Capítulo III. Do segundo fruto da mesma palavra proferida por Cristo na Cruz
O segundo fruto, e na verdade muito salutífero para quantos dele provarem, será aprendermos a perdoar facilmente as injúrias, e a fazermos assim de inimigos amigos. Para disto nos convencermos, deveria ser razão bastante o exemplo de Cristo e de Deus: pois se Cristo perdoou aos que O crucificaram, e pediu por eles, por que não há de fazê-lo o cristão? Se Deus, Criador, que podia, como Senhor e Juiz, castigar imediatamente os pecadores, espera que eles se arrependam, e os convida para a reconciliação, pronto a perdoar a quem Lhe ofendeu Sua Majestade; porque não há de perdoar a criatura? A isto se há de acrescentar que o perdão de uma injúria nunca fica sem grande prêmio. Na história da vida e morte de Santo Engelberto, Arcebispo de Colônia, se lê, que, tendo-o os seus inimigos assassinado numa jornada, e ele em seu coração dissesse: Meu Pai, perdoa-lhes, dele se revelara, que só por aquela sua rogativa, de que Deus sumamente se agradou, não só a sua alma foi imediatamente levada ao Céu pelos Anjos, mas até colocada entre os coros dos Mártires, recebeu a palma e coroa do martírio, e foi assinalada por muitos milagres (1).

Oh! Se os cristãos soubessem, quão facilmente podiam, se quisessem conseguir a riqueza de tesouros incomparáveis; e quão ilustres títulos de honra e glória podiam alcançar, resolvendo-se a serem senhores das suas paixões, e a desprezarem generosamente pequenas ofensas; não seriam certamente tão desumanos e duros no perdão e sofrimento às injúrias. Mas, dir-se-á, parece diametralmente oposto ao Direito natural deixar-se alguém deprimir injustamente, e ofender por palavras ou por obras; pois vemos que os brutos, unicamente levados pelo instinto, acometem as feras, suas inimigas, logo que as vêem e a dente ou a coices as matam; e em nós mesmos nós experimentamos, quando casualmente nos encontramos com algum nosso inimigo, que o sangue começa logo a ferver-nos, desenvolvendo-se imediatamente o desejo da vingança. Engana-se completamente, quem assim raciocina, confundindo a justa defesa com a injusta vingança. A justa defesa não pode ser censurada; e é esta a que a mesma natureza ensina repelir a força com a força; mas já assim não é a vingança de uma injúria que se nos faz. Ninguém pode proibir-nos de não querermos ser injuriados; porém, que nos vinguemos das injúrias, proíbe-o a lei de Deus.

O castigo das injúrias não pertence a particulares, mas aos magistrados; e, porque Deus é o Rei dos Reis, é que Ele diz, clamando:

“A mim pertence à vingança: eu retribuirei” (Dt 32; Rm 12)

A causa porque as feras atacam naturalmente as suas inimigas provêm de que são feras, e não podem por isso mesmo discernir entre natureza e vício da natureza; porém os homens, dotados de razão, devem distinguir a natureza ou pessoa, que Deus criou boa, do vício ou pecado, que é mau, e não provém de Deus. Por isto, quem é injuriado, tem obrigação de amar a pessoa, e aborrecer a injúria; de se compadecer mais de quem o injuriou do que de lhe ficar com má vontade, imitando os médicos, que amam os seus doentes, e por isso com todo o desvelo os curam, aborrecendo só a moléstia, e empregando, para a debelarem, todos os recursos da sua arte. É por isto, que Cristo, o Mestre e Médico das almas, ensinou, dizendo:

“Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos tem ódio; e orai pelos que vos perseguem, e caluniam” (Mt 5, 44)

Cristo, nosso Mestre, não se pareceu com os Escribas e Fariseus, que, sentados na cadeira de Moisés, ensinavam o que não praticavam (Mt 23); mas, sentado na cadeira da Santa Cruz, praticou o que ensinava; pois amou os Seus inimigos e orou por eles, dizendo:

“Meu Pai, perdoa-lhes; pois não sabem o que fazem”

A causa, por que também aos homens começa a ferver o sangue, quando vêem as pessoas que alguma injúria lhes fizeram, é porque não aprendeu a sujeitar à razão o ímpeto da parte mais fraca, em que nós não diferimos dos brutos. Os que são espirituais e já sabem dominar a rebelião do corpo, não se mostram coléricos com os seus inimigos, mas compadecem-se deles e diligenciam por meio de obséquios atraí-los à paz e concórdia.

Mas isto se dirá, é demasiadamente difícil, principalmente para, quem teve nascimento nobre e quer conservar a nobreza do seu berço. É o contrário, é fácil, porque o jugo, de Cristo, que impôs este preceito aos seus sectários, é suave e leve, como testificam os Evangelhos (Mt 11), e os seus mandados não são custosos, como diz São João (1Jo 5). O parecerem-nos custosos e duros provêm de que a caridade de Deus em nós é pouca, ou nenhuma; pois para a caridade não há dificuldades, como diz o Apóstolo:

“A caridade é paciente; é benigna, tudo tolera, tudo crê, tudo espera e tudo sofre” (1Cor 13)

Não foi só Cristo, quem amou os Seus inimigos; apesar de que neste particular é superior a todos, pois na lei da natureza o Santo Patriarca José mostrou extremoso amor aos que o tinham vendido (Gn 45), e na lei escrita Davi sofreu com a maior paciência Saul, seu inimigo, que muito tempo procurou mata-lo (1Rs 4), e podendo por muitas vezes tirar-lhes a vida, nunca o quis fazer. Na lei da graça segui o exemplo de Cristo o Protomártir Santo Estevão, que quando o estavam apedrejando, orava, dizia: Senhor, não lhes imputes este pecado (At 7); e São Tiago Apóstolo, Bispo de Jerusalém, tendo-o os judeus precipitado de uma altura, e quase a expirar, exclamava: Senhor, perdoai-lhes, porque não sabem o que fazem (2); e o Apóstolo São Paulo de si e dos seus coapóstolos, diz:

“Amaldiçoam-nos, e bendizemos; perseguem-nos, e sofremos; somos blasfemados, e rogamos” (1Cor 4, 12)

Além disto muitos mártires, e inumeráveis outros, seguindo o exemplo de Cristo, cumpriram facilmente este preceito; mas ainda hoje alguém diz — não nego, que se deve perdoar aos inimigos, mas há seu tempo, quando a impressão da injúria já tiver desaparecido, e a alma tiver voltado a si da agitação em que se achava. — Mas se, entretanto, que não perdoas for deste para o outro Mundo, e achando-te lá sem a veste da caridade, ouvires:

“Como entraste aqui, não tendo vestido nupcial?” (Mt 22, 12)

Não ficará então, sem poderes articular nem uma só palavra, e não ouvirás a sentença do Senhor:

“Atai-o de pés e mãos e lançai-o nas trevas exteriores: aí haverá choro e ranger de dentes?”

Porque te não resolves antes a imitar desveladamente o exemplo do teu Senhor, que no mesmo tempo em que estava sendo injuriado, e em que de Suas mãos e pés corria o sangue tépido, e todo o Seu corpo era atormentado com dores atrocíssimas, dizia a seu Pai:

“Meu Pai perdoe-lhes?”

É este o verdadeiro e único Mestre, de quem deve aprender quem não quiser errar. Dele, disse do Céu seu Pai:

“Ouvi-o” (Mt 17, 5)

Nele acham-se todos os tesouros da sapiência e sabedoria de Deus. Se tivesses consultado Salomão, sem dúvida teria seguido bem confiadamente o seu conselho: pois mais sábio, do que Salomão é Cristo (Mt 12, 42). Estou, porém ouvindo, não sei quem, replicando-me, a dizer: — Se pagamos o mal com o bem, a injúria com o benefício, o ultraje com a caridade, tornar-se-ão os maus mais insolentes, os facinorosos mais audazes; serão oprimidos os justos, e a verdade será espezinhada. Não, é assim; pois, como diz o Sábio, boas palavras desarmam a ira (Pr 15); e não poucas vezes a paciência do justo maravilhou o seu perseguidor, e de inimigo que até ali era, o tornou amicíssimo: nem faltam no mundo magistrados, nem reis, nem príncipes, a quem está incumbido o castigar os delinquentes pela forma que as leis prescrevem, e providenciar para que os bons não sejam inquietados no seu viver sossegado e pacífico e, quando alguma vez em alguma parte a justiça dos homens deixasse de cumprir o seu dever, está sempre vigilante a Providência de Deus, que não deixará nunca nem o mau sem castigo, nem o bom sem prêmio, e, que por um modo admirável faz com que os maus, quando julgam que deprimem os justos os exaltem e engrandeçam. Assim o diz São Leão no sermão de São Lourenço:

“Cevaste perseguidor, a tua crueldade, contra o Mártir, cevaste, engrandeceste o seu triunfo, agravando o seu tormento. Quanto não concorreu, pois para glória do vencedor o teu talento, transformando-se em aplauso seu triunfo os instrumentos do seu suplício?

Isto mesmo pode dizer de todos os mártires, e também dos antigos santos: nenhuma outra coisa, pois mais ilustrou e engrandeceu o Patriarca José, do que a perseguição de seus irmãos, que o vendendo aos Madianitas pela inveja que lhe tinham foram à causa dele vir a ser o principal de todo o Egito, e deles mesmos (Gn 37). Deixando porém isto, digamos em suma, a quão grandes danos se sujeitam os que, para fugirem a uma sombra de desonra entre os homens, pretendem obstinadamente vingar as injúrias, que seus inimigos lhes fizeram.

Primeiramente fazem o papel de néscios, querendo evitar um mal menor com um maior; pois é princípio sabido de todos, e declarado pelo Apóstolo, que diz: Não se deve praticar o mal, para dele vir o bem (Rm 8): e do mesmo modo também não se deve fazer um mal maior, para com ele evitar um menor. Quem recebe a injúria, sofre: quem se vinga, peca; e é, sem comparação, maior o mal da culpa, do que o do sofrimento; pois o sofrimento torna o homem digno de compaixão, mas não o torna mal; a culpa torna-o digno de compaixão e mau juntamente: o sofrimento priva-o de um bem temporal; a culpa priva-o de um bem temporal e do eterno. Assim, o que, querendo remediar o mal do sofrimento, cai no mal da culpa, assemelha-se àquele que, para calçar um sapato, demasiadamente apertado, cortasse parte do pé: o que seria manifesta loucura.

Não há, porém, quem nas coisas temporais leve a demência a tal ponto; mas encontra-se, quem, completamente obcecado, não receia ofender gravissimamente a Deus, para evitar, como já disse, uma sombra de desonra mundana, ou para conservar um fumo de honra entre os homens. Quem assim faz cai na ira e no ódio de Deus; e por isso, se não emendar sem perda de tempo, fazendo sincera penitência, será condenado a perpétua infâmia, e suplício, perdendo para sempre a glória e a honra.

Em segundo lugar faz, quem se vinga um dos maiores serviços ao diabo e aos seus anjos, que incitaram os inimigos dos vingativos, a fazerem-lhes injúrias com o fim de se originarem entre eles rixas e inimizades. Quão ignominioso, porém seja fazer antes a vontade, ao ferocíssimo inimigo do gênero humano, do que a Cristo, deixo-o ao juízo e consideração dos piedosos. Além dás razões que ficam expostas acontece não raras vezes, que, quem pretende vingar-se de uma injúria, ou fere gravemente ou mata o seu inimigo, e ou por sentença do imperante é justiçado, sendo-lhe confiscados os seus bens ou se vê obrigado a expatriar-se, ficando ele, seus filhos, e toda a sua família reduzidos a passarem uma vida amargurada. Assim o diabo folga e ilude os que preferem serem escravos da falsa honra a ser servos de Cristo, o melhor dos reis, e co-herdeiros do Seu ditosíssimo reino. Por isto, sendo tão grande e tão grave o dano, que espera os néscios, que contra o preceito do Senhor recusam reconciliar-se com os seus inimigos; todos os que não são néscios ouçam e sigam Cristo, Mestre de todos, que na Cruz praticou o que tinha ensinado no Evangelho (Mt 5; Lc 23).


Referências:

(1) Apud. Sur. die 7 Novembris.

(2) Euseb. Hist. lib. 2. Cap. 22

Voltar para o Índice de As Sete Palavras de Cristo na Cruz, de São Roberto Belarmino

(BELARMINO, Cardeal São Roberto. As Sete Palavras de Cristo na Cruz. Antiga Livraria Chadron, Porto, 1886, p. 45-56)