Dom Henrique Soares da Costa
Reze o Salmo 119/118,41-48
Agora, leia com piedade, com atenção e um coração que escuta Dt 21,22 – 23,1

Dt 21, 22«Quando um homem tiver cometido um crime de morte e for condenado, será enforcado. 23Não deixarás o seu cadáver permanecer de noite na forca; procurarás enterrá-lo no mesmo dia, pois o enforcado é uma maldição de Deus, e não deves manchar a tua terra, que o SENHOR, teu Deus, te dará por herança.»

Dt 22, 1«Se vires perdidos o boi ou a ovelha do teu irmão, não te desvies deles; mas leva-os ao teu irmão. 2Se o teu irmão não estiver próximo de ti e não o conheceres, recolhe o animal em tua casa, onde permanecerá até que o teu irmão o reclame e lho entregues. 3Procederás do mesmo modo com o seu jumento, com a sua capa ou com qualquer outra coisa perdida pelo teu irmão e encontrada por ti. Não te desviarás desse objecto.

4Se vires o jumento do teu irmão ou o seu boi caídos no caminho, não te desvies deles, mas ajuda-os a levantarem-se.»

5«Uma mulher não poderá usar coisas de homem e um homem não poderá vestir-se com roupas de mulher, porque o SENHOR, teu Deus, abomina quem assim procede.

6Se encontrares no caminho, em cima de uma árvore ou no chão, um ninho de pássaros com filhotes, ou ovos cobertos pela mãe, não apanharás a mãe com a ninhada; 7deixarás fugir a mãe e só poderás ficar com os filhotes para ti, de modo que possas ser feliz e os teus dias se prolonguem.

8Quando edificares uma casa nova, faz uma balaustrada à volta do terraço; desta maneira não serás culpado de sangue em tua casa, se alguém cair dali abaixo.

9Não semearás na tua vinha sementes de duas qualidades, para não ser declarado sagrado o grão que semeaste e o produto dessa vinha.

10Não lavrarás com o boi e um burro juntos.

11Não vistas tecidos compostos de lã e linho.

12Porás borlas nas quatro pontas do manto com que te cobrires.»

13«Quando um homem que desposou uma mulher e coabitou com ela, vem depois a desprezá-la 14e, levantando-lhe acusações, a difame, dizendo: ‘Casei com esta mulher mas, ao aproximar-me dela, não a encontrei virgem’, 15então, o pai e a mãe da donzela tomarão as provas da sua virgindade e apresentá-las-ão diante dos sacerdotes às portas da cidade. 16O pai da donzela dirá aos anciãos: “Dei a minha filha em casamento a este homem, mas ele ganhou-lhe aversão 17e inventa acusações, dizendo: ‘Não encontrei virgem a tua filha.’ Ora aqui estão as provas da virgindade da minha filha!” Estenderão depois as roupas diante dos anciãos da cidade. 18Então, os anciãos da cidade prenderão esse homem e o castigarão, 19condenando-o a pagar cem siclos de prata, que entregarão ao pai da donzela em reparação da calúnia levantada contra uma virgem de Israel. Ela continuará a ser sua mulher e ele não poderá repudiá-la em toda a sua vida. 20Mas, se a acusação for verdadeira e não houver provas da virgindade da donzela, 21levarão a donzela até à entrada da casa de seu pai e os habitantes da sua cidade apedrejá-la-ão até que morra, porque cometeu uma infâmia em Israel, desonrando a casa de seu pai. Assim extirparás o mal do teu meio.

22Quando um homem for surpreendido a dormir com uma mulher casada, ambos deverão morrer; o homem que dormiu com a mulher e também a mulher. Assim extirparás o mal de Israel. 23Quando uma donzela, ainda virgem, mas já noiva, for encontrada na cidade com um homem que durma com ela, 24levareis os dois à porta dessa cidade e apedrejá-los-eis até que morram: a donzela, por não ter pedido socorro na cidade, e o homem, por ter abusado da noiva do seu próximo. Assim extirparás o mal do teu meio. 25Mas se foi no campo que o homem encontrou a donzela que estava noiva, e se ele usou de violência para dormir com ela, morrerá só o homem que a tiver violado. 26Nada fareis à donzela, pois nada fez que mereça a morte, porque o caso foi como se um homem se atirasse contra outro e lhe tirasse a vida; 27ele encontrou no campo a donzela que estava noiva; ela gritou, mas não havia ninguém para a socorrer.

28Quando um homem encontrar uma donzela virgem que não esteja noiva e, violentando-a, dormir com ela, se forem surpreendidos, 29o homem que dormiu com ela dará ao pai da donzela cinquenta siclos de prata, e ela tornar-se-á sua mulher, porque abusou dela. Não poderá repudiá-la em toda a sua vida.»

Dt 23, 1«Homem algum poderá tomar a mulher de seu pai, para não descobrir o leito paterno.»

1. Neste finzinho do capítulo 21, há uma prescrição para quem é enforcado, isto é, pendurado numa árvore. Afirma-se que esse pendurado é um maldito de Deus:

“O que for suspenso é um maldito de Deus”…

São Paulo aproveitou esta afirmação para contemplar o Cristo pendurado na árvore da Cruz. Daí tira uma bela lição: Cristo fez-Se maldição por nós a fim de que recebêssemos a bênção de Deus (cf. Gl 3,10-14). Aí, o Apóstolo procura mostrar que tanto os judeus quanto os gentios necessitam da salvação que somente Cristo nos pode conceder. Observe que o modo que São Paulo tem de interpretar as Escrituras é estranho para nós… É o modo utilizado pelos rabinos judeus daquela época! Mas, aqui, o importante é compreender que a nossa salvação custou a vida entregue, derramada, feita dom de amor do nosso Salvador, Jesus Cristo. O amor é precioso, o amor não se resume a sentimentos ou palavras, o amor exige atos, atitudes, opções muito concretas na vida. Foi assim que Deus nos amou: “amou tanto o mundo, que entregou o Seu Filho único, para que não pereça o que Nele crê, mas tenha a Vida eterna” (Jo 3,16). O pecado do homem, a rebelião da humanidade, o fechamento meu e seu são uma realidade tão profunda, tão daninha, tão medonha, que inferniza de tal modo o mundo como uma marca de desequilíbrio, de escuridão e de morte, que, de modo misterioso, foi “preciso que o Cristo sofresse tudo isso e entrasse na Glória” (Lc 24,26)… Atenção: não se brinca com o pecado, não se brinca com a rebeldia em relação ao Senhor, não se brinca com as infidelidades do coração! Devemos, isto sim, combater todo este mal, toda esta perversão na nossa vida! Exatamente porque o Senhor não brincou conosco, mas para a nossa salvação entregou o Seu Filho como se Ele fosse um maldito, nossa resposta a Ele na nossa vida deve ser total e generosa:

“Quem Nele crê não é julgado; quem não crê, já está julgado, porque não creu no Nome do Filho único de Deus. Este é o julgamento: a Luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à Luz porque suas obras eram más” (Jo 3,18s)

Leia e reze Is 53 e 1Pd 2,21-25. Pense um pouco: nesta Quaresma, você tem procurado melhorar de verdade sua vida cristã?

Que aspectos, que elementos da sua existência afastam você do Senhor?

Que coisas impedem você de ser do Senhor Deus de todo o seu coração?

Ele lhe deu tudo, dando-lhe o Seu Filho…

2. Já no capítulo 22,1-12, aparece o sentimento de compaixão e solidariedade para com o próximo. Tudo isto, fruto da consciência de uma comunidade de irmãos, que têm a Deus como seu fundamento! Pense bem: nada garante tanto a fraternidade, o respeito em relação aos demais, o cuidado pelos outros, como o temor de Deus! Quando alguém tem uma verdadeira experiência religiosa, quando abre o seu coração ao Deus vivo e verdadeiro, torna-se, então benigno, benévolo, atento aos demais. Leia Mt 5,43-48. Você é atento aos demais ou, ao invés, vive somente para você, sem se importar com os outros, sendo-lhes frio, indiferente, distante?

3. O v. 8 tem uma prescrição interessante: ordena que aquele que construir um casa, cuide de colocar um parapeito no alpendre para evitar acidentes. O Talmud dos judeus explica: é o cuidado que se deve ter, a responsabilidade pelos demais, para não causar dano ao próximo! Devemos ser cuidadosos e prudentes não somente naquilo que nos diz respeito, como também prevenir e evitar o que possa danificar e prejudicar os outros! Faça um exame de consciência do modo como você age, como você fala sobre os outros, como você dirige no trânsito, como você trata os que lhe são subalternos e dependem de você…

4. Neste capítulo, aparecem ainda umas prescrições bem esquisitas: não se deve misturar coisas de modo a torná-las como que híbridas… São prescrições e ideias assim que deixam bem claro o quanto as Escrituras Santas não podem ser interpretadas literalmente – nem os judeus as interpretam de modo literal! Quem as pode interpretar reta e corretamente? Quem tem a assistência do Santo Espírito – o mesmo que as inspirou – para atualizá-las? Somente a Igreja, a quem foi concedido o Santo Espírito do Cristo imolado e ressuscitado, critério e chave das Escrituras Santa, Ele, que é a própria Palavra de Deus feita carne! Leia Jo 16,12-15. Em todo caso, nestas prescrições aparece uma ideia bastante válida e importante: a criação de Deus tem um sentido, tem uma ordem e o homem deve respeitá-la. Pense, por exemplo, na aberração, na grosseria, no pecado, na malignidade que é a ideologia de gênero!

“Deus criou o homem à Sua imagem, à imagem de Deus Ele o criou, homem e mulher Ele os criou” (Gn 1,27)

O cristão e qualquer pessoa que acredite num Deus que tudo criou, jamais aceitará essa ideologia maldita. Cuidado! Respeitar as pessoas, sua história, suas lutas, seus sofrimentos, seus conflitos, sim! Aprovar uma ideologia que é anticristã e destrutiva da humanidade e da família, nunca! Não nos é permitido e não é lógico nem coerente, por causa de uma minoria deturpar e degenerar a percepção e o modo de viver da imensa maioria! O respeito às minorias não pode destruir o direito da maioria! Este ano teremos eleições:

Não vote em partido algum que apoie a ideologia de gênero! Ainda que o candidato desse partido seja o seu pai, não vote! Votar num candidato é fortalecer o seu partido, é votar no seu partido!

Não vote em candidato que tenha promovido a ideologia de gênero ou se omitido em combatê-la…

Seu prefeito, seu vereador, seu governador, seu deputado estadual como têm se portado diante das tentativas de colocar a ideologia de gênero nas escolas? Se foram a favor ou se omitiram, não vote neles e incentive a outras pessoas para que também não votem! Eles vão destruir a família, vão perverter as escolhas, vão degenerar a sociedade! Nossa defesa é unicamente o nosso voto! Peca contra o Senhor Deus quem vota nessa gente, seja de que partido for! A criação foi feita pelo Senhor Deus; ela exprime a sabedoria, o amor e a vontade do Senhor Deus! O homem não deve pervertê-la! Reze o Salmo 8.

5. Neste capítulo também se trata de algumas questões de direito matrimonial e de moral familiar e sexual. Tudo segundo os costumes da cultura semita e da época em que este texto foi escrito. O importante aqui é ressaltar a necessidade e o valor da decência e da retidão de vida. Um detalhe: a vida sexual tem sim importância diante de Deus! Hoje, o mundo descristianizado trata a sexualidade como questão meramente privada: faço o que quero, como quero, com quem quero! Para um verdadeiro crente, não é assim! A sexualidade é obra de Deus, é sinal de amor e instrumento de comunhão e geração da vida. Portanto, está ligada à própria sobrevivência da humanidade e da sociedade. O Senhor Deus deu-nos preceitos de como bem viver esta realidade tão misteriosa e bela, que é o sexo! Pense: como você vive sua sexualidade: segundo a vontade do Senhor ou do seu modo, como se a vida fosse sua, sem ter que dar contas a Deus? Cuidado: Deus é o Senhor também da sua sexualidade:

“O corpo é para o Senhor e o Senhor é para o corpo” (1Cor 6,13)

6. Mais uma coisa: observe as duras punições que a Lei infligia à mulher que fosse prometida a um homem e o traísse: deveria ser apedrejada! Agora, pense na Virgem Maria: ela confiou no Senhor Deus, acreditou na Sua palavra… Aceitou engravidar de um filho que não seria de José, a quem estava prometida… Ela confiou e se entregou nas mãos do Senhor:

“Eu sou a serva; faça-se em mim!” (Lc 1,38)

Veja que confiança, que obediência, que humildade, que abandono, que fé a Virgem Maria tinha no coração! Ainda sob o risco da má fama, da vida destruída, do apedrejamento, ela confia e diz seu sim ao Senhor Deus! Que ela interceda por nós, para que sejamos verdadeiros cristãos, totalmente confiantes e obedientes em relação ao Senhor nosso Deus! Reze Eclo 2.