os Evangelhos
Suma do Evangelho

Há uma expressão feliz e genial do Padre Lacordaire e que nos diz em poucas palavras as relações íntimas entre o Evangelho e o Rosário de Nossa Senhora.

“Só há um livro: — É o Evangelho. E o Rosário é precisamente a suma do Evangelho”

Realmente. O que há no Rosário que não esteja no Evangelho, ou que pelo menos não tire dele a conclusão? Cada um dos mistérios corresponde a algumas das mais belas páginas do Evangelho. Pio XI afirma na Encíclica Ingravescentibus malis o valor do Rosário porque é um incentivo à prática das virtudes pregadas pelo Evangelho.

“O santo Rosário, diz o saudoso Pontífice, não só é útil para vencer os inimigos de Deus e da Religião; é também um estímulo e aguilhão que anima à prática das virtudes evangélicas que ele insinua e cultiva nas almas. Alimenta antes de tudo a fé católica que refloresce precisamente pela meditação oportuna dos santos mistérios e eleva o espírito às verdades reveladas por Deus. E todos podem compreender como é salutar o Rosário especialmente em nossos dias em que notamos até mesmo entre os fiéis um certo afastamento das coisas espirituais e um certo tédio da doutrina cristã. O Santo Rosário reaviva ainda a esperança nos bens imortais, quando ao meditar a última parte dele, os triunfos de Jesus Cristo e de sua Mãe, nos mostram o céu aberto e nos convidam à conquista da pátria sempiterna. A caridade que se resfriou torna a se acender na alma dos que relembram as torturas e a morte do Redentor e as aflições de sua Mãe dolorosa. E daí brota necessariamente o amor do próximo”

Continue reading

Mortificação do Gosto e do Tato

Meditação para a Décima Sétima Sexta-feira depois de Pentecostes. Mortificação do Gosto e do Tato

Meditação para a Décima Sétima Sexta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Continuaremos a meditar sobre a mortificação dos sentidos, e em particular:

1.° Sobre a mortificação do gosto;

2.° Sobre a mortificação do tato.

– Tomaremos depois a resolução:

1.° De não buscarmos nas refeições satisfazer a nossa sensualidade, e de somente atendermos à vontade de Deus, que nos alimenta como Lhe apraz, sem que tenhamos direito a alegrar-nos, se as iguarias são do nosso gosto, nem a entristecer-nos, se o não são;

2.° De aceitarmos de bom grado todos os padecimentos que sobrevierem ao nosso corpo, e de nunca procurarmos causar-lhe prazer.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra do Apóstolo:

“Castigo o meu corpo e o reduzo à servidão para que não suceda venha eu mesmo a ser reprovado” – Castigo corpus meum et in servitutem redigo, ne… reprobus efficiar (1Cor 9, 27)

Continue reading

O Rosário nas Aparições de Lourdes

Meditação para 10 de Outubro: O Rosário nas Aparições de Lourdes
Cidade do Rosário

Lourdes, é essencialmente a cidade do Rosário, escrevera um dos melhores historiadores dos acontecimentos da gruta de Massabielle, o padre Cross S. J.

Nossa Senhora se revela aos olhos cândidos de Bernadete e é uma aparição do Rosário com simbolismos, gestos e fatos relacionados intimamente com o Rosário. Quem não conhece a obra de Henri Lasserre e a autoridade que é este homem na história dos fatos de Lourdes? Ele o havia notado:

“Maria, aparece a uma criança que só conhecia e sabia rezar uma oração — o Rosário.”

Aparece na gruta onde floresce uma rosa selvagem — a flor do Rosário. A Virgem não tinha nem colar, nem diadema, nem joias, nenhum adorno de vaidade, mas em cada um de seus pés desabrochava uma rosa cor de ouro, e de suas mãos juntas pendia um Terço de contas brancas como gotas de leite e cadeias douradas como as messes… As contas do Rosário deslizavam uma a uma dos dedos da Senhora. E no entanto os lábios da Rainha dos Anjos estavam imóveis como para nos dizer: Esta coroa não é minha, meus filhos, é vossa, ela vos pertence… Continue reading

Mortificação da Vista e do Ouvido

Meditação para a Décima Sétima Quinta-feira depois de Pentecostes. Mortificação da Vista e do Ouvido

Meditação para a Décima Sétima Quinta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Como todos os nossos sentidos são outras tantas portas por onde o pecado ameaça entrar na nossa alma, meditaremos sobre dois dos nossos principais sentidos: a vista e o ouvido.

– Tomaremos depois a resolução:

1.° De não perdermos o tempo a olhar e ver de uma porta ou janela os que passam, ou a visitar as vãs curiosidades do mundo;

2.° De evitarmos todas as novidades que sempre distraem, quando não causam algum desgosto.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra do Espírito Santo:

“O olho não se farta de ver, nem o ouvido se enche de escutar” – Non saturatur oculos visu, nec auris auditu impletur (Ecl 1, 8)

Continue reading

São José e o Rosário

Meditação para 09 de Outubro: São José e o Rosário

São José no Rosário

Nenhuma oração nos lembra tanto São José como o Rosário. Na contemplação dos mistérios gozosos não o podemos separar de Maria.

Da Anunciação ao Encontro de Jesus no Templo, o Evangelho sempre nos mostra São José ao lado de Jesus e Maria.

Que amargura e perplexidade angustiosa antes que lhe revelasse o Anjo o mistério da Encarnação!

Que alegria e caridade na visita a Santa Isabel!

E no presépio de Belém? Oh! Como é doce e amável São José na gruta em adoração ao Filho de Deus Encarnado, seu Filho adotivo e seu Deus!

Na Apresentação ei-lo com Maria e Jesus a ouvir a profecia de Simeão. Três dias procura aflito o Deus Menino e o encontra entre os doutores.

Tudo isto nossa piedade vai meditando ao desfiar as contas do Rosário nos mistérios gozosos. E sempre nos aparece a figura tão amável de nosso querido São José. Continue reading

Quarto remédio para os extravios da Imaginação

Meditação para a Décima Sétima Quarta-feira depois de Pentecostes. Quarto remédio para os extravios da Imaginação

Meditação para a Décima Sétima Quarta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre o quarto remédio que devemos opor aos extravios da imaginação, que consiste em uma diversão:

1.° Pronta;

2.º Humilde;

3.° Pacifica.

– Tomaremos depois a resolução:

1.° De nunca nos desconsolarmos, quaisquer que sejam as divagações da nossa imaginação, e de termos sempre paciência e ânimo;

2.° De-lhes opormos constantemente uma diversão pronta, humilde e pacifica.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de Jó:

“Os meus pensamentos se desvaneceram, sendo verdugos do meu coração” – Cogitationes meae dissipatae sunt, torquentes cor (Jó 17, 11)

Continue reading

« Older posts

© 2019 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑