Capítulo 26: Do segundo fruto da sexta palavra
Pode colher-se outro fruto da segunda explicação da palavra de Cristo: “Tudo está consumado”, pois dissemos com São João Crisóstomo que se concluiu com a morte de Cristo a sua trabalhosa peregrinação que não pode negar-se que foi excessivamente custosa, mas que também foi recompensada pelo pouco tempo da sua duração e pela glória e honra que dela lhe resultou. Foi de trinta e três anos: que é, porém o trabalho de trinta e três anos comparado com o descanso da eternidade. Sofreu o Senhor fome, sede, muitas dores e injúrias sem número, pancadas, ferimentos e até a morte, mas agora bebe torrentes de prazer, de prazer interminável. Humilhou-Se, é verdade, tornado o opróbrio dos homens, rebotalho da plebe (Sl 21) por pouco tempo. Deus, porém exaltou-O, e deu-Lhe um nome como não há outro; pois ao nome de Jesus dobrasse todo o joelho no Céu, na Terra, e no inferno (Fl 2). Pelo contrario, os pérfidos judeus pouco tempo exultaram com a Paixão de Cristo; Judas, escravo da avareza, pouco se gozou com o lucro de algumas moedas; o gosto que Pilatos teve de não perder a amizade de Augusto e de tornar a ganhar a do rei Herodes, de pouca duração foi também; e há quase mil e seiscentos anos desde que sofrem os tormentos do inferno, e o fumo das chamas que os abrasam subirá por séculos de séculos (Ap 19).

Disto aprendam todos os servos da Cruz, humildes, pacíficos, sofredores, que fortuna não é a de tomarem a sua cruz nesta vida e seguirem o caminho de Cristo, e nenhuma inveja tenham aos que neste mundo são reputados felizes, pois a vida de Cristo e dos Santos Apóstolos e Mártires é o comentário tão verdadeiro, quanto é possível, das palavras do Mestre de todos os mestres:

“Bem-aventurados os pobres, bem-aventurados os pacíficos, bem-aventurados os que choram, bem-aventurados os que padecem perseguição por amor da justiça, porque deles é o reino do Céu, e pelo contrário ai de vós que sois ricos, porque tendes a vossa consolação, ai de vós que estais fartos, porque vireis a ter fome, ai de vós que agora ris, porque gemereis e chorareis” (Mt 5; Lc 6)

E posto que não só às palavras de Cristo mas até à Sua vida e morte, isto é, não só ao texto mas ao comentário, poucos prestam atenção nas escolhas deste mundo; contudo o que quiser sair dele, entrar no seu coração meditando seriamente, e dizer a si próprio: «Ouvirei o que me diz o Senhor Deus» (Sl 84), e ao mesmo tempo com humilde preces e gemido de pomba, se dirigir aos ouvidos do Mestre de quem é o livro e o comentário, facilmente conhecerá a verdade; e ela o livrará de todos os erros tornando-lhe fácil o que até então lhe parecia impossível.


Voltar para o Índice de As Sete Palavras de Cristo na Cruz, de São Roberto Belarmino

(BELARMINO, Cardeal São Roberto. As Sete Palavras de Cristo na Cruz. Antiga Livraria Chadron, Porto, 1886, p. 225-227)