Meditação para o Dia 18 de Novembro

1. Então os escribas e fariseus lhe trouxeram uma mulher apanhada em adultério“. Queriam que a julgasse, para poderem acusar. Que nova malícia contra o maior benfeitor! Jesus, que tudo sabia e que é supremo juiz, negou-se a julgar. Tu, que nada sabes e nada podes, és tão precipitado em julgar o teu próximo. Deus por acaso, te fez juiz dos outros?

2. a) E como continuassem a interrogá-lo, ergueu-se e lhes disse: Aquele de vós que está sem pecado, seja o primeiro que a apedreje. Eles, porém, ouvindo isto, iam saindo um após outro, começando pelo mais velho“. Se te sentires inclinado a julgar o próximo, dirige a ti a mesma palavra, o que te preservará de muitas faltas.

b) Jesus, ficando só com a mulher, lhe disse: Ninguém te condenou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor. Então lhe disse Jesus: Nem eu te condenarei; vai, e não peques mais“. Quanto não poderás esperar de tão bondoso Salvador, se estiveres sinceramente arrependido! O mundo que te convidou a pecar, depois de cometida a culpa, te repele; Jesus, que fora ofendido, é o único que não nega compaixão e amor.

Voltar para o Índice de Meditações Diárias do Frei Pedro Sinzig

(Sinzig, Frei Pedro. Breves Meditações para todos os Dias do Ano. 8ª Ed. Editora Vozes, 1944, p. 337)