Meditação para o Dia 15 de Abril

Ninguém é mais livre do que a alma inteiramente abandonada à Vontade de Deus. Nada a perturba e embaraça. Luta, sofre, trabalha, sempre feliz, numa paz inalterável. As almas imperfeitas sofrem muito. Uma palavrinha as perturba, qualquer moléstia ou contrariedade as atira num mar de aflições e queixas desesperadas. A alma abandonada, confiante, só tem um ideal: fazer a vontade de Deus. Passará da saúde para a doença, da secura para as consolações, da calma para a tentação, dos reveses da sorte para a prosperidade, sempre conformada, humilde, feliz por cumprir a Vontade Daquele que tudo dispõe, neste mundo, para nosso bem.

É a santa liberdade dos filhos de Deus, dos discípulos fiéis da cruz.

“Se há alguma coisa – diz Bossuet – capaz de tornar livre um coração, é o perfeito abandono a Deus, à Sua Santíssima vontade” (1)

A mortificação, o espírito de sacrifício, a humildade provada das humilhações, ajudam-nos muito na conquista dessa liberdade do coração. Vamos romper as cadeias que nos prendem a este eu orgulhoso e tirano, que nos escraviza. E cantaremos então como o salmista:

“Quebrai, Senhor, minhas cadeias. Eu Vos sacrificarei uma hóstia de louvor!”

Referências:
(1) “Bossuet” – “Parfait abandon”

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 118)