Tag: vida cristã (page 1 of 8)

Entre dois Mundos

Meditação para o Dia 19 de Julho

Por que tanto sofre o homem no mundo? Por quê? É a dolorosa, inquieta e desesperadora interrogação de toda filosofia, de toda religião, de todo sábio. Temos sede e fome insaciáveis de uma felicidade que se não encontra em parte alguma.

“Quereis saber – diz Lammenais – por que é o homem a mais sofredora das criaturas? É porque tem ele um pé no finito e outro no Infinito e está como que esquartejado, não por quatro cavalos, como nos tempos do horror, mas por dois mundos”

Continue reading

Repouso e Meditação

Capítulo 42. Repouso e Meditação - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
O HOMEM moderno seria muito mais feliz se reservasse um pouco de tempo para meditação. Como o profeta do Antigo Testamento dizia: «Paz, paz e não há paz, pois ninguém se concentra no seu coração», o Evangelho diz-nos que o nosso Divino Senhor se afastara das multidões para se dirigir ao deserto, onde orava. A Marta, que estava demasiado preocupada com os seus afazeres, disse o Mestre que apenas uma coisa era necessária. Uma vida de fé e de paz de alma apenas pode ser cultivada por meio de isolamento periódico dos cuidados do mundo.

Continue reading

Jesus sem a Cruz

Meditação para o Dia 15 de Julho

Não se compreende cristão sem cruz.

“Ignorais – diz Bossuet que o nome de cristão significa homem destinado ao sofrimento?”

Os cristãos delicados, inimigos da dor, quase pagãos, querem Jesus, sim, adoram-nO e pretendem amá-lO, mas… Sem a cruz. Querem o Menino Jesus, sim, nos braços de Maria, cheio de encantos, porém, longe da gruta de Belém, da pobreza e miséria do estábulo, da companhia dos pobres e dos animais. Continue reading

Vencedor, Mestre, Amigo e Herdeiro

Meditação para o Dia 13 de Julho

Saber sofrer é das artes a mais bela e a mais difícil. Quem a aprendeu é um herói, venceu a maior das batalhas. Combater, lutar com outros, bem pouco é em comparação com a luta que dentro de nós se trava entre o espírito e a carne, e com o combate às perseguições que, a cada momento, vêm-nos de fora: Lutas interiores, íntimos martírios cruciantes e perseguições de mil cruzes exteriores, semeadas pelo caminho de nossa vida. Por isso escreveu a espiritual e suave escritora russa Mme. Swetchine:

“Quem souber sofrer será vencedor de si próprio neste mundo, amigo de Jesus Cristo e herdeiro do Céu”

Continue reading

Autodisciplina

Capítulo 39. Autodisciplina - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
A FILOSOFIA da liberdade de expressão é de tal modo tida por verdadeira, hoje em dia, que poucas pessoas há que lhe analisem o significado. A liberdade de expressão é justificada, quando significa agir de acordo com a razão e a natureza superior; não o é, quando significa agir de acordo com os instintos e a natureza inferior. Aqueles que identificam liberdade de expressão com licença, ou com o direito de fazer tudo quanto lhes apetece, pensam que autodisciplina equivale a destruírem-se a si mesmos; mas, de fato, é apenas domar o inferior por causa do que é superior. O violinista não parte a corda, quando a afina no tom do concerto; o escultor não destrói o mármore, quando o cinzela para plasmar a imagem.

Continue reading

Três Cruzes

Meditação para o Dia 12 de Julho

Santa Margarida Maria conta, numa das visões do Coração de Jesus que, num dia de Páscoa, Nosso Senhor lhe apresentara três cruzes. Perguntou-Lhe a santa a significação de tais cruzes.

“Minha filha – responde o Mestre – serás muito perseguida pelo Demônio, pelo mundo e por ti mesma”

Continue reading

Vida Interior

Capítulo 37. Vida Interior - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
QUANTO mais buscamos a felicidade no mundo exterior, mais arriscamos a nossa paz interior. Só quem confia em si mesmo se mantém sereno, pois esse, e mais ninguém, fixou as condições de paz que estão debaixo do seu próprio domínio. Os outros são vítimas das circunstâncias, escravos de coisas que, em qualquer momento, lhes podem ser recusadas. O bêbado é um obcecado do álcool; os avarentos são obcecados do dinheiro; os frívolos são obcecados da moda… o universo de qualquer um deles pode ser abalado pela vontade de outrem. Nenhum de nós pode dirigir o modo como os outros procederão para conosco; mas podemos dirigir sempre a nossa reação para com eles. Continue reading

O Espírito de Perdão

Capítulo 36. O Espírito de Perdão - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
A ALARMANTE onda de ódio que se espraia pelo mundo moderno é, em grande parte, causada pela culpa: o homem que se odeia a si mesmo, depressa começa a odiar o seu próximo. O5 pecados inconfessados e por vezes negados criam dentro da pessoa um profundo mal-estar… o equilíbrio tem de ser, de qualquer modo, restabelecido; o eu tem, de qualquer maneira, de ser apresentado a uma luz mais favorável. O reto caminho para o conseguir é confessar os pecados e fazer penitência por eles. O caminho errado… que muita gente infeliz hoje segue… é dar-se uma aparência melhor, a si e aos seus pecados, aviltando os outros. Continue reading

Concentração

Capítulo 35. Concentração - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen

Todo este capítulo anda à volta de duas palavras: escape e inscape que o Autor dá um sentido peculiar. Não encontramos na nossa língua termos correspondentes com o mesmo conteúdo semântico. Traduziu-se escape por «evasão», dando a esta palavra o significado de afastamento das inquietações que nascem dos pro­blemas da vida fundadas em Deus, e recurso a tudo o que os faça esquecer; e inscape por «concentração» com o sentido de regresso a Deus, centrando n’Ele a nossa vida e a solução de todos os seus problemas. — N. do T.

É NECESSÁRIO introduzir uma nova palavra na nossa língua, e, embora talvez já tenha sido usada na poesia de Gerald Manly Hopkins, não entrou ainda no uso universal. Esta nova palavra deve ser o oposto de evasão («escape»). Evadir-se quer dizer fugir de uma coisa perigosa, na esperança de encontrar segurança. Deriva de duas palavras latinas: «ex» (de) e «cappa» (capa). Significa, pois, escapar-se de uma prisão, tornar-se livre. Continue reading

Em Deus está a nossa Conservação

Capítulo 33. Em Deus está a nossa Conservação - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
SE a nossa vontade se puser do lado de Deus, nunca poderemos desanimar, porque o lado que escolhemos, está sempre vitorioso e nunca é ludibriado. Em Deus está a conservação, no mal a ruína. A realidade das coisas encontra-se sempre do lado de Deus.

O mal é, necessariamente, instável, porque vai contra a natureza das coisas segundo foram criadas. Todas as leis da natureza humana nos impulsionam para o nosso destino específico tanto de santidade como de saúde. Se cuidarmos, devidamente, do nosso corpo, obedecendo às regras da saúde, seremos saudáveis; se violarmos essas leis, a nossa revolta trará a doença, e poucos tomariam o devido cuidado consigo, se a violação das leis da saúde não trouxesse algum castigo, como aviso. Continue reading

Older posts

© 2018 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑