Meditação para Dia 13 de Fevereiro

1. Não estranhes que Maria, na volta de Jerusalém, perdesse de vista seu divino Filho. Era tão extraordinária a amabilidade de Jesus, que atraía a todos, pelo que a Santíssima Virgem o julgava na companhia dos outros, onde quis deixá-lo, sem o reclamar para si. Por amor e em proveito dos outros, Maria renunciou por algum tempo à companhia de seu filho. O que fazes tu por teu próximo? “Ama teu próximo como a ti mesmo“; ama-o, pois, solicito em preservá-lo de males e em cumulá-lo de bens.

2. Com quanta dor e aflição Maria e José procuram seu filho. Nenhum trabalho, cansaço ou obstáculo os faz desanimar. Provação terrível que durou dias longos e noites mais longas ainda. Não o achando entre os parentes e conhecidos, não ficam contentes senão depois de o encontrarem.

Procuras com a mesma solicitude a Jesus, quando tiveste a desgraça de perdê-lo? Sentiste, como seus pais o sentiram, estar longe dEle? Ou foi isto indiferente para ti? Procurando-o, sabe que na companhia de amigos mundanos custosamente o acharás, mas facilmente o perderás.

Voltar para o Índice de Meditações Diárias do Frei Pedro Sinzig

(Sinzig, Frei Pedro. Breves Meditações para todos os Dias do Ano. 8ª Ed. Editora Vozes, 1944, p. 58)