Tag: eternidade (page 1 of 14)

Quinta Consideração: o Amor Eterno de Deus por nós

Parte V
Capítulo XIV

Considera o amor eterno que Deus tem tido por nós. Antes da encarnação e da morte de Jesus Cristo a Majestade divina te amava infinitamente e te predestinava para o Seu amor. Mas quando é que Ele começou a te amar? Começou a fazê-lo quando começou a ser Deus. E quando começou a ser Deus? Nunca, porque sempre o foi sem começo nem fim; e Seu amor por ti, que nunca teve começo, preparou-te desde toda a eternidade as graças e favores que tens recebido. Continue reading

Primeira Consideração: a Excelência da nossa Alma

Parte V
Capítulo X

Considera a nobreza e excelência de tua alma em vista do seu conhecimento deste mundo visível, dos anjos, de Deus, o Senhor soberano e infinitamente bom, da eternidade e em geral de tudo o que é necessário para viveres neste mundo, para te associares aos anjos no paraíso e para gozares eternamente de Deus.

Tua alma tem uma vontade capaz de amar a Deus e incapaz de odiá-Lo nele mesmo. Vê quão nobre é teu coração, que, nada achando entre as criaturas que o possa saciar plenamente, só encontra o seu repouso em Deus. Lembra-te vivamente dos prazeres mais queridos e procurados que outrora ocuparam teu coração e julga agora imparcialmente se não eram misturados de muita inquietação, pesar, aborrecimento e amargura, de sorte que teu pobre coração só achava aí misérias. Continue reading

Onde Cai a Árvore, aí Fica!

Meditação para o Dia 12 de Abril

Quando se vive na casa de Deus e ao lado de Nosso Senhor, é preciso ter confiança, principalmente na hora da morte. Das almas devotas do seu Coração, disse Nosso Senhor a Santa Margarida Maria:

“Serei, na hora da morte, seu Refúgio seguro”

Por que tremer? Nossos pecados? Oh! Basta um olhar de amor e de arrependimento e firme propósito. E o Bom Ladrão e Madalena, e o Publicano, e o Filho Pródigo? A hora da morte é a última hora do tempo da misericórdia. Não seremos abandonados. Confiança! Continue reading

Até Quando?…

Meditação para o Dia 08 de Março

Sabeis o que é uma Eternidade? Imaginai um pouco. Se um beija-flor viesse, de cem em cem anos, beijar uma flor e só voltar um século depois. E assim de século em século. Quantos milhões de séculos seriam necessários para que beijasse todas as flores que há na face da terra e as que hão de sorrir, em todos os jardins e montanhas e vales deste mundo, até a consumação dos séculos? É possível calculá-lo? Continue reading

Serás Feliz no Céu!

Meditação para o Dia 11 de Fevereiro

À humilde Bernadete, na gruta de Lourdes, disse Nossa Senhora:

“Não te prometo felicidade aqui na terra, mas a felicidade do Céu”

Os olhos inocentes da Pastorinha, que contemplaram a visão níveo-azul da gruta de Mosabielle, nunca mais se puderam encantar pelas belezas da terra.

“Depois que se viu Nossa Senhora, dizia a Santa, só se deseja morrer, para Vê-la de novo no Céu”

Continue reading

Partiram Antes…

Meditação para o Dia 10 de Fevereiro

Não choremos os nossos mortos como quem não crê na ressurreição da carne, como os que não têm esperança. A saudade é amarga e dolorosa, e as lágrimas não podem deixar de correr quando o golpe da morte nos vem arrebatar os que tanto amamos. Chorar os nossos mortos não é um mal. Nosso Senhor não chorou sobre a sepultura de Lázaro? A fé não nos condena à insensibilidade, à dureza de coração. Sim, deixemos que corram essas lágrimas saudosas e irreprimíveis. Choremos, sim, os nossos mortos, mas choremos como quem tem fé. Um dia os veremos na verdadeira Pátria, onde não haverá mais luto nem dores. Olhemos para o Céu e enchamos o coração de esperanças. Também nós partiremos, um dia, e tornaremos a ver aqueles que tanto amamos neste mundo. Os que partiram, não os que perdemos para sempre. São Cipriano escreveu,numa bela carta de consolação, este pensamento:

“Não choreis desesperadamente os que o Senhor livrou deste mundo. Eles partiram antes, numa viagem que também havemos de fazer”

Entre os que viajam neste mundo, por terra ou por mar, uns chegam antes, e outros, depois. Uns vêm adiante, e outros, atrás. Os que morreram, meus caros, partiram antes, apenas. Consolemo-nos! Não iremos também depois e não veremos os nossos que já chegaram?

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 51)

O Peregrino Louco

Meditação para o Dia 08 de Fevereiro

Tudo nos indica que aqui não temos moradia permanente. No dizer do Apóstolo: Non habemos hic manentem civitatem – Somos peregrinos, viajores, com destino ao porto da Eternidade e à morada do Céu.

A Igreja nos chama “viator”, viajante, caminhante. À Sagrada Eucaristia dá a São Tomás de Aquino o nome de “Pão dos Anjos” e “Pão dos Viajantes”.

Ecce panis angelorum factus cibus viatorum

Continue reading

Meditação para deliberar entre a Vida Mundana e a Vida Devota

“Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduzem à perdição e numerosos são os que por aí entram. Estreita, porém, é a porta e apertado o caminho da vida e raros são os que o encontram” (Mt 7, 13-14)

Capítulo XVIII

PREPARAÇÃO

1. Põe-te na presença de Deus.
2. Implora com humildade o Seu auxílio.

CONSIDERAÇÃO

I. Imagina ainda uma vez que estás numa vasta região, que vês à tua esquerda o príncipe das trevas, assentado num trono muito alto e rodeado duma multidão de demônios, e que descobres ao redor desta corte infernal muitos pecadores e pecadoras, que, dominados do espírito do mundo, lhe rendem as suas homenagens. Observa com atenção todos os desventurados vassalos desse rei abominável; considera como uns estão fora de si, levados pelo espírito da cólera, da raiva e da vingança, que os torna furiosos, e como outros, dominados do espírito da preguiça, só se ocupam de frivolidades e vaidades; aqueles, embebidos no espírito da intemperança, igualam-se a loucos e a brutos, estes, empavesados no espírito do orgulho, tornam-se homens violentos e insuportáveis; alguns, possuídos do espírito de inveja, consomem-se pesarosos e tristes, muitos são corrompidos até à podridão, pelo espírito da impureza, e muitos outros, irrequietos pelo espírito da avareza, perturbam-se pela cobiça de riquezas. Considera como estão aí sem repouso e sem ordem, olha até que ponto se desprezam mutuamente, quanto se odeiam, se perseguem, se dilaceram, se destroem, se matam. Eis ai, enfim, a república do mundo, tiranizada por este rei maldito: quão infeliz e digna de compaixão! Continue reading

Meditação sobre uma alma que delibera a escolha entre o Céu e o Inferno

Escolha: Céu ou Inferno

Capítulo XVII

PREPARAÇÃO

1. Põe-te na presença de Deus.
2. Pede a Deus humildemente que te inspire.

CONSIDERAÇÃO

I. No começo desta meditação imagina que estás numa vasta região com o teu anjo da guarda, mais ou menos como Tobias, o jovem que viajava em companhia do arcanjo Rafael, e que ele, abrindo o céu ante teus olhos, te mostra a beleza e glória dessa mansão, ao mesmo tempo que faz aparecer o inferno debaixo de teus pés.

II. Feita esta suposição, de joelhos, como em presença do teu bom anjo, considera que na realidade te achas neste caminho entre o céu e o inferno e que um e outro estão abertos para te receber, conforme a escolha que fizeres. Mas pondera atentamente que a escolha que pode fazer-se agora, nesta vida, perdura eternamente na outra. Continue reading

Meditação sobre o Paraíso

Paraíso e a glória de Deus

Capítulo XVI

PREPARAÇÃO

1. Põe-te na presença de Deus.
2. Pede a Deus que te inspire.

CONSIDERAÇÃO

I. Representa-te uma noite serena e tranquila e pondera quão agradável é para a alma contemplar o céu todo resplandecente ao brilho de tantas estrelas. Ajunta a estes encantos inefáveis as delícias dum claro dia, em que os raios mais brilhantes do sol, entretanto, não encobrissem a vista das estrelas e da lua; e, feito isso, dize a ti mesma que tudo isso não é absolutamente nada, em comparação com a beleza e a glória do paraíso. Oh! Bem merece os nossos desejos esta mansão encantadora. Ó cidade santa de Deus, quão gloriosa, quão deliciosa és tu!

II. Considera a nobreza, a formosura, as riquezas e todas as excelências da companhia santa daqueles que vivem aí; esses milhões de anjos, serafins e querubins; esses exércitos inumeráveis de apóstolos, de mártires, de confessores, de virgens e de tantos outros santos e santas. Oh! Que união bem-aventurada a dos santos na glória de Deus. Continue reading

Older posts

© 2018 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑