Meditação para o Dia 08 de Outubro

Santa Teresinha, Soror Elisabete da Trindade e Gema Galgani foram três lírios que Nosso Senhor fez brotar no Calvário. Sofreram muito e, por isso, amaram também muito. O anjo do Carmelo queria ser mártir e viu seus desejos plenamente realizados no martírio do amor. Quanta sede da cruz na sua alma seráfica! Escreve ela:

“Como Vós, meu Jesus, meu Esposo adorado, quisera ser flagelada e crucificada; quisera morrer esfolada como São Bartolomeu; como São João, quisera ser atirada em óleo fervente; como Santo Inácio de Antioquia, triturada pelos dentes das feras, a fim de tornar-me um pão digno de Deus; como Santa Inês e Santa Cecília, apresentar o meu pescoço à espada do carrasco e, como Joana d’Arc, murmurar o nome de Jesus numa fogueira ardente!” (1)

E, até a consumação do seu martírio doloroso de vítima do Amor, Santa Teresinha viveu no Calvário, ao lado de seu Divino Esposo Crucificado!

Soror Elisabete da Trindade se oferece a Jesus “como uma humanidade de acréscimo, na qual possa Ele ainda sofrer para glória de Seu Pai e as necessidades de Sua Igreja e perpetuar no mundo Sua, vida de reparação, de sacrifício, de louvor e de adoração” (2).

Que vítima de amor e de reparação! Que sublimes páginas nos deixou ela sobre a cruz e o sofrimento! À Gema Galgani, o terceiro, delicado lírio do Calvário, que teve em seu corpo os estigmas sagrados, disse Nosso Senhor:

“Queres amar? Aprende primeiro a sofrer. O sofrimento ensina a amar. Os únicos adornos e joias de uma esposa de Jesus Cristo Crucificado são os espinhos da cruz. Que martírio padeceu Ele! Viveu amando e agonizando no Calvário!” (3)

Se quereis fazer ideia das belezas da vida interior passada no Calvário, lede a vida e os escritos dos três lírios e anjos da cruz!

Referências:

(1) História de uma alma – c. XII
(2) Elizabeth de la Trinité – XII – XIII
(3) Gema Galgani – Cs. IV e VI

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 303)