O Apóstolo São João, por Mons. Baunard

Por Monsenhor L’abbé Louis Baunard (1828-1919)

Reitor da Universidade Católica de Lille

Discipulus ille quem diligebat Jesus – “João era o discípulo que Jesus amava” (Jo 21, 7)

Amados irmãos e irmãs em Cristo Jesus,
Salve Maria Santíssima!

Há tempos estava à procura de uma digna biografia do Evangelista São João e eis que, com a graça de Deus, encontrei esta obra de Monsenhor Louis Baunard, escrita em 1869 sobre o Discípulo Amado. Trata-se, como o próprio autor nos apresenta em seu prefácio, de um livro de doutrina e de piedade, no qual servir-nos-á para fortificar nossa fé nas verdades eternas e de contemplá-las em nossa oração mental diária.


ÍNDICE
Prefácio
Capítulo I. O começo da vida de São João
Capítulo II. Eleição e vocação de São João
Capítulo III. Educação divina do apóstolo São João
Capítulo IV. São João testemunha fiel de Jesus
Capítulo V. A pessoa divina de Jesus Cristo segundo São João
Capítulo VI. A promessa e a doutrina da Eucaristia no Evangelho de São João
Capítulo VII. São João durante a Ceia
Capítulo VIII. São João na Paixão de Jesus Cristo
Capítulo IX. São João na Ressurreição
Capítulo X. Primeiro testemunho de São João perante os Judeus. Conversão no Sanhedrin (Sinédrio)
Capítulo XI. São João em Samaria. Martírio de seu irmão Tiago. O concílio. A dispersão
Capítulo XII. São João e Maria. A Assunção
Capítulo XIII. São João em Éfeso. As Igrejas da Ásia
Capítulo XIV. São João e as Heresias
Capítulo XV. O Evangelho de São João
Capítulo XVI. A teologia do Evangelho de São João
Capitulo XVII. Primeira Epístola de São João. Prefácio de seu Evangelho. A lei da Caridade
Capítulo XVIII. São João na porta Latina. São João em Patmos
Capítulo XIX. O Apocalipse de São João
Capítulo XX. Volta a Éfeso. Epístola a Electa. Epístola a Caio. O jovem convertido
Capítulo XXI. A escola de São João. Sua morte

APÊNDICE
I. Sobre a suposta estada de Maria em Éfeso
II. As Ruínas de Éfeso
III. Sobre o falso Prochoro e a viagem de São João
IV. Uma visita a Patmos

PREFÁCIO

Achava-me em Roma, há poucos anos, durante a Semana Santa. Na quinta-feira santa pela manhã deixara a cidade para esquivar-me à enorme multidão de peregrinos que cercam São Pedro, e dirigira meus passos para a basílica de São João de Latrão (1). Era completa a solidão nos vastos espaços semeados de plantas e ruínas, que separam Santa Maria Maior e Santa Cruz de Jerusalém. Roma desaparecia ao longe. Somente a cúpula de São Pedro dominava e resplandecia no horizonte.

Pela primeira vez visitava eu o Santuário do discípulo amado. Aqui e ali alguns fiéis oravam. Os cônegos celebravam solenemente o Ofício do dia. Ao lado do altar, exposta à veneração, estava uma mesa de madeira incrustada de ouro e rodeada de luzes. Disseram-me que era a mesa da última ceia, onde o Senhor se sentara ao lado de São João. Um diácono leu o Evangelho; era aquele em que João dizia que Jesus tendo amado os seus que estavam neste mundo, amou-os até o fim. Ao longo da nave, doze grandes estátuas de mármore branco, colocadas em duas filas, representavam os doze apóstolos que tinham comungado ao lado do discípulo. Aí estava todo o Cenáculo, magnífico e imenso, tal qual o Senhor encarregará Pedro e João de prepará-lo: Cenaculum grande, Cenaculum stratum. Por toda a parte encontrava eu o Amigo de Jesus como que vivo em seu templo; enquanto fora, no primeiro plano, abria-se a Porta Latina, onde ele sofrera por seu Mestre, sem, porém, ter tido a felicidade de morrer.

Foi nesse quadro e nesse dia que, pela primeira vez, a fisionomia celeste do apóstolo se animou para mim. Pensei vê-lo; quis ouvi-lo: tomei do seu Evangelho e por muito tempo meditei essas páginas divinas.

Aí passei a metade de um dia, do qual rogo aos céus que me conservem eterna lembrança; e, na mesma noite, escrevi a meus amigos em França que, se Deus me desse forças, sentir-me-ia feliz de encetar uma história de São João e voltar um dia àquele mesmo ponto a fim de a ofertar como homenagem.

Cumpro a primeira dessas promessas, e minha não será a culpa se não cumprir a segunda.

Pareceu-me além disso, que em nossos dias de esmorecimento e de trevas, não podia haver história mais adequada que a deste coração ardente e luminoso gênio. Ela satisfaz as questões mais vitais de nosso tempo, e também a mais religiosa necessidade das almas: a questão da verdade e o mister da caridade.

Primeiramente, João não é só a testemunha mais importante como a mais bem informada da verdade do cristianismo. Os inimigos de Jesus Cristo, até os mais contrários à Sua divindade, não contestam: o Evangelho de São João é decisivo com relação ao dogma do Verbo feito carne; e por isso, é ele, desde Juliano o Apóstata, a arena onde os sofistas juraram vencer ou morrer.

Toda a controvérsia, portanto, tem por objeto sua autoridade, a qual não me compete demonstrar aqui; a história não é própria para essas discussões; pode porém esclarecê-las, e é isso que esperamos desta narrativa sincera. Compreender-se-á melhor o livro sacro, conhecendo-se o autor. A verdadeira fisionomia do Discípulo, como que encoberta pela auréola, retomando por este esboço, o caráter inteiramente histórico de seus traços, iluminará os fatos cuja história ele escreveu; e a vida e o escrito, apoiando-se um sobre o outro, reciprocamente se confirmarão.

Assim quando, tendo primeiro acompanhado o Discípulo à escola de João Batista, o vimos trazer à escola de Jesus Cristo aquela virgindade, aquela magnanimidade, aquela corajosa ternura e fidelidade que fizeram com que o chamassem o discípulo preferido, quem diligebat, compreenderemos então que sob a ação desses dois mestres, outra não deveria ter sido a formação sobre-humana do evangelista da caridade.

Quando, depois, o vimos, seguindo Jesus, confidente o mais íntimo das palavras da vida, suspenso dos lábios do divino Mestre, o mais próximo de Sua glória no Tabor, de Seu coração na Ceia, de Sua Cruz no Calvário, compreenderemos o direito que tem o Evangelista de denominar-se por excelência a testemunha da Verdade.

Quando enfim, acompanhando São João às plagas Iônias, o encontrarmos no meio dos gnósticos do Oriente, à sombra das escolas da sábia Éfeso, mesclado às seitas místicas e às teosofias da Ásia e do Egito, vendo correr sua velhice neste antagonismo contra erros brilhantes, escrevendo num século tão curioso de ciência como de maravilhas, compreenderemos que tal devia ser a linguagem do Evangelista do Verbo, e do teólogo de sua divindade.

Essas condições diversas de idade, de país, de tempo serão uma explicação tão natural quão simples das particularidades notadas no Evangelho. Será a testemunha autenticando e comprovando seu depoimento pela identidade de seus traços. E o discípulo de João Batista, o apóstolo querido de Jesus, o íntimo de sua pregação, de sua paixão e de sua glória, o filho adotivo de Maria, o evangelista do Verbo, o profeta de Patmos, o pastor de Éfeso, o missionário de Iônia, fundindo-se numa personalidade única e harmoniosa, somos obrigados a reconhecer que, mesmo se não houvesse assinado seu Evangelho, foi João quem escreveu, estas coisas, e seu testemunho é verdadeiro.

Mas, não foi unicamente com o fim de reconquistar para a história esta existência completa que empreendi este trabalho. Quiz também apresentar na figura de João, ao lado da testemunha e do doutor da verdade, o modelo da caridade; daquela que se entrega por amor, que transborda de dedicação, que se extingue no sacrifício.

Disse sacrifício, pois seria com efeito um engano ver em São João somente o tipo duma ternura especulativa e mística, como certas pinturas e lendas o fazem crer. Dessa maneira o desfiguram. Convém lembrar que ele se intitulou o Discípulo predileto; mas não se deve também esquecer que Jesus o chamava filho do Trovão. Vê-se nele piedosamente o evangelista do Cordeiro; esquece-se que este Cordeiro foi vítima sangrenta e que o amar é segui-lO até a imolação.

João pedira um lugar de honra à direita de seu Rei, mas convém não esquecer que ele se comprometia a beber o cálice de amargura, e que cumpriu a palavra. Vemo-lo na Ceia, inclinado sobre o coração de Jesus; não o consideramos bastante no Calvário, ao pé da Cruz. Não nos enganamos, portanto, o amor que João apresenta, são as energias sobrenaturais da paixão de que ele mesmo dizia:

“A caridade nada teme, a caridade perfeita não está no temor; e temer não é amar com perfeição” (1Jo 4, 18)

Para ele a perfeição não consistia em contemplar, mas em trabalhar e sofrer. A gloriosa montanha da Transfiguração, onde seguiu a Jesus, não foi senão o degrau do crucificamento. Se descansa em êxtase no seio de seu Mestre, não adormece. Levantai-vos e caminhemos. É para caminhar para o Calvário, para marchar ao combate, que o Senhor o chama; e mais tarde, nenhum apóstolo sustentou nem comandou tão brilhante combate como ele. Refutou a gnose, detestou o nicolaísmo, anatematizou Cerintho e seus erros; padeceu pela justiça e odiou a iniquidade; amaldiçoou Roma, inebriada de volúpia e de sangue; sobre a cabeça das nações mostrou suspensa a taça dos flagelos divinos, repreendeu as Igrejas da Ásia por sua tibieza, e, até em seus anjos denunciou as máculas. Escrevendo à mocidade cristã que formará, São João antes de tudo a felicita por ser forte. Fala somente de lutas, de triunfos e de vitórias. Atravessou o fogo, suportou o exílio, desejou a morte: Vinde, Senhor Jesus, vinde! porque para mostrar que ama, é pouco sofrer, se não conseguir morrer.

Tal qual acabo de esboçar, poderão esta alma e esta existência ser dignamente representadas neste livro? Seria loucura esperá-lo.

“Ah! – Dizia Agostinho aos católicos de Hipona, explicando o Evangelho de São João, – eu que vos falo, poderei esquecer quem sou, e o assunto de que trato? Trato das coisas divinas, e sou apenas um homem. Trato das coisas de espírito, e não sou senão um mortal. Longe de mim, meus queridos, a vã presunção de sondar esses mistérios” – Et ego qui suscepi vobis loqui, cogitandus sum qui susceperim a vobis, et quid susceperim. Suscepi enim tractanda divina homo, spiritualia carnalis, a eterna mortalis. Etiam a me longe sit vana praesumptio, etc. (S. Aug. in Joan Tract XVIII, cap. V, col. 1536)

“Mas, acrescentava aquele grande homem, as lições que vos apresento, tomo-as primeiro para mim. É talvez temerário querer escrutar assim as palavras de Deus; mas, se não podemos penetrar até à fonte, bebamos juntos à torrente” – Sed pro modulo meo capio quod vobis appono; ubi aperitur, pascor vobiscum; ubi élauditur, pulso vobiscum. Et si nondum penetramus ad fontem,de rivulo bibamus. (Id, ibid., et Tract, XXI, XII, col. 1571).

— E por sua vez dizia São Crisóstomo ao povo de Antioquia:

“Vinde, vinde, pois não é um artista, um atleta ou um retórico que vou fazer-vos ouvir. É um homem, cuja voz ressoa como a do trovão no céu. O universo tornou-se cativo daquela voz inspirada pela graça; porque além de encher o mundo, é repleta de uma harmonia indescritível. Este filho do trovão, que Jesus amou, que é uma das colunas da Igreja da terra, que bebeu do cálice de Jesus, que viu abrir-se o céu e que descansou sobre o seio de seu Mestre, vem hoje até vós. Um grande espetáculo vai começar; o céu inteiro é a cena, a terra o teatro, todos os anjos são espectadores; e com eles, os homens que são ou desejam ser semelhantes aos anjos. No entanto, João é um homem sem ciência e sem letras, um pescador de Betsaida, o filho de Zebedeu! Que nos poderá dizer este homem da Galileia que só conhece a sua pesca? Não irá nos falar de redes e de peixes? Não, falar-nos-á unicamente de coisas celestes ignoradas antes dele. Esse filósofo hauriu toda a sua sabedoria nos tesouros do Espírito Santo, e ela vai fazer empalidecer todos os pensamentos sublimes de Pitágoras e de Platão” (São João Crisóstomo, in Joan. Homil. I)

O grande bispo concluiu seu discurso pedindo que prestassem ao estudo do santo Evangelista a integridade de intenção e a pureza de coração. Sem ter os mesmos títulos, peço no entanto as mesmas disposições para a leitura deste livro de doutrina e de piedade.

É um livro de doutrina, e eu o recomendo a todos que desejarem instruir-se da verdade. Ela não tem escola superior a do Evangelho, e em parte alguma se mostra mais profunda e mais linda que no Evangelho de São João.

É um livro de piedade, e eu o recomendo aos cristãos,

— aos sacerdotes: o sacerdócio não tem mais alta personificação que a de São João;

— às virgens: João era virgem;

— às mães: ele mereceu ser dado por filho à mãe de Deus;

— aos jovens: ele era o mais moço dos apóstolos;

— aos velhos: é o nome que ele dá a si próprio em suas epístolas.

— ofereço-o às almas que sofrem: ele estava ao pé da cruz;

— às almas contemplativas: ele esteve no Tabor;

— a todas as almas que querem dedicar-se a seus irmãos e amá-los em Deus: a caridade não pode ter ideal mais puro que o amigo de Jesus.

Quisera que semelhante livro não fosse inútil na biblioteca do homem que duvida e procura. Mas, o que estimaria principalmente, é que ele ocupasse lugar no oratório entre o crucifixo e a imagem da Virgem.

Os fiéis que o lerem, acharão no Discípulo que Jesus amava, a tríplice predileção da santa Igreja especialmente neste momento: o culto da Eucaristia, o do Sagrado Coração e o de Maria.

Eis o que há de atual neste volume. Eis também, espero, o que aí se poderá encontrar de útil aos homens e de agradável a Deus.

Orléans, quinta-feira santa
25 de Março de 1869.

Referências:
(1) Esta Basílica, a rainha das Igrejas, é dedicada aos dois Santos João Batista e João Evangelista, como se vê na inscrição de sua fachada: Salvatori in Honor. SS. Johan. Bapt. et Evangel.

APÊNDICE

I. Sobre a suposta estada de Maria em Éfeso

Esta opinião, geralmente a menos aceita hoje, baseia-se principalmente num texto da carta sinodal, em que os Padres do concílio de Éfeso em 431, enumerando as magnificências desta cidade, falam do seguinte modo:

“Ali, João, o teólogo, e a Santíssima Virgem, Mãe de Deus…”

Falta o verbo, mas poder-se-ia substituí-lo pela palavra residiram. Mas, não se trata antes aqui dos dois célebres santuários de João e de Maria, que eram, com efeito, as duas grandes Igrejas desta metrópole? (V. M. l’abbé Le Hir, Etudes réligieuses du 15 Aoüt 1866).

Antes dessa época, no IV século, Santo Epifânio assim se exprime a respeito da suposta estada de Maria em Éfeso:

“Nada se pode achar na Escritura sobre a morte da Santíssima Virgem; se ela morreu ou não; se foi enterrada ou não. E quando João partiu para a Ásia, em parte alguma a Escritura dá a entender que a tenha levado consigo. Nesse ponto ela se cala” – In sacris literis nullam de Mariae obitu mentionem reperies, mortua sit necne, sepulta an non sepulta fuerit. At cum Joannes interim in Asiom profectus sit, nusquam tamen Beatam Virginem itineris comitem secum habuisse significat. Sed de ea repenitus Scriptura conticescit

Santo Epifânio, natural da Palestina (310), devia estar bem informado.

Antes dele, Policrato, bispo de Éfeso, no segundo século, celebrando as glórias de sua Igreja, numa carta ao Papa São Victor, não menciona nem a estada de Maria, nem o seu túmulo, apesar de falar no tempo em que ali esteve São João.

Na falta de testemunho positivo dos Padres dos quatro primeiros séculos, é justo ter em consideração particularmente a tradição, quer junto dos Gregos asiáticos, quer na Palestina.

Mesmo os monólogos gregos são favoráveis à opinião que dá a morte de Maria como ocorrida em Jerusalém. Se é verdade que foram redigidos muito tarde, no X século, não é menos verdade porém, que o foram por tradições anteriores e geralmente espalhadas no país.

Assim também quanto às Igrejas da Palestina e da Síria. Na Palestina, Juvenal, bispo de Jerusalém em 429, fala numa Igreja maior, perto desta cidade, em Getsêmani, onde se supunha estar o túmulo de Maria. E, apesar de suspeito, por muitos motivos, Juvenal é uma testemunha aceitável neste ponto.

Na Síria, São João Damasceno, no VIII século, notifica a morte da Mãe de Deus em Jerusalém, numa narrativa que inspira mais tarde a lenda do Breviário Romano.

Enfim, mostra-se ainda em Getsêmani, perto de Jerusalém, um túmulo muito antigo, chamado o Túmulo da Virgem, o qual se não é o que recebeu o corpo de Maria, atesta ao menos, por seu nome, a antiguidade daquela tradição.

Alguns autores, sem darem as razões, é verdade, inclinam-se em fazer vir a Santíssima Virgem a Éfeso. Baronius hesita; Bento XIV não ousa decidir-se entre as duas opiniões; Tillemont, embaraçado pelo texto mal compreendido da carta do concílio de Éfeso, vê-se obrigado a recorrer à suposição das duas estadas sucessivas de Maria e de João na cidade de Éfeso. Depois, surpreendido com as impossibilidades que apresenta a sua opinião para a cronologia, refuta-se a si próprio em sua conclusão:

«Não pensamos que São João tenha estado muito tempo em Éfeso, pelo menos antes do ano 65, e supondo que a Santíssima Virgem tivesse quinze anos quando deu à luz o Senhor, quatro anos antes da era cristã, teria então oitenta e quatro anos, e não parece provável que ela haja vindo a Éfeso em idade tão avançada» (Tillemont, Hist. eccl., t. I, p, 467)

Nestes últimos tempos, um missionário lazarista, num escrito intitulado: Éfeso ou Jerusalém, esforçou-se em adotar a tese favorável a Éfeso, apoiando-se em argumentos, entre os quais o mais recente é tirado de uma revelação da irmã Catarina Emmerich, e da descoberta feita nestes últimos anos, perto de Éfeso, de ruínas que seriam o antigo túmulo da santa Mãe de Deus. Apesar do amável convite que nos foi feito pelo respeitável autor, não podemos ser da sua opinião.

Em resposta à primeira edição de nosso trabalho, Mor. Scappapietra, arcebispo de Esmirna, em dois esplêndidos artigos publicados na Revue des Missions Catholiques de 28 de Fevereiro e 7 de Março de 1873 reivindicou energicamente para Éfeso a honra de ter tido a presença de Maria. De bom grado chamamos a atenção para estas cartas do venerável prelado, cujas conclusões sentimos não poder aceitar.

Eis a resposta que dei a 9 de Março de 1873, ao redator das Missions Catholiques, sobre esta controvérsia :

«Sr. Redator.

«Agradecido recebi e li com o mais respeitoso interesse, os dois notáveis artigos publicados pelas Missions Catholiques, que diz respeito da estada da Santíssima Virgem em Éfeso. Assim, estimei ter a ocasião que o Sr. me proporciona de agradecer a Mor. arcebispo de Esmirna, por ter tido a bondade de apresentar um tão belo estudo como refutá-lo a nota do meu livro sobre O apóstolo São João.

«Não foi, creia, sem grande hesitação e profundo sentimento, que tirei a Éfeso esta glória que, tão magistralmente reclama o seu venerável pontífice. Sinto ainda mais por ter, involuntariamente, magoado seu coração de bispo, inclinando-me à opinião que, apesar de não ter a aprovação geral, pareceu-me ser, no entanto, a que reunia autoridades mais serias e razões mais sólidas.

«As que Mor. de Esmirna invoca em sentido contrário são incontestavelmente de natureza a causar impressão. Dei-lhes, pelo que me toca, a mais religiosa atenção; e se, como a sua indulgência me faz esperar, uma nova edição ceder às duas outras, ser-me-á um dever aprofundar ainda mais o estudo deste ponto, baseando-me nos documentos que sua Excelência faz tão bem sobressair.

«Oxalá só dependesse de mim responder ao paternal convite de Mor. Scappapietra, indo, guiado por ele, para o meio das ruínas de Éfeso, e no centro das lembranças de que ele é o eloquente defensor. Mas não seria por certo ali, o Sr. bem o compreende, que eu teria a temeridade de entrar com ele em luta de opiniões, por mais respeitosa que fosse. Como o anjo com o qual Jacó ousou lutar, o anjo da Igreja de Esmirna facilmente venceria o seu adversário, que poderia ele também sair coxo desta luta desigual. O que eu teria de melhor a fazer seria acabar por onde acabou o patriarca, pedindo-lhe humildemente a bênção.

«Queira ele ao menos encontrar aqui a pública homenagem de meu reconhecimento pelos sentimentos de benevolência que animam a sua carta para com o livro e o autor, e que o fazem bem reconhecer como o sucessor do apóstolo da caridade.

«Desde já lhe envio os meus sinceros agradecimentos pela bondade que tiver de ser o meu intérprete, e queira aceitar o meu religioso sentimento de dedicação em Nosso Senhor,

Baunard.»

II. “As Ruínas de Éfeso”

Da antiga cidade de Éfeso só restam ruínas, e ainda maiores da cidade turca de Aia-Soluk, edificada sobre uma montanha em frente a Éfeso. Hospedamo-nos em uma das casas que compõem a pequena aldeia, a que foi reduzida Aia-Soluk, outrora importante. Diante de nossa porta havia uma mesquita abandonada, rodeada de lindas árvores; viam-se ali alguns túmulos, uma bonita fonte, uma espécie de plataforma pouco elevada, reservada à oração e voltada para o lado de Meca.

Do mais célebre monumento de Éfeso, do famoso templo de Diana nada existe de pé; é até mesmo difícil se fazer uma ideia do lugar que ocupava. Todos os destroços subsistentes são evidentemente de uma época posterior à época romana, mas estes destroços são imponentes. A cidade antiga, estendida sobre a encosta do monte Préon, descia de um lado num vale situado entre o monte Préon e o monte Coressus, e do outro adiantava-se sobre uma planície magnífica, rodeada por dois semicírculos de belas montanhas que se abrindo deixam ver o mar. Éfeso voltava-se para este lado; o acrópole era situado sobre o monte Préon. Dali se estende em sua majestosa tristeza a planície pantanosa e verdejante terminada pela linha azulada do mar. A natureza da vegetação, os rebanhos pastando nos campos, a grandeza das ruínas, a extensão, a solidão, o silêncio, lembram os campos de Roma; mais além, alguns aquedutos contribuem ainda para esta semelhança involuntária. Aquelas elegantes minúcias de arquitetura, que pertencem à bela época grega, não se acham aqui. É uma outra idade de ruínas, é a idade daquelas vastas cidades, que, depois do século da perfeição, tiveram seu tempo de prosperidade, de riqueza, de grandeza; daquelas cidades ao mesmo tempo gregas, romanas, orientais, em que a beleza sóbria da arte helênica ficava esmagada pelo grandioso romano e pelo gênio colossal do Oriente.

Representam elas o segundo século da civilização grega tal qual a fizera Alexandre, misturando a Ásia à Europa, o gênio de Atenas ao de Babilônia. Vê-se aqui qualquer coisa de Balbeck e de Palmyra.
Esta idade de poderosa fusão lembra também o cristianismo, cujas luzes saíram deste chãos. As lembranças cristãs são as maiores de Éfeso. Convém à majestade e à melancolia destes lugares. Segundo tradição dos primeiros séculos, São João Evangelista, a grande luz de Éfeso, como o chamava o bispo Policarpo, morreu nesta cidade, que era um dos sete archotes mencionados pelo Apocalipse; e mostravam ali a sepultura do Discípulo querido.

Hoje, na encosta do monte Préon abrem-se duas grutas formidáveis. Quem se embrenhar por suas profundezas, e levantar os olhos para os rochedos negros e amarelos, meio iluminados por uma luz misteriosa, quem subir ao alto por uma íngreme ladeira, através desses montes que parecem ter sido amontoados em desordem por um cataclisma subitamente interrompido, terá a impressão de que a Águia da visão habitou este buraco de rochedo e teve nestas cavernas, na verdade época apocalípticas, um antegosto das terríveis revelações de Patmos.

Não vos farei uma descrição minuciosa das ruínas de Éfeso; mas quisera vos poder dar uma ideia de seu número, extensão e efeito poético.

Compõem-se estas ruínas de amplos monumentos, formados uns de enormes blocos de pedra ou mármore, outros construídos parte em mármore, parte em tijolos. Meriméa fazia-me notar o caráter singular desta arquitetura elegante e bárbara ao mesmo tempo, que parece obra de um artista grego trabalhando para um Romano. Vem-se claramente indicado por fragmentos de colunas, frisas e arquitraves, os lugares de vários templos. Reconhece-se perfeitamente o estádio. Nesse estádio, ao cair da noite, enquanto escutávamos o uivar dos lobos e o rosnar dos chacais, ouvimos soar o tiro de canhão que anunciava a abertura do ramazã: mistura singular de impressões diversas!

Uma porta de mármore que dá entrada ao estádio é formada de destroços mais antigos; um deles é um baixo-relevo fúnebre representando um guerreiro à cavalo, e uma serpente enrolada numa árvore, como Satanás nas tribunas de Rafael na capela Sistina; outras têm inscrições gregas e latinas. Vêm-se, desde já, os processos de barbaria no meio de toda esta magnificência. O teatro, encostado a montanha, fazia frente à planície. Algumas arquibancadas ainda subsistem: as duas extremidades onde a cena se unia às arquibancadas foram igualmente conservadas. Vê-se debaixo de uma delas, uma construção ciclópea de tempo muito mais remoto com uma porta igual a do subterrâneo de Tirinto. Enquanto debaixo contemplávamos o hemiciclo do teatro, encheu-se ele de cabras pretas; um pequeno cabreiro turco assobiava num caco; um enorme bando de gralhas descrevia longos círculos nos ares. Do lado da montanha o céu estava chuvoso e acinzentado, porém de um azul brilhante do lado do mar. Diante das nuvens cor de cobre, outras brancas passavam como espectros; de vez em quando, uma luz clara e pálida iluminava as ruínas imersas, os cumes austeros, a planície deserta.

Nunca vi nada mais sublime; mesmo o campo romana nunca me apareceu mais grandioso nem mais triste. (J. J. Ampère, La Grèce, Rome et Dante. — Unè course en Asie Mineure, p. 357 á 362).

III. Sobre o falso Porchoro e a viagem de São João

Não me ocupei nesta edição da viagem de São João, escrito apócrifo, composto provavelmente no IVº ou Vº século, ou ainda mais tarde, sobre o nome emprestado de Porchoro, um dos sete diáconos da Igreja primitiva.

Esta narrativa fora primeiro escrita em grego. O Sr. V. Guérin, enviado em missão na ilha de Patmos, viu um manuscrito muito bonito, que foi depois adquirido e transportado à biblioteca do Museu Britânico. Foi traduzido em latim na Biblioteca maxima Patrum, t. II de edição de 1677. Belarmino, Tilemont, Vossio, Baronio, são unânimes em negar sua autenticidade.

Começa a obra pela dispersão dos apóstolos e a partida de São João para a Ásia Menor. Termina com a morte milagrosa do apóstolo.

Acha-se ali também a suposta carta do procônsul de Éfeso a Trajano, denunciando-lhe o apóstolo. Em 1865 achou-se esta carta gravada nas paredes do refeitório da abadia de Westmister (Ver a carta do Rev. Ch. Wordsworth ao redator do Times, 15 de Maio de 1865). É apenas um arremedo da bem conhecida carta que por esse mesmo tempo, Plínio, o jovem, dirigiu ao imperador a respeito da religião cristã na Bitínia.

Parece muito provável que o livro do falso Porchoro tenha sido escrito em Patmos. Dá sobre a estada de São João nessa ilha minúcias circunstanciadas que, se não são históricas, parecem ao menos tiradas de tradições ainda vivas no país. (V. M. Guérin, Descrip. de Vile de Patmos, p. 20. — Paris, chez Durand, 1756).

IV. Uma visita a Patmos

«De fronte da costa da Iônia, outrora tão célebre pelas riquezas, hoje pelas ruínas de tantas cidades importantes, Mileto, Prieno, Éfeso, vê-se um grupo de ilhotas, rochedos quase sem nome, na maior parte desertos, espalhados no mar Icário, entre Cós e Samos. Dentre estes um só se tornou célebre: é Patmos.

«A única maneira de se ir a Patmos é sempre a mesma desde São João. Aluga-se em Micom, a mais oriental das Cycladas, ou em Scala Nova, que é o porto de Éfeso, uma pequena embarcação mais ou menos coberta, com quatro a cinco homens de tripulação, e corajosamente a gente se entrega aos azares de uma travessia à vela, que pode durar no mínimo doze horas, no máximo, indefinidamente. Partimos de Micom no meio da noite; chegamos à Patmos no dia seguinte um pouco antes do pôr do sol…»

Segue-se a descrição do mosteiro, e a recepção hospitaleira do higouméne ou abade.

«O dia caia, o sol deitava-se num céu sem nuvens. Aproveitamos os últimos instantes para trepar nos telhados e lançar a vista sobre o aspecto geral da ilha.

«O teto chato do mosteiro forma um grande terraço que se eleva, se abaixa, se eleva de novo conforme o capricho do construtor, dando a cada corpo do edifício um andar mais ou um andar menos. As seteiras servem de parapeito. Aqui e ali umas dez pequenas cúpulas bizantinas, de oito a dez pés de altura, encimadas por uma cruz grega, atravessam a superfície do teto, indicando o lugar de outras tantas capelas interiores. Aquele teto chato, caiado e brilhando ao sol, aquelas cúpulas corcundas com as telhas multicores e vidros brilhantes, aquelas seteiras projetando do lado do Oriente sombras gigantescas, formavam um conjunto impressionante. Aos nossos pés as grandes muralhas negras, fantasticamente inclinadas. Apertadas à sua sombra, mil e duzentas casinhas mostravam seus terraços de uma brancura deslumbrante, e onde tagarelavam mulheres e crianças. Num relancear de olhos abraçamos a pequeneza da ilha. É apenas um ponto perdido no mar imenso: e, coisa singular, esta impressão foi mais forte nesta ilha do que numa barca ou em alto mar. Quatro colinas, de oitocentos a mil pés de altura correspondem nas extremidades da ilha àquela onde está o convento. Formadas por. grandes rochas negras amontoadas, são inteiramente estéreis. Na praia e nos vales internos, apesar de desprovidos de arvoredo, vê-se alguma verdura; mas não é a verdura das pastagens, mas inúteis samambaias que nascem ali espontaneamente. O que se vê mais? Pequenas capelas em todas as eminências, cabanas de pastores feitas com galhos de pinheiro, estábulos cobertos, parques miseráveis onde pastam uns carneiros magros, cinquenta barcas ancoradas no porto silencioso: eis todo o Patmos em sua austera pobreza.

«Mas levantemos os olhos. Fitemos além dessa terra árida e desses sinistros rochedos. Que esplendor! Que luz! Tantas ilhas quanto ondas, semeadas pelo mar sem limites! Como são belas, vista a esta distância favorável que lhe oculta a esterilidade, deixando ver-lhe as formas majestosas! É Amorgos, a ilha das mulheres e das crianças bonitas; Amorgos que se assemelha à querena de um enorme navio virado; o porto brilha ao sol, os flancos sombreados deixam ver partes dilaceradas e anfractuosidades sombrias. É Nicaria, cortada em mil baias onde outrora se escondiam os piratas de Lord Byron. É Samos, ora planície, ora montanha; ondula em curvas caprichosas, nua no vértice, porém na base rica de sombra e verdura. É, no Oriente, a terra da Anatólia, é a Ásia, desde Mileto até laços de Leleges; a costa se eleva lentamente, e lentamente se abaixa, formando um imenso e majestoso frontão que faz lembrar, com mais grandeza, o Pentélico ateniense. Um vapor diáfano, e que aos objetos nada tira de sua nitidez, liga todos os seus contornos, e mistura acertadamente este céu, este mar, estas ilhas; o céu é azul, o mar é azul, as ilhas são azuis; as ilhas mais vaporosas, o mar mais escuro; no horizonte, o céu claro, pálido e quase cinzento.

… «O lugar onde está o convento não é aquele onde a tradição conta que São João teve as visões apocalípticas. A vinte minutos da aldeia, à meia altura da colina, avista-se uma gruta tendo em cima uma Igreja e diversas construções. Desce-se por uma escada de trinta degraus. Nessa gruta, cujas paredes foram aplainadas e cuja abóboda foi arredondada é, que a lenda coloca a visão do Apóstolo. Nada apresenta, porém, de notável; dois sulcos, cavados no solo, indicam o leito de uma fonte hoje seca; uma fenda triangular na abóboda é, dizem os frades, a abertura por onde vinha a voz de Deus até São João. A gruta tem doze passos de comprimento, e quatro ou cinco de largura; só encerra uma mesa de pedra servindo de altar, atrás de um painel de madeira cheio de pinturas Bizantinas; é o que se chama o iconostásio…»

Louis Petit de Julleville.
(Revue des cours littéraraires, n° 14, 2 Mars 1857).