Tag: vida cristã (page 1 of 34)

Do terceiro fruto da terceira palavra

Capítulo 11: Do terceiro fruto da terceira palavra
Em terceiro lugar aprendemos da cadeira da Cruz, e das palavras por Cristo dirigidas a sua Mãe e ao discípulo, quais são as obrigações dos bons pais para com seus filhos, e os deveres dos bons filhos para com seus pais. Comecemos por aquelas.

Devem os bons pais amar seus filhos; de modo, porém, que este amor não se oponha ao amor de Deus: e é por isto, que o Senhor diz no Evangelho:

“Quem ama seu filho ou filha mais do que a mim, não é digno de mim” (Mt 10)

Isto cumpriu com todo o rigor possível a Bem-aventurada Virgem; pois estava junto da Cruz, sofrendo a maior dor com a maior constância. Aquela dor era a prova do sumo amor a seu Filho, pendente da Cruz; aquela constância asseverava a sua muito submissa obediência a Deus: doía-se de que seu Filho inocente, que afetuosissimamente amava, fosse atormentado de cruelíssimas dores; mas nem por isso a elas obstaria por palavras ou por obras, ainda que pudesse, porque sabia que Ele padecia aqueles martírios por determinação e presciência de Deus Pai (At 2). Continue reading

Do segundo fruto da terceira palavra

Capítulo X. Do segundo fruto da terceira palavra
O segundo fruto desta terceira palavra colhe-se do mistério das três mulheres, que estavam junto da Cruz do Senhor; pois Maria Madalena representa os penitentes e os que começam a sê-lo; Maria de Cléofas os proficientes; Maria, Mãe de Cristo e Virgem, os perfeitos; e com ela podemos também reunir São João, virgem, e que dentro em pouco tempo havia de ser perfeito, se ainda não o era. São aqueles os únicos que se acham junto da Cruz do Senhor; porque os que vivem em pecado e não tratam de fazer penitência, afastam-se da Cruz que é a escada do Céu. Além disto todos os que estão junto da Cruz, tem motivo para lá estarem; pois precisam do auxílio do Crucificado, os penitentes ou incipientes estão em guerra aberta com os vícios e apetites desordenados, e muito precisam do auxílio de Cristo, nosso General, para se animarem a combater, vendo-o a lutar contra o Dragão, e não querendo descer da Cruz, sem dele obter completo triunfo, assim o diz o Apóstolo na sua Epístola aos Colossenses:

“Despojou os Principados e Potestades, e os trouxe confiadamente publicamente deles em si mesmo, e pouco antes Encravando na Cruz a cédula do decreto, que havia contra nós” (Col 2)

Continue reading

A Virtude da Paciência, a Abnegação e o Amor da Cruz

Mês de Dezembro: A Virtude da Paciência, a Abnegação e o Amor da Cruz

Mês de Dezembro

Breve introdução sobre a Paciência e o Apóstolo Patrono

Estamos na terra para fazermos penitência e merecermos; não é ela, portanto, lugar de repouso, mas de trabalhos e sofrimentos. As dores, adversidades e outras tribulações hão de ser as mais belas jóias da nossa corôa no paraíso. Pratiquemos a paciência:

1. Quando a morte nos arrebata os parentes ou amigos;

2. Na pobreza;

3. Nos desprezos e perseguições;

4. Nas desolações espirituais;

5. Nas tentações;

6. Nas doenças.

A resignação na morte, para fazer a vontade de Deus, é bastante para assegurar a nossa salvação eterna.

Pondera que nesta vida, quer queiras, quer não, terás necessariamente de padecer. Procura por isso padecer de maneira meritória, isto é, pacientemente; violenta-te e evita romper em queixas e lamentos. Se te venceres, Deus te fará experimentar durante a tribulação uma doçura desconhecida dos mundanos, mas muito conhecida daqueles que amam a Deus.

Se Deus te visitar com doenças, pobreza, perseguições e outras adversidades, humilha-te diante dEle, e dize com o bom ladrão:

“Recebemos o que mereciam nossas ações” (Lc 23, 41).

E mesmo que não tenhas perdido a inocência batismal, certamente já terás merecido um longo purgatório. Por isso alegra-te se fores castigado neste mundo e não no outro.

Consola-te também nos sofrimentos internos com a esperança do céu. Recorda-te das palavras de São Paulo:

“Os padecimentos deste mundo não tem comparação com a glória futura que será manifestada em nós” (Rom 8, 18)

“O que aqui é para nós uma tribulação momentânea e ligeira produz em nós, de um modo maravilhoso no mais alto grau, um peso eterno de glória” (2 Cor 4, 17)

Se tua vida te parecer insuportável, olha para teu divino Salvador, que te precede, carregando a cruz. Ouve o que Ele diz:

“Quem quiser vir após mim, renuncie a si mesmo e tome todos os dias a cruz sobre si” (Lc 9, 23)

Teu Salvador vai sempre adiante, e só pára ao chegar ao monte Calvário, para ai morrer por ti.

Acostuma-te a submeter-te já antecedentemente na oração a todos os sofrimentos que talvez te sobrevirão; assim procederam os santos e por isso estavam sempre prontos a abraçar todas as cruzes, mesmo as que lhes sobrevinham inesperadamente.

Suplica, finalmente, ao Senhor instantemente que te conceda a graça da paciência, pois, sem a oração, nunca obterás essa grande graça. Justamente na oração encontraram os santos mártires a coragem para suportar os mais atrozes tormentos e a morte mais ignominiosa. Se recorreres ao Senhor com confiança, Ele te livrará dos teus padecimentos ou então te concederá a graça de suportá- los com paciência. Ele mesmo disse:

“Vinde a mim todos que andais em trabalhos e vos achais carregados e eu vos aliviarei” (Mt 11, 28)

Sumário
I. A sua natureza
II. Da Paciência em Geral
III. Da Paciência nas Enfermidades
IV. Da Paciência nas Injúrias e Perseguições
V. Da Paciência na Desolações Espiritual
VI. Alguns avisos a respeito do Exercício da Paciência
VII. A Abnegação e o Amor da Cruz no Redentor
VIII. A Prática da Paciência
IX. Orações para alcançar a Virtude do Mês

Mês de Dezembro: A Virtude da Paciência, a Abnegação e o Amor da Cruz. Apóstolo Patrono: São Mateus

Continue reading

Caracteres da Sabedoria Cristã

Meditação para o Vigésimo Quinta Sábado depois de Pentecostes. Caracteres da Sabedoria Cristã

Meditação para a Vigésima Quarta Sexta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Depois de termos visto a natureza e excelência da sabedoria cristã, meditaremos sobre os seus sinais ou caracteres, e veremos:

1.° O que ela é em si;

2.° O que ela é em suas relações com o próximo.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De pedirmos muitas vezes a Deus a sabedoria cristã, e de nos examinarmos a nós mesmos com frequência durante o dia, para ver se as nossas obras, palavras e sentimentos, tem os seus, caracteres;

2.° De nos conservarmos nesse espírito habitual de recolhimento, fora do qual não reside a verdadeira sabedoria.

O nosso ramalhete espiritual será a invocação a Santíssima Virgem como assento ou trono da verdadeira sabedoria:

“Virgem, prudentíssima, trono da sabedoria, rogai por nós” – Virgo prudentissima, sedes sapientiae, ora pro nobis

Continue reading

Sabedoria Cristã

Meditação para a Vigésima Quinta Sexta-feira depois de Pentecostes. Sabedoria Cristã

Meditação para a Vigésima Quarta Sexta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Depois de termos visto a falsidade da sabedoria do mundo, meditaremos sobre a sabedoria cristã, e veremos:

1.° Em que consiste;

2.° Qual é a sua excelência.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De olharmos em todas as coisas a nossa salvação como o supremo fim a que devemos referir tudo;

2.° De evitarmos com cuidado o que poderia expô-la a perigo.

O nosso ramalhete espiritual será a súplica de Salomão:

“Dai-me, Senhor, aquela sabedoria, que está ao pé de vós no vosso trono, para que esteja comigo e comigo trabalhe” – Da mihi (Domine) sedium tuarum assistricem sapientiam… ut mecum sit et mecum aboret (Sb 9, 10)

Continue reading

Sabedoria do Mundo

Meditação para a Vigésima Quarta Quinta-feira depois de Pentecostes. Sabedoria do Mundo

Meditação para a Vigésima Quarta Quinta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre a falsa sabedoria do mondo, e veremos:

1.º Quanto ela é digna de reprovação;

2.° Quanto efetivamente Deus a reprova.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De deixarmos o mundo obrar, dizer e pensar o que quiser, e de seguirmos a Jesus Cristo como a única verdadeira sabedoria;

2.° De consultarmos muitas vezes este adorável Salvador, rogando-Lhe que nos esclareça a respeito de tudo o que devemos pensar, dizer ou obrar.

O nosso ramalhete espiritual será o anátema que Deus proferiu contra a falsa sabedoria do mundo:

“Destruirei a sabedoria dos sábios e reprovarei a prudência dos prudentes” – Perdam sapientiam sapientium, et prudentiam prudentium reprobabo (1Cor 1, 19)

Continue reading

Caminho do Mundo e caminho de Jesus Cristo

Meditação para a Vigésima Quarta Quarta-feira depois de Pentecostes. Caminho do Mundo e caminho de Jesus Cristo

Meditação para a Vigésima Quarta Quarta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Com um espírito e máximas tão contrárias, como o temos meditado, e evidente que Jesus Cristo e o mundo deve seguir caminhos diferentes. Consideraremos:

1.° Em que diferem estes dois caminhos;

2.° Que o caminho de Jesus Cristo é o único que deve seguir todo o cristão.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De perguntarmos a nós mesmo muitas vezes:

“Como obraria Jesus Cristo?”

A fim de obrar do mesmo modo;

2.° De Lhe protestarmos frequentes vezes que queremos, como Ele, desprezar a ambição, o desejo de juntar riquezas e de gozar, e ter, a seu exemplo, uma vida sempre modesta e sem afetação.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra que Nosso Senhor dizia dos homens mundanos:

“Deixai-os seguir o seu caminho: cegos são” – Sinite illos: coeci sunt (Mt 15, 11)

Continue reading

Máximas do Mundo

Meditação para a Vigésima Quarta Terça-feira depois de Pentecostes. Máximas do Mundo

Meditação para a Vigésima Quarta Terça-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Como o espírito do mundo, sobre que meditamos esta manhã, expõe máximas que passam por axiomas incontestáveis, consideraremos na nossa oração:

1.º Quão falsas são estas máximas;

2.° Que todo o cristão deve preferir-lhes e amar as máximas de Jesus Cristo.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De não nos importarmos com as máximas do mundo;

2.º De termos sempre por norma do nosso proceder as máximas de Jesus Cristo.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra do Evangelho:

“Um só é o vosso mestre, Jesus Cristo” – Magister vester unus est, Christus (Mt 23, 10)

Continue reading

Espírito do Mundo

Meditação para a Vigésima Quarta Segunda-feira depois de Pentecostes. Espírito do Mundo

Meditação para a Vigésima Quarta Segunda-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Continuaremos a meditar sobre o mundo, e veremos:

1.° O quanto o espírito do mundo é oposto ao espírito de Jesus Cristo;

2.° Que não se pode ser cristão, sem que se renuncie ao espírito do mundo e se abrace o espírito de Jesus Cristo.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De conformar as nossas ações, bem como todos os nossos sentimentos, com o espírito de Jesus Cristo, perguntando-Lhe muitas vezes o que pensaria no nosso lugar;

2.° De não nos importarmos com os juízos do mundo, e de tomarmos por divisa:

Fazer bem, e deixar falar

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de São Paulo:

“Não vos conformeis com este século” – Nolite conformari huic saeculo (Rm 12, 2)

Continue reading

O que se deve fazer para Conservar a Castidade

Meditação para o Vigésimo Terceiro Sábado depois de Pentecostes. O que se deve fazer para Conservar a Castidade

Meditação para o Vigésimo Terceiro Sábado depois de Pentecostes

SUMARIO

Depois de termos visto o que devemos evitar para adquirir ou conservar a castidade, meditaremos sobre o que nos convém fazer; e veremos que nos convém:

1.° Ser Humildes;

2.° Frequentar os Sacramentos;

3.º Orar.

— Tomaremos a resolução:

1.° De não nos fiarmos em nós mesmos e de não nos expormos a perigo;

2.° De recorrermos muitas vezes aos Sacramentos da Penitência e da Eucaristia;

3.° De sermos assíduos à oração de cada manhã, e de termos uma grande devoção à Santíssima Virgem.

O nosso ramalhete espiritual será o conselho de Nosso Senhor:

“Vigiai e orai para que não entreis em tentação” – Vigilate et orate ut non intretis in tentationem (Mt 26, 20)

Continue reading

« Older posts

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑