Meditação para o Dia 05 de Setembro

Sofrer e amar!… É o que tem valor neste mundo. Nada mais subsiste fora disto. No sofrimento se ama, e o amor é tudo. São João da Cruz disse:

“Sem o amor nada são todas as obras reunidas”

E o amor só se encontra na cruz.

“O sofrimento unido ao amor, escreve Santa Teresinha (1), é a única coisa que me parece desejável neste vale de lágrimas”

Para consolo das almas na vida da infância, escreve a santa a uma de suas irmãs (2):

“Não acreditemos que se encontre o amor sem o sofrimento. Isso é peculiar à nossa natureza. Mas que tesouros nos faz adquirir o sofrimento! É o nosso ganha-pão, e de tal modo precioso, que Jesus desceu à terra para possuí-lo. Quiséramos sofrer generosamente, imensamente; quiséramos não cair nunca. Que ilusão! Mas que me importa cair a todo instante. Sinto a minha fraqueza e tiro daí grande proveito. Meu Deus, vede o que posso eu fazer se não me tomai sem Vossos braços Se entretanto me deixais só, ah! É que Vos apraz ver-me derrubada, e, então, por que me inquietar?”

A natureza rebelde e sedenta de prazer repugna o sofrimento, contra ele se insurge, sendo um tormento a luta que dentro de nós se trava. O amor, porém, tudo vence e, dominada a natureza rebelde, resplandece no coração, dissipando as trevas do medo e do horror à cruz. Como sabemos, não se ama sem sofrer nem se sofre bem sem amar. Na via da infância, é ilusão amar sem sofrer. Mas que alegria sofrer por Jesus!

“Haverá alegria maior, diz a santinha, do que sofrer por Vosso amor? Quanto mais intenso é o sofrimento e menos aparece aos olhos das Criaturas, tanto mais ele Vos faz sorrir, ó meu Deus!” (3)

Referências:
(1) 9 me. lettre à des Missionaires
(2) 5 me. lettre à sa soeur Céline
(3) História de uma alma – c. IX

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 268)