Meditação para o Sábado da 3ª Semana do Advento. Sua vida recolhida no seio de sua Mãe

Meditação para o Sábado da 3ª Semana do Advento

Sumário

Meditaremos as ocupações interiores do Verbo Encarnado durante a Sua estada no seio de Sua Mãe. A primeira destas ocupações era prestar continuamente a Deus quatro grandes ofícios:

1.º A adoração;

2.° O amor;

3.° A ação de graças;

3.° O louvor.

— Depois de ter meditado estes diversos ofícios, tomaremos a resolução:

1.° De fazer muitas vezes, pela salutar prática das orações jaculatórias, atos de adoração e amor, de reconhecimento e louvor;

2.° De oferecer as nossas obras a Deus com algum destes diferentes intuitos, e de animar-nos por isto a fazê-las perfeitíssimamente.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra do Salmista:

O Senhor é grande e digno de todos os louvores – Magnus Dominus et laudabilis nimis (Sl 47,2; 95, 4; 144, 3)

Meditação para o Dia

Adoremos o Verbo Encarnado, formando no seio de Maria um verdadeiro paraíso, onde presta a Deus Seu Pai o mais perfeito culto que possa ser-Lhe prestado. Quanto mais Ele se compraz em prostar-Lho tanto mais Deus se compraz em recebê-lO. Alegremo-nos de ver Deus tão perfeitamente honrado, e bendigamos o Verbo Encarnado, que lhe alcança semelhante glória.

PRIMEIRO PONTO

Adoração que o Verbo Encarnado presta a Deus no seio de Maria

A adoração procede do conhecimento de Deus e de nós mesmos – Quis tu, Domine? Quis ego? Quanto mais conhecemos a excelência e as perfeições do Ente divino, tanto mais nos enchemos de respeito, nos humilhamos, nos aniquilamos na Sua presença; quanto mais também nos conhecemos a nós mesmos, tanto mais nos sentimos pequenos diante de Deus e nos abatemos até ao nada. Ó Pai Santíssimo, o mundo não Vos conhece (1), e ele não se conhece a si mesmo: daí provém que Vos adora tão pouco e tão mal. Ah! Se os homens soubessem o que Sois e o que lhes sereis na eternidade, quão respeitosos e humilhados se conservariam diante de Vós na Igreja, na oração, em toda a parte e sempre! Quanto profundariam o abismo do seu nada e dos seus pecados diante do Vosso divino ser, abismo de todo o bem!

Era o que excelentemente fazia o Verbo Encarnado. Conhecendo perfeitíssimamente a imensa distância que separa o Criador da criatura, entregava-se na presença de seu Pai aos mais profundos respeitos, à mais humilde adoração, e glorificava com todas as suas forças a infinita majestade de Deus. Então viu-se o que nunca se tinha visto, um Deus adorado e um Deus adorando, um Deus prestando a Deus respeitos, que O honram tanto quanto o merecem as Suas perfeições infinitas; todo o céu extasiado diante desta maravilha, dizendo Amém a esta sublime adoração, e cantando à porfia:

Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos exércitos. Benção, honra, glória, e poder ao nosso Deus por séculos dos séculos (Ap 5, 13)

É deste modo que adoramos a Deus? Ah! Quão pouco sabemos encher-nos de respeito diante das Suas perfeições e envergonhar-nos da nossa miséria diante da Sua santa majestade!

SEGUNDO PONTO

Amor que o Verbo Encarnado presta a Deus no seio de Maria

A alma de Jesus, entrada no estado de bem-aventurança desde o primeiro momento de Sua existência, goza desde então da clara vista de Deus patenteando-se pela primeira vez a olhos mortais. Esta vista abrasa-O no mais perfeito amor beatífico; Ele submerge-se extasiado neste oceano de todo o bem; possui-o, goza-o, ama-o com transporte. A Sua união pessoal com o Verbo, dando-Lhe uma vista superior em claridade a toda a luz dos anjos, dá-lhe por isto mesmo um amor, que sobrepuja infinitamente o dos serafins e o de todos os coros angélicos ao mesmo tempo. Amar a Deus, é o Seu constante desejo, é a Sua vida, a Sua incessante o ocupação. Exultemos por haver no mundo um coração que ama a Deus tão perfeitamente, e repara todas as ofensas que Lhe são feitas. Mas, ao mesmo tempo, aprendamos daí que só Deus é tudo para o coração do homem, que tudo o que não é Deus é nada e não pode dar-nos a felicidade.

Ó Senhor, quanto morro por ver-Vos e amar-Vos! – Moriar ut te videam (Santo Agostinho)

Amo-Vos tão pouco durante esta triste vida! Ao menos hoje forcejarei por amar-Vos melhor; multiplicarei os meus atos de amor o mais que puder.

TERCEIRO PONTO

Ações de graças que o Verbo Encarnado
presta a Deus no seio de Maria

Jesus, vendo todos os bens que Deus lhe deu e os que Ele deu e dará para sempre a todas as criaturas, de quem Ele, Verbo Encarnado, é a cabeça e o representante, dilata todas as potências de Sua alma para agradecer dignamente ao Senhor (2). Ele admira quão magníficos, multiplicados, contínuos, e ao mesmo tempo gratuitos, desmerecidos, sem interesse como sem reserva, são esses benefícios. Estas considerações inspiram-lhe inefáveis e incessantes ações de graças.

Ó Deus, eu me uno a essas divinas ações de graças por todos os bens que tenho recebido de Vós; e digo-Vos do fundo do coração: Eu Vos agradeço, ó Senhor nosso! Gratias agamus Domino Deo nostro! E me comprazerei em vô-lO repetir muitas vezes de dia e de noite.

QUARTO PONTO

Louvores que o Verbo Encarnado presta a Deus no seio de Maria

A alma do Verbo Encarnado não só considera Deus em Seus benefícios; mas também e ainda mais o considera nEle mesmo, como centro de toda a beleza, de toda a perfeição, como um oceano imenso de onde dimana a cada instante todo o bem que há no céu e na terra. Vendo isto, ressoa no íntimo de seu peito um canto de louvores, que alegra infinitamente o coração de Deus, e que nada pode interromper. Unamo-nos a este divino cântico, dizendo com o Salmista:

Alma minha, bendize ao Senhor e tudo o que há dentro de mim, bendiga ao seu santo nome – Benedic, anima mea, Domino; et omnia quae intra mesunt, nomini sancto ejus (Sl 102, 1)

Ou com Santo Tomás:

Louva a Deus quanto puderes, alma minha, porque é tão superior a todo o louvor, que nunca pode ser louvado bastantemente – Quantum potes, tantum aude, quia major omni laude, nec laudare sufficis (Prosa Lauda Sion)

O dever da criatura é entregar-se toda ao louvor do seu Criador, de quem recebeu tudo o que tem e para quem só existe. Como cumprimos nós este dever? Comprasemo-nos nas perfeições de Deus, e gostamos de louvá-las, admirá-las, bendizê-las? Não somos nós do número dos que nisto pouco ou nada pensam?

Resoluções e ramalhete espiritual como acima

Referências:

(1) Pater juste, mundus te non cognovit (Jo 17, 25)

(2) Pater, gratias ago tibi… Mea omnia tua sunt (Jo 11, 41; 17, 10)

Voltar para o Índice do Tomo I das Meditações Diárias de Mons. Hamon

(HAMON, Monsenhor André Jean Marie. Meditações para todos os dias do ano: Para uso dos Sacerdotes, Religiosos e dos Fiéis. Livraria Chardron, de Lélo & Irmão – Porto, 1904, Tomo I, p. 93-97)