Meditação para o Dia 26 de Junho

1. O pensamento perseverante na presença de Deus regulará os movimentos do coração, moderará as paixões e purificará as intenções. Não há tentação que a fé viva nesta continua presença divina não vença; fragilidade que ela não ampare, e, depois da queda, não há pecado do qual não inspire contrição. Ela, na boa ação, faz ponderar:

“Deus me vê, Deus me ouve, observa tudo o que faço, digo, penso, sinto e deixo de fazer”

Tendo Deus perante os olhos, a oração torna-se agradável, a mortificação, fácil, todas as virtudes serão mais a teu alcance.

2. O exercício da presença de Deus dá força no infortúnio. “Não estou só, Deus está comigo”, é o consolo nas horas da dor. Esta convicção faz ser grato a Deus. Não há momento algum em que não recebas um benefício particular de Deus; por isso nenhum momento há, em que possas deixar de dar-lhe graças. A alma tornar-se-á atenta em corresponder ao amor de Deus e em bem fazer tudo o que é obrigada a fazer. Teu exterior, neste caso, será modesto, fazendo transparecer em tudo o respeito devido a Deus. Procedes assim? É tão justo e tão meritório!

Voltar para o Índice de Meditações Diárias do Frei Pedro Sinzig

(Sinzig, Frei Pedro. Breves Meditações para todos os Dias do Ano. 8ª Ed. Editora Vozes, 1944, p. 192)