Meditação para o Dia 23 de Março

As provações espirituais, preciosas, na verdade, porém duras, Deus só as envia aos seus amigos prediletos. A santidade é o mais difícil e o mais penoso dos trabalhos. A vida contemplativa só é fecunda e bela porque se passa num verdadeiro calvário. Às alegrias sensíveis e consolações sem par dos primeiros dias de fervor, sucede-se uma aridez penosa. Meu coração é de gelo – dizem as pobres almas – sinto que não tenho amor a Jesus, perdi minha piedade, estou condenada! Que desolação! Vêm logo as alternativas de fervor e aridez. Nas consolações, no fervor sensível, compreende-se tudo, caminha-se com segurança, em pleno dia, à luz do sol radiante e belo. Depois, entra-se numa floresta espessa e já não se pode ver mais a estrada certa. É a desorientação. Nem a palavra do diretor espiritual já nos conforta. Uma desoladora confusão! Quer a pobre alma guiar-se, achar o caminho e, a cada passo, encontra uma dificuldade, um obstáculo, uma dúvida cruel, uma tentação. Verdadeiro labirinto! Que fazer? Nesse transe penoso da vida espiritual, só há um remédio: a confiança, até ao abandono, nas mãos de Deus. Fechai os olhos, almas piedosas, dai a mão a Jesus e deixai que Ele vos conduza para onde quiser. Esse “fechar os olhos” e esse “dar a mão a Jesus” são a confiança e o abandono. Não vos perturbeis. Se não conheceis o caminho, por que procurá-lo em vão? O Vosso Guia é seguro, mas é preciso que fecheis os olhos e Lhe deis a mão. O abandono e a confiança, entretanto, não excluem o esforço. Enganar-se-ia quem julgasse ser necessário apenas o gesto de abandonar-se e confiar em Nosso Senhor, sem mais. O abandono é o cume da Montanha do amor, dizia Mons. Charles Gay, e o amor se conquista na luta e no sacrifício.

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 94)