Meditação para o Dia 16 de Julho

1. São extremamente tristes as consequências da impureza, porque ela é como o fogo abrasador que tudo destrói. Se não é belo o que está manchado, o que será então quem é desonesto? A saúde corporal, geralmente, é prejudicada, a vida abreviada, a fisionomia alterada, a memória, a inteligência e a vontade enfraquecidas, o caráter corrompido e debilitado. O vício, dia por dia, torna-se mais dominador, levando a abismos e precipícios nunca sonhados. Que consequências!

2. Mais tristes ainda são as consequências da impureza para a alma. Esta, em breve, sente nojo da virtude, julga insípida e aborrecida a oração e foge dos sacramentos, das práticas e das boas leituras. Enfraquece-se a fé, surgem dúvidas; a religião torna-se incômoda porque prescreve pureza e ameaça castigos sem fim para o devasso. A alma fica cada vez mais cega, o coração mais endurecido; as graças são desprezadas; sobe a maré até arrastar tudo em suas ondas. Quantos, neste estado, são surpreendidos por morte repentina! E a tua sorte?!… Recomenda-te frequentemente a Maria, e tem sempre Deus diante de teus olhos, para não caíres, ou, ao menos, para te levantares mais cedo, e ficares mais energicamente de pé.

Voltar para o Índice de Meditações Diárias do Frei Pedro Sinzig

(Sinzig, Frei Pedro. Breves Meditações para todos os Dias do Ano. 8ª Ed. Editora Vozes, 1944, p. 212)