Capítulo 32: Do primeiro fruto da sétima palavra
Desta última palavra e da morte de Cristo, que depois dela se seguiu, vamos, segundo o nosso costume, colher alguns frutos. Em primeiro lugar vejo, que de uma coisa que parece não poder indicar senão muita fraqueza e muita estultícia, se demonstra o poder, a sabedoria e a caridade de Deus no grau o mais subido, pois no grande brado, com que expirou, bem se deixa ver o Seu poder, e daqui se colige que Ele podia deixar de morrer, e que morreu, porque assim o quis. Os que morrem naturalmente vão pouco a pouco perdendo as forças e a voz, não podendo gritar na última respiração; foi por isto que o centurião, vendo que Jesus depois de ter derramado tanto sangue, expirara, bradando fortemente, disse não sem motivo:

“Na verdade este homem era filho de Deus” (Mc 15)

Grande Senhor é Cristo, que, mesmo estando para expirar, mostra o Seu poder não só com o grande brado que deu no último suspiro, mas até abalando a Terra, fendendo os rochedos, abrindo os sepulcros, e rasgando o véu do templo, o que tudo o Evangelista diz, que sucedem na Sua morte (Mt 26). Acresce, que tudo isto não deixa de ser misterioso, no que também se mostra a sabedoria de Cristo, pois o abalo da Terra, e o fendimento dos rochedos significavam que pela Sua Paixão e Morte os homens se deviam demover à penitência, e que se deviam mesmo rasgar os corações dos obstinados, o que São Lucas diz que acontecera naquela mesma ocasião, contando que muitos, que assistiram a este espetáculo, se retiravam, batendo nos peitos (Lc 23). O abrimento dos sepulcros designava a ressurreição dos mortos, gloriosa por virtude da morte de Cristo. O rasgamento do véu do templo, que pôs a descoberto o Sancta Sanctorum, foi sinal de que por merecimento daquela morte se havia de abrir o Santuário do Céu, onde em seguida haviam de serem admitidos todos os Santos, a verem a face de Deus. Não foi só na significação destes mistérios, que Cristo mostrou a Sua sabedoria, mas também a mostrou em produzir da morte a vida, para figura do que Moisés fez brotar água de uma penha (Nm 20), e pelo mesmo motivo o mesmo Cristo Se comparou com o grão de trigo, que morrendo, produz muito fruto (Jo 12), pois assim como aquele grão, corrompendo-se, germina uma viçosa espiga,
também Cristo, morrendo na Cruz, deu à multidão das nações a vida da graça, e tão claramente, que mais não pode ser, São Pedro diz de Cristo:

“Engolindo a morte, para nos fazer herdeiros da vida eterna” (1Pd 2)

Como querendo dizer:

«O primeiro homem, engolindo o doce pomo vedado, fez escrava da morte toda a sua posteridade; o segundo homem, engolindo o amargosíssimo pomo da morte, conduziu à vida eterna todos os que dEle renascem»

Mostrou finalmente Deus a Sua sabedoria, morrendo, porque fez que o patíbulo da Cruz, o mais infamante e horrível daquele tempo, se convertesse em honrosíssimo e glorioso, de modo que os mesmos Reis se ufanam da honra de o trazerem na cabeça, e não se tornou só honroso, mas até aprazível e amável para os que tem amor a Cristo, pelo que a Igreja canta:

«Amável madeiro, amáveis cravos, amável peso sustentou»

E isto mesmo provou com o seu exemplo Santo André, que olhando para a Cruz, em que ia ser crucificado, disse:

«Salve, Cruz preciosa, que foste honrada pelos membros de Cristo, desejada há muito, procurada com diligência, amada sem interrupção, e já preparada para o desejo da minha alma, confiado e contente, a ti me dirijo, e tu, exultando, me recebas como discípulo de Cristo, meu mestre, que em ti pendeu»

E que diremos da caridade? Do Senhor é esta sentença:

“Ninguém pode dar maior prova de amizade do que sacrificando a vida pelos sem amigos” (Jo 15)

Foi o que Cristo fez na Cruz, porque, se Ele não quisesse morrer, ninguém podia obrigá-lO a isso. A minha vida ninguém me tira, sou eu mesmo que a sacrifico, diz Ele próprio (Jo 8), e por isso mesmo ninguém pode dar maior prova de amizade, do que dando a vida pelos seus amigos, porque nada há nem mais desejável, nem de maior preço, que a vida, por ser ela a base de todos os bens. De que aproveita ao homem ganhar todo o mundo, se vier a perder a sua alma (isto é a sua vida), diz o mesmo Senhor (Mt 16). Daqui vem que tudo resiste quanto pode, e mais do que pode, pretende resistir a quem lhe quer tirar a vida, e por isto lemos no livro de Jó :

“Pele por pele dará o homem, e tudo quanto tem, para salvar a sua (vida)” (Jó 2)

Porém isto são generalidades, passemos a especialidades. Cristo, morrendo na Cruz, mostrou inefavelmente por muitos modos a Sua caridade com o gênero humano, e com cada um de nós. Em primeiro lugar a Sua vida era a mais preciosa das vidas, porque era a vida do Homem Deus, a vida do Rei, o mais poderoso dos Reis, a vida do mais Sábio dos Sábios, a vida do mais Virtuoso dos Virtuosos. Além disso, sacrificou a Sua vida pelos Seus inimigos, pelos malvados e pelos ingratos, de mais a sacrificou para, à custa do Seu precioso sangue, livrar do fogo do inferno, a que já estavam condenados aqueles Seus inimigos, malvados e ingratos. Sacrificou finalmente a Sua vida, para fazê-los Seus irmãos, e torná-los coerdeiros do Reino dos Céus com o gozo da maior felicidade e sem limite nenhum de duração. E haverá ainda alguém tão duro, tão bravio, que não ame Jesus Cristo de todo o seu coração, e que em seu serviço não suporte qualquer adversidade? Coração tão de pedra e tão de ferro Deus o desvie não só dos nossos irmãos, mas de todos os homens, mesmo dos infiéis e dos ateus.


Voltar para o Índice de As Sete Palavras de Cristo na Cruz, de São Roberto Belarmino

(BELARMINO, Cardeal São Roberto. As Sete Palavras de Cristo na Cruz. Antiga Livraria Chadron, Porto, 1886, p. 258-264)