Do primeiro fruto da quarta palavra

Capítulo 14: Do primeiro fruto da quarta palavra
Explicamos brevemente o que, quanto à Historia, diz respeito à quarta palavra. Agora a primeira consideração, que se nos oferece, para da árvore da cruz colhermos alguns frutos, é a de ter Cristo querido esgotar o cálice da Paixão completamente todo até a última gota. Tinha de estar na Cruz três horas, da 6ª até à 9ª, nela esteve três horas inteiras completas e mais que completas; pois foi crucificado antes da 6ª e expirou depois da 9ª, como se prova com o seguinte argumento: O eclipse começou à hora 6ª, como dizem três Evangelistas, São Mateus, São Marcos, e São Lucas; e expressamente São Marcos:

“E chegada a hora de Sexta, se cobriu toda a Terra de trevas até a hora de Nona” (Mc 15)

E três das sete palavras do Senhor, proferidas na cruz, foram-no antes de começarem as trevas, e antes da hora sexta; e as quatro últimas, depois das trevas e por isso mesmo depois da hora 9ª. São Marcos, porém, ainda com mais clareza explica tudo, dizendo:

“Era a hora de Terça, quando o crucificaram”

E depois acrescenta:

“E chegada a hora de Sexta converteu-se o dia em trevas”

Quando diz que o Senhor foi crucificado na hora de terça, quer dizer, que esta hora ainda não estava completa, e por isso, que ainda não tinha começado a de sexta; pois São Marcos exprime-se pelas horas principais, e cada uma delas contém três horas ordinárias, e é segundo este modo de contar o tempo (Mt 20), que o Pai de família convidou trabalhadores para a vinha na hora 1ª, 3ª, 6ª, 9ª e 11ª; é, que nós designamos as horas Canônicas por Prima, Terça, Nona e Vésperas, que é a undécima. Por isto em São Marcos se lê, que o Senhor foi crucificado na hora de Terça, porque ainda não tinha começado a de Sexta.

Quis o Senhor beber o cálice da Paixão, completamente cheio, a transbordar, para nós aprendermos a gostar do cálice amargo da penitência e dos trabalhos; e a não nos deleitarmos com o cálice dos prazeres e delícias do mundo. Nós, segundo os apetites da carne, e do século, desejamos pequenas penitências e grandes indulgências, pouco trabalho e muito regalo, pequena reza e muita palestra, mas na verdade não sabemos o que havemos de pedir; pois segundo a exortação do Apóstolo aos Coríntios:

“Cada um receberá a sua recompensa segundo o seu trabalho, e não será coroado senão o que combater conforme a Lei” (1Cor 3)

A felicidade sempiterna mereceria sem dúvida um trabalho sempiterno para ela se conseguir; porém, porque, se fosse necessário um trabalho assim nunca chegaria a consegui-la; satisfez-se o Senhor de piedade com que somente nesta vida que foge como sombra, cada um de nós segundo as suas forças, se empenhe na prática de boas obras e em seu serviço, por isso não tem coração, não pensam, não raciocinam, não são moços, mas crianças, os que passam esta curta vida no ócio, e o que muito pior, é ainda, pecando gravemente e provocando a ira de Deus. Pois, se convém que Cristo padecesse e assim entrasse na Sua glória (Lc 24, 26), como havemos nós, passando a vida em divertimentos e estragando o tempo nos deleites da carne, ser participantes da glória que não é nossa? Se o Evangelho fosse muito escuro e não pudesse interpretar-se ou entender-se sem grande dificuldade, talvez tivéssemos alguma desculpa, mas ele está tão explicado pelo seu Autor com o exemplo da Sua própria vida, que até para os cegos é claro; e não só o temos explicado por Cristo, mas são tantos os comentários que explanam o seu sentido, quantos são os Apóstolos, Mártires, Confessores, Virgens, e finalmente os Santos, cujos louvores e triunfos todos os dias celebramos. Todos eles, clamando, nos estão dizendo que as portas do Céu não se abrem com a chave de muitos deleites, mas como a de muitas tribulações (At 14).


Voltar para o Índice de As Sete Palavras de Cristo na Cruz, de São Roberto Belarmino

(BELARMINO, Cardeal São Roberto. As Sete Palavras de Cristo na Cruz. Antiga Livraria Chadron, Porto, 1886, p. 140-144)

1 Comment

  1. Nara A

    Salve Maria! Deve dar muito trabalho organizar e postar… Que Deus lhe pague por ser uma alma tão generosa.
    Queria elogiar todo o layout do site e o esmero com o conteúdo postado aqui.
    Saiba que ajuda muitas almas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2022 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑