Tag: amor a Deus (Page 1 of 3)

Amor ao próximo

Amor ao próximo, Tesouros de Cornélio à Lápide

O que é a caridade

A caridade não é outra coisa que a boa vontade, diz Santo Agostinho: Quid aliud est caritas quam bona voluntas? (De Morib.). Por sua essência, a caridade, diz São João Clímaco, tem tanta semelhança com Deus, quanto podem perceber os mortais. Por sua eficácia, é uma espécie de embriagues da alma; enfim, suas propriedades são ser o fundamento da fé e o sustento de uma alma paciente (Grado 5°).

Necessidade da caridade

Amareis ao Senhor vosso Deus com todo vosso coração, com toda a vossa alma e todo vosso espírito, disse Jesus Cristo em São Mateus. Este é o maior e primeiro dos mandamentos (Mt 22, 37-38). Porém, eis aqui um segundo, semelhante àquele: Amareis a vosso próximo como a vós mesmos: Diliges proximum tuum sicut te ipsum (Mt 22, 40). Continue reading

Confiança em Deus

Meditação para o 23º Domingo depois do Pentecostes. Confiança em Deus

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus 9, 18-26

Naquele tempo, 18enquanto Jesus lhes dizia estas coisas, aproximou-se um chefe que se prostrou diante dele e disse: «Minha filha acaba de morrer, mas vem impor-lhe a tua mão e viverá.»

19Jesus, levantando-se, seguiu-o com os discípulos. 20Então, uma mulher, que padecia de uma hemorragia há doze anos, aproximou-se dele por trás e tocou-lhe na orla do manto, 21pois pensava consigo: ‘Se eu, ao menos, tocar nas suas vestes, ficarei curada.’ 22Jesus voltou-se e, ao vê-la, disse-lhe: «Filha, tem confiança, a tua fé te salvou.» E, naquele mesmo instante, a mulher ficou curada.

23Quando chegou a casa do chefe, vendo os flautistas e a multidão em grande alarido, disse: 24«Retirai-vos, porque a menina não está morta: dorme.» Mas riam-se dele. 25Retirada a multidão, Jesus entrou, tomou a mão da menina e ela ergueu-se. 26A notícia espalhou-se logo por toda aquela terra.

Continue reading

Zelo pela Glória de Deus

Meditação para a Vigésima Terça-feira depois de Pentecostes. Zelo pela Glória de Deus

Meditação para a Vigésima Terça-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre o sexto efeito do amor de Deus, que é o zelo pela sua gloria e veremos:

1.º A obrigação deste zelo;

2.° Os seus caracteres.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De impedirmos por todos os meios, que estiverem ao nosso alcance, principalmente com os nossos bons exemplos e conselhos, a ofensa de Deus, os males da religião e da Igreja;

2.° De contribuirmos para as boas obras, quanto for possível, com a nossa pessoa e o nosso dinheiro.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de Santo Inácio:

“Para maior glória de Deus” – Ad maiorem Dei gloriam

Continue reading

A Conformidade com a Vontade de Deus

Meditação para a Décima Nona Segunda-feira depois de Pentecostes. A Conformidade com a Vontade de Deus

Meditação para a Décima Nona Segunda-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Prosseguiremos as nossas meditações sobre a conformidade com a vontade de Deus; e veremos:

1.° Que esta perfeita conformidade é o segredo da felicidade, até mesmo neste mundo;

2.º Que fora disto não há senão desgraça.

— Tomaremos a resolução:

1.° De seguirmos unicamente a vontade de Deus, tanto na prosperidade como na adversidade, e de nunca nos deixarmos perturbar seja pelo que for;

2.º De pormos a nossa alegria em ser guiados em todas as coisas pela vontade divina, como o menino pela mão de sua mãe.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra do Salmista:

“Tomastes-me pela minha mão, Senhor, e me conduzistes segundo a vossa vontade” – Tenuisti manum dexteram meam, (Domine), et in voluntate tua deduxiste me (Sl 72, 24)

Continue reading

Conformidade com a Vontade de Deus

Meditação para a Décima Oitava Sexta-feira depois de Pentecostes. Conformidade com a Vontade de Deus

Meditação para a Décima Oitava Sexta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre o terceiro efeito do amor de Deus, que é a conformidade com a vontade divina, e veremos:

1.º Em que consiste esta conformidade;

2.° Como é uma consequência lógica do amor de Deus.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De estarmos sempre contentes com Deus, com a posição que nos criou;

2.º De nada desejarmos, nada pedirmos, nada recusarmos, mas de querermos somente em todas as coisas a vontade de Deus.

O nosso ramalhete espiritual será a terceira petição da oração dominical:

“Pai nosso, seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu” – Pater, fiat voluntas tua sicut in caelo et in terra

Continue reading

Do amor de Benevolência

Meditação para a Décima Oitava Quinta-feira depois de Pentecostes. Do amor de Benevolência

Meditação para a Décima Oitava Quinta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Depois de termos meditado sobre o amor de complacência ou de santa alegria, que excita na alma a contemplação das perfeições divinas, meditaremos sobre o amor de benevolência, que é um segundo efeito do amor de Deus no coração; e veremos:

1.° Em que consiste este amor;

2.° Qual deve ser a sua prática.

— Tomaremos depois a resolução :

1.° De promovermos em toda a ocasião a glória de Deus e da sua religião, da sua Igreja, e do seu culto;

2 Todas as vezes que virmos ou ouvirmos ofender a Deus, de Lhe fazermos reparação por isso com atos de amor.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de Elias:

“Eu me consumo de zelo por vós, Senhor Deus dos exércitos, porque os filhos de Israel deixaram o vosso pacto” – Zelo zelatus sum pro Domino Deo exercitum, quia dereliquerunt pactum tuum filii Israel (1 Rs 19, 10)

Continue reading

Do amor de Complacência

Meditação para a Décima Oitava Quarta-feira depois de Pentecostes. Do amor de Complacência

Meditação para a Décima Oitava Quarta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre o amor de complacência ou de alegria em Deus. Consideraremos:

1.° Em que consiste esta alegria;

2.° As grandes vantagens que ela obtém à alma.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De meditarmos muitas vezes sobre as infinitas perfeições de Deus, sobre a sua imensidade, a sua bondade, a sua onipotência, e de pormos toda a nossa felicidade em nos perdermos nestes sagrados abismos, admirando quanto é grande e superior a todo o ser;

2.° De estarmos sempre contentes com Deus e com o governo da sua Providência para conosco, seja o que for o que nos acontecer em bem ou em mal.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de Santo Agostinho:

“Deus está contente com quem está contente com Ele” – Ille placet Deo cui placet Deus (Santo Agostinho, in Ps. 32)

Continue reading

A Virtude da Obediência

Mês de Julho: A Virtude da Obediência

Mês de Julho

Breve introdução sobre a Obediência e o Apóstolo Patrono

Se poucas almas há que se dão inteiramente a Deus, é porque poucas são as que se submetem inteiramente à obediência. Há pessoas tão aferradas à própria vontade, que a mesmíssima coisa que, fora da obediência, lhes seria de gosto para ser executada, amarga e difícil se lhes faz quando exigida por obediência, é unicamente por esta causa; tais pessoas tomam prazer somente com executar o que lhes dita a vontade própria. Este não é o proceder dos santos, os quais só ficam tranquilos quando obedecem. São Filipe Néri dizia:

“Os que desejam progredir no caminho de Deus devem submeter-se a um confessor instruído, e dar-lhe obediência como ao próprio Deus; quem procede assim, pode estar certo de que não dará a Deus contas do que faz”

Deve-se ter confiança no confessor, ajuntava o Santo, e crer que Deus não lhe permitirá se engane: não existe meio mais seguro para um desfazer os artifícios do inimigo que seguir no bem a vontade de outrem; ao contrário, nada mais perigoso do que querer dirigir-se pelos seus conselhos pessoais.

Se queres andar seguro no caminho da perfeição, deixa-te guiar por teus superiores, quanto às coisas externas, e obedece, em tudo que diz respeito a teu interior, a teu diretor espiritual.

Os negociantes, para se assegurarem de seus negócios, exigem que outros prestem fiança; do mesmo modo, para assegurar teu eterno ganho, deves procurar a fiança da obediência para tuas obras todas.

Persuade-te, por isso, vivamente de que é a Deus que obedeces quando obedeces a teus superiores. Se Jesus viesse pessoalmente para te encarregar de algum negócio ou ofício, recusar-te-ias talvez a obedecer-lhe ou desculpar-te-ias? Ora, é muito mais certo que é Deus mesmo quem te fala, quando teus legítimos superiores te mandam alguma coisa, do que quando Jesus, aparecendo-te, te incumbisse de alguma coisa, porque essa aparição poderia basear-se em um engano, ao passo que está fora de dúvida que Deus disse, em relação aos superiores:

“Quem vos ouve, a mim ouve” (Lc 10, 16)

Esforça-te, portanto, para obedeceres em tudo que não for claramente pecado, com toda a prontidão, alegria e simplicidade. Não te faças muito rogar: um verdadeiro obediente não demora, não se desculpa, não mostra sua repugnância interna por um rosto enfadado, mas começa a executar imediatamente o preceito com alegria, nem sequer espera a ordem expressa do superior: basta saber que é sua vontade dirigir-se conforme isso.

Não desejes igualmente saber as razões por que te mandaram fazer isto ou aquilo, pois assim tua obediência seria muito imperfeita. Se quiseres ser muito agradável a Jesus Cristo, suplica a teus superiores que te tratem inteiramente conforme o seu parecer e sem consideração alguma por ti; o merecimento da obediência será então muito maior. Esforça-te para que tua obediência se origine sempre da intenção de cumprir com a vontade de Deus, porque, se a praticares com outro intenção, por exemplo, para granjear a benevolência de teus superiores, satisfarás aos homens, mas não a Deus.

Em casos duvidosos, faze aquilo que julgas que teus superiores ordenariam; e se não puderes resolver de forma alguma, faze aquilo que é mais oposto à tua inclinação.

Sumário
I. A sua natureza
II. Do Mérito da Obediência
III. Da Obediência dos Filhos a seus Pais
IV. Da Obediência dos Criados a seus Amos
V. Da Obediência ao Diretor Espiritual
VI. A Obediência do Redentor
VII. A Prática da Obediência
VIII. Orações para alcançar a Virtude do Mês

Mês de Julho: A Virtude da Obediência. Apóstolo Patrono: São Filipe

Mês de Julho: A Virtude da Obediência. Apóstolo Patrono: São Filipe

Continue reading

Obrigação, glória e felicidade do serviço de Deus

Meditação para a Sexta-feira da Septuagésima. Obrigação, glória e felicidade do serviço de Deus

Meditação para a Sexta-feira da Septuagésima

SUMARIO

Reduziremos a três palavras as nossas meditações da semana: ser todo de Deus, é um dever, é uma glória, é uma felicidade.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De sacrificarmos a Deus as menores afeições que pudermos descobrir em nós;

2.° De repetirmos muitas vezes, em forma de oração jaculatória: Todo de Deus só, todo para Deus só.

O nosso ramalhete espiritual será as palavras do Salmista:

“Que há para mim no céu, e que desejei eu sobre a terra, senão a vós, ó Deus, que sois o Deus do meu coração, e a minha pertença por toda a eternidade?” – Qui mihi est in caelo, et a te quid volui super terram… Deus cordis mei, et pars mea Deus in aeternum? (Sl 72, 25-26)

Continue reading

Nunca é demais a Confiança!

Meditação para o Dia 04 de Setembro

Nunca – dizia Santa Teresinha – nunca é demais a confiança no bom Deus, tão poderoso e tão misericordioso! Que belas consoladoras palavras da incomparável missionária da confiança! Sim, a confiança na Misericórdia Divina nunca é demais. Pode-se limitar o que não tem limites, o que é infinito? Para nos incutir confiança, Nosso Senhor se fez menino, em Belém, nosso irmão, nosso amigo. Continue reading

« Older posts

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑