Por Dom Henrique Soares da Costa

A Sagrada Escritura é uma fonte inexaurível de vida, um fortíssimo facho de luz na escuridão desta nossa existência!

Tome como exemplo do Salmo 10. Aí, o autor sagrado aparece escandalizado, como nós, tantas vezes:

“Senhor, por que estás tão longe e Te escondes no tempo da angústia?”

Por que, Senhor, és um Deus fugidio?
Por que parece que não ligas para nossas angústias, para o sofrimento dos Teus, para o grito dos oprimidos desta vida?
Tu não és amor?
Não és providência?
Não és piedade e compaixão?
Por que, então fazes assim?
Por que parece até que não existes, que fugiste deste nosso tempo de dores, impiedades e descrença?

“O ímpio se gloria da cupidez da sua alma, o avaro se felicita, mas despreza o Senhor!
O ímpio, no seu luxo soberbo, diz:
‘Ele não repara!’, ‘Deus não existe’, eis o que pensa!
Seus caminhos prosperam o tempo todo,
Teus juízos estão bem longe da sua vida…”

Senhor, será que os ímpios estão mesmo certos?
Será que esta é a triste conclusão: Deus não existe?
Existes, Senhor?
Ages no mundo, Senhor?
Importa-Te realmente com os homens, Deus santo?

A impiedade se alastra, o paganismo floresce com força impressionante, a mentira, a falsa religiosidade levam a melhor…

Vejo os sucessos do mundo, os shows que reúnem multidões: quanta bobagem, quanta idiotice, quanta superficialidade, quanta vulgaridade, quanta impiedade… E são milhares, aplaudindo, extasiando-se com o lixo, com a mentira, com o que não passa de morte grotesca!

Vejo a perversidade os perversos, as injustiças, a prepotência dos sabichões segundo a carne…

Fazem sucesso: são ouvidos!

Onde estás, Senhor?
Por que Te escondes?
Por que fugiste do mundo?
Por que deixaste os filhos de Adão e as filhas de Eva entregues a sua própria cegueira e loucura?
Os ímpios hoje dizem: “‘Não vacilarei, de geração em geração não serei infeliz!’
Dizem consigo mesmos: ‘Deus se esqueceu, desviou o rosto, Ele não vê mais!’
Levanta-te, Senhor!
Deus ergue a Tua mão!
Não Te esqueças dos pobres!”
Olha aqueles que esperam em Ti, aqueles que sofrem por ver o Teu nome ser riscado do coração do mundo!

Senhor, nós sabemos, nós cremos:
Tu não és um Deus distante, não és um Deus indiferente ao mundo:

“Viste a fadiga e a aflição, e estás atento para dar-lhes a paga!
A Ti se entrega o infeliz, para o órfão és um protetor!
Ouviste o desejo dos humildes, Senhor,
fortaleces seu coração e o escutas, para tutelares os direitos do órfão e do oprimido e não mais orgulhar-se o homem feito de barro”.

Senhor, Tu permaneces!
Tu és Deus pelos séculos dos séculos!
Em Ti confiamos, em Ti esperamos!