Tag: sermão (page 1 of 5)

Da Gratidão para com o Próximo

Meditação para o 13º Domingo depois do Pentecostes. Da Gratidão para com o Próximo

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas 17, 11-19

Naquele tempo, 11quando caminhava para Jerusalém, Jesus passou através da Samaria e da Galileia. 12Ao entrar numa aldeia, dez homens leprosos vieram ao seu encontro; mantendo-se à distância, 13gritaram, dizendo: «Jesus, Mestre, tem misericórdia de nós!» 14Ao vê-los, disse-lhes: «Ide e mostrai-vos aos sacerdotes.» Ora, enquanto iam a caminho, ficaram purificados. 15Um deles, vendo-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta; 16caiu aos pés de Jesus com a face em terra e agradeceu-lhe. Era um samaritano.

17Tomando a palavra, Jesus disse: «Não foram dez os que ficaram purificados? Onde estão os outros nove? 18Não houve quem voltasse para dar glória a Deus, senão este estrangeiro?» 19E disse-lhe: «Levanta-te e vai. A tua fé te salvou.»

Continue reading

Sermão sobre o Amor pelos Prazeres

Sermão sobre o Amor pelos Prazeres

Sermão para o 3º Domingo da Quaresma

SUMÁRIO

Exordio. — A história do Filho pródigo é um quadro da vida humana e uma perfeita imagem das graças da penitência.

Proposição e divisão.1.° Os prazeres são mananciais de dores; 2.° As dores são mananciais de prazeres.

1.º Ponto. Como sucedeu com o pródigo, os cristãos que se entregam aos prazeres caem, pelo próprio excesso desses prazeres, num abismo de dores; e o corpo e a alma desses infelizes são vítimas de perniciosos efeitos; são como que escravos de si mesmos.

2.º Ponto. A semelhança do pródigo, podem por meio da dor, estar na posse tranquila duma perfeita alegria. As tristezas da Penitência são salutares, e são fecundas em consolações e alegrias.

Peroração. O homem desprendido dos prazeres não achará a morte inexorável, nem cruel.

Homo quidam habuit duos filios, et dixit adolescentior ex illis patri: Pater, da mihi portionem substantiœ quœ me contingit.

Um homem tinha dois filhos, e o mais novo disse um dia ao pai: Meu pai, dê-me a parte da herança que me cabe.

Continue reading

Sermão da Providência

Sermão da Providência

Quarta-feira ou Sexta-feira da 2a Semana da Quaresma

Ms.t. XIII, 176. — Déforis, V, 242. —Lachat, IX, 151. — Gandar 134, – Gazier, 223. Bossuet pregou dois sermões da providência, o primeiro, em Dijon, com a assistência do duque d’Epernon, em 1656, e o outro seis anos depois, com a assistência de Luiz XIV.

Pregado no Louvre, com a assistência de Luiz XIV (no dia 8 ou 10 de março de 1662)

SUMÁRIO

Exordio. — Como  as muralhas de Samaria apenas serviram para fortificar a cidade santa que os samaritanos odiavam, recaem no ímpio as objeções deste contra a Providência.

Proposição e divisão.1.° Um conselho eterno e imutável oculta-se em todos os acontecimentos que o tempo parece desdobrar com uma tão estranha incerteza; 2.° a fé na Providência dá-nos luz suficiente para não nos admirarmos de coisa alguma, e força bastante para nada temermos.

1.º Ponto. Apesar da desordem que existe na humanidade, não pode ser o homem a única criatura em que se não fixa o olhar da Providência. O mundo é um quadro que deve ser convenientemente examinado, e os desígnios de Deus devem referir-se pela norma da eternidade.

2.º Ponto. — Como Deus tem em pouco apreço os favores temporais, devem os grandes homens parecer-nos desvalorizados. E como a causa primeira, sob o patrocínio da qual nos mantemos, encerra numa mesma ordem as causas inferiores, não devemos nós, portanto, temer estas.

Peroração. — Como no dia final nos é inútil a abundância em que tivermos vivido, se não santificarmos as nossas riquezas, sejamos em todo o tempo humildes e caritativos.

Filii, recordare quia recepisti bona in vita tua, Lazarus similiter mala; nunc autem hic consolatur, tu vero cruciaris

Filho lembra-te de que recebeste, bens em tua vida, e Lazaro apenas recebeu males; por isso ele agora é consolado, e tu atormentado (Lc 16, 25)

Continue reading

Sermão sobre a Impenitência Final

Sermão sobre a Impenitência Final

SUMÁRIO ESCRITO POR BOSSUET

Exordio. — A vida e a morte são menos dissemelhantes do que se diz e pensa.

Proposição e divisão. 

1°. O homem mundano, insensível à miséria dos pobres e estranho ao pensamento da salvação, morre aterrorizado e cercado de dores cruéis;

2.° Cai nas mãos de Deus sem ter o espírito preparado;

3°. Vai à presença do Juiz sem ter quem o defenda.

1.º Ponto. — O habito de não nos contentarmos com o que é lícito conduz em breve a afouteza de perseguirmos o que é verdadeiramente ilícito. E para depois modificar tão profundas inclinações, seria preciso um milagre.

2.º Ponto. — As ambições, as inquietações e as curiosidades absorvem e tiranizam o homem mundano e o cortesão até ao último momento da vida.

3.º Ponto. — O homem desmedidamente egoísta não ama o próximo; é cúpido, avaro, sente-se dominado pela embriaguez das paixões satisfeitas, até ao dia em que seja entregue ao tribunal divino por aqueles de quem ele se não compadeceu.

Peroração. — Sejamos caritativos, principalmente numa época em que é mais horrível a miséria dos pobres.

Mortuus est autem et dives
O rico também morreu (Lc 16, 22)

Continue reading

Sermão da Pregação Evangélica

2º Domingo da Quaresma - Sermão da Pregação Evangélica

Sermão para o 2º Domingo da Quaresma

Pregado em Paris, na capela das Carmelitas do faubourg Saint-Jaques, no dia 13 de março, de 1661 (1).

SUMÁRIO ESCRITO POR BOSSUET

Exordio. — O altar e o púlpito. Aliança.

1.º Ponto. — Disposição do Pregador. Et si habes brachium sicut Deus, et si voce simili tonas… Non exigitur donatur. – São Pedro Crisólogo.

2.º Ponto. — Atenção: sua espécie; onde deve existir; no coração e não no espírito.

3.º Ponto. — Doutrina como na comédia. Movimentos artificiais, enganadores e de pouca duração. Espécies de ensinamentos divinos. Justificação pelas obras. Modéstia perante o sermão.

Hic est Filius meus dilectus in quo mihi bene, complacui; ipsum audite 
Este é o meu amado filho, em quem me comprazo; escutai-o (Mt 17)

Continue reading

Sermão acerca dos Demônios

Sermão acerca dos Demônios (1653)

SUMÁRIO ESCRITO POR BOSSUET

1.º Ponto. — O que é conhecido como ornamento às naturezas inteligentes converte-se-lhes em suplício.

Operação oculta da mão de Deus.

2.º Ponto. — Inveja: espécie de orgulho, mas que se dirige aos seus fins por ínvios caminhos, porque é um orgulho covarde e tímido. O orgulho manifesta-se naturalmente, porque aparenta generosidade.

Ciúme dos anjos. Faraó. Ezequiel, 32. Expedientes ocultos de que se serve o espírito maligno.

Tertuliano. Comparação da serpente: Tertuliano (Adv. Valent).

Independência do diabo. São João Crisóstomo. Exemplos.

3.º Ponto. — Os nossos vícios são mais para temer do que o diabo. Exemplo de Saul. Inveja.

Ductus est Jesu a Spiritu in disertum, ut tentaretur a diabolo
Jesus, foi levado em Espírito ao deserto para ser tentado pelo diabo (Mc 4, 1)

Continue reading

Sermão da Penitência

1º Domingo da Quaresma - Sermão da Penitência

Sermão para o 1º Domingo da Quaresma

SUMÁRIO ESCRITO POR BOSSUET

Exordio. — Tempo. — Sua perda. — Três dificuldades que atrasam a sua conversão.

1.º Ponto. — Espírito do homem sempre extremo. — Da presunção do perdão ao desespero do mesmo perdão: Spe desperati. Do fato da misericórdia e da justiça serem infinitos resulta de serem aparentemente compatíveis. Qual é a misericórdia divina? Justiça na graça. A remissão dos pecados. Cada um deve fazer uma confissão sincera, e não procurar meios vis para se eximir das culpas. Devemos alegar defesa perante um juiz, e confessarmo-nos na presença dum padre. Maneira diferente de alegar defesa perante um e outro.

2.º Ponto. — Não há coisa que mais se deixe subjugar do que a vontade individual. Força do temperamento e do hábito. Muro impassibilitatis, Santo Agostinho. Um e outro podem vencer-se pelo temor. A penitência demanda sacrifício. Exemplo de Davi: Motiva poenitendi, Santo Agostinho. Penitência com sacrifício, porque é um ato de geração: In dolore paries filios tuos (G 3, 16). Geração própria.

3.º Ponto. — Do tempo, Dies mali, São Paulo. O tempo é uma ilusão. A vida ora nos parece longa, ora nos parece curta. A ciência do tempo constitui um dos segredos de Deus. O homem deseja penetrar nessa ciência. Nec filius hominis.

Contra os que aguardam o último momento. Tempo dos Testamentos: São João Crisóstomo, São Gregório Nazianzeno.

Exortação a uma rápida penitência.

Adjuvantes autem exhortamur ne in vacuum gratiam Dei recipiatis
E nós, como cooperadores, vos exortamos que não recebais a graça de Deus em vão (2Cor 6, 1)

Continue reading

Sermão sobre a Lei de Deus

Domingo da Quinquagésima - Sermão sobre a Lei de Deus

Domingo da Quinquagésima

Pode ver-se na edição de Gandar, p. 92, alguns fragmentos duma nova redação do mesmo sermão, pregado em Paris, numa casa religiosa, pelo ano de 1661. – Ms. Tomo XI, p. 416 – Déforis, IV, 572 – Lachat, VIII, 463 – Gandar, p. 49

Pregado em Metz, entre os anos de 1653 e 1656.

SUMÁRIO ESCRITO POR BOSSUET

Cogitam vias meas.

Exordio. — Diversidade de ações entre os homens. Animais de maior uniformidade. Ocupações servis, ou inúteis, ou estultas, ou criminosas. Um guia para as minhas culpas, uma norma para os meus desvarios e um repouso para as minhas inconstâncias.

1.º Ponto. — Ignorância humana. Nós não sabemos o que nos convém. Concilium meum justificationes tuae — Intellectum dat parvulis — Super senes intellexi.
O acaso dirige os negócios.
Aproximemo-nos de Jesus Cristo para recebermos os Seus ensinamentos.

2.º Ponto.Ordinatione tua perseverat dies… Nisi quod lex tua… Grande coisa é ser dirigido pela sabedoria divina.

3.º Ponto. — Perturbação da vista. Esperança falaz. Repouso em Deus.

Peroração. — Carnaval.
2ª redação. — A natureza deu por limites: a fraqueza às crianças, e a razão aos homens. O mau: Robustus puer — Posse quod velis… Velle quod oportet.

«Os homens sentem maior prazer com o que alcançam do que com o que já possuem»

Cogitavi vias meas, et converti pedes meos in testimonia tua
Estudei os meus caminhos, e finalmente segui aquele que me foi indicado pelos vossos testemunhos (Sl 118, 59)

Continue reading

Domingo da Septuagésima

Domingo da Septuagésima - Sermão sobre a eminente dignidade dos pobres na Igreja
Sermão sobre a eminente Dignidade dos Pobres na Igreja

Este discurso, que é um Sermão de Caridade em toda a extensão do termo, não conclui, como poderá ver-se, pela Ave-Maria tradicional. Os editores são unânimes em afirmar com Floquet que este sermão foi pregado no Seminário das Filhas da Providência, estabelecimento situado junto do Val-de-Grace. Lachat, afirmativo sempre, menciona os nomes de senhoras ilustres, na presença das das quais falou Bossuet. A data deste discurso não pode precisar-se ao certo, nem o lugar onde Bossuet o pronunciou é rigorosamente o seminário das Filhas da Providência. No verso de duas cartas que vieram de Sedan para Metz, e que foram remetidas de Metz para Paris, acham-se escritas duas páginas deste sermão. O sinete duma dessas cartas tanto pode ser o da famílias de Bouillon, como o dos Schombergm, como até o do marechal Fabert. (Gazier) – Ms. Tomo XI, pag. 269 – Déforis, IV, 536. – Lachat, VIII, 125. – Gandar, pag. 161.

Pregado em Paris, em fevereiro de 1659.

SUMÁRIO

Exordio. — A subversão das condições que o Salvador nos anuncia na passagem do Evangelho, que serve de tema a Bossuet, começou já nesta vida.

Proposição e divisão. — O orador desenvolve três pensamentos que se opõem ao que decorre no mundo e na Igreja, que é o reino de Jesus Cristo. No 1° prova que a maior grandeza pertence aos pobres, que são os primogênitos da Igreja, os seus verdadeiros filhos; no 2° que os ricos são os servos dos pobres; e no 3° que são os pobres que têm as graças e as bênçãos do céu, e só por intervenção deles é que as podem ter os ricos.

1.º Ponto. — A Igreja é realmente a cidade dos pobres, por que nos seus princípios só foi edificada para eles. Difere, portanto, da Sinagoga na ausência das riquezas e da abundância que são as partilhas desta. É isto o que nos faz compreender o Salvador, quando diz: Beati pauperes, quia vetrum est regnum Dei. Deve-se, pois, amar e respeitar os pobres, ainda mesmo quando se lhes faz uma esmola, porque são eles os primogênitos da família de Jesus Cristo.

2.º Ponto. — Jesus Cristo não necessita para Si dos favores dos ricos, mas necessita deles para os Seus pobres, de quem serve de medianeiro junto dos grandes deste mundo. Portanto, os ricos devem considerar uma honra o fato de serem os servos dos pobres; porém, valendo-lhes nas suas misérias, valem ao próprio Jesus Cristo. Além disso, devem servi-los com grande prazer e gratidão, pois aliviam assim o fardo das suas riquezas, que, aliás, os arrastaria ao abismo.

3.º Ponto. — Em todos os reinos há privilegiados. Os privilegiados do reino de Jesus Cristo são os pobres, porque é na pobreza que reside a magnificência desse reino. Todos os benefícios são prometidos aos pobres; aos ricos só cabem maldições: Vae vobis divitibus.

Peroração. — Posto isto, será necessário que os ricos procurem o meio de que os pobres se interessem por eles? E como? Por meio de esmolas: Peccata tua eleemosynis redime.

Erunt novissimi primi, et primi novissimi
Os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos (Mc 20, 16)

Continue reading

Panegírico de São Tomás de Cantuária

Panegírico de São Tomás de Cantuária

Tomás Becket nasceu em Londres a 21 de dezembro de 1117 duma família anglo-saxônia. Estudou sucessivamente em Oxford, em Paris e em Bolonha. Tendo-se dedicado à carreira eclesiástica, em breve adquiriu grande influência, pelo que Henrique II o elevou à dignidade de chanceler do reino, de preceptor de seu filho, e mais tarde de arcebispo de Cantuária, em 1162. Como quer que o rei pretendesse restringir a jurisdição do clero, pelos seus estatutos de Clarendon, elaborados em 1154, tratou logo o arcebispo de defender animosamente os interesses da Igreja; mas sendo condenado, em 1165, pelo sínodo de Northampton, refugiou-se para junto do Luiz VIII, rei de Franca, que chegou a reconciliá-lo com Henrique II. Ao tempo surgem umas tumultuosas agitações políticas que assinalaram o regresso do arcebispo ao reino; mas o rei da Inglaterra exprimiu imprudentemente o desejo de ser livre do primaz do Cantuária. Imediatamente partiram quatro cavaleiros para a sede do bispado, e ali mataram o infeliz arcebispo mesmo aos pês do altar onde ele ia celebrar o oficio divino. Henrique II teve o desplante de negar este crime, mas no túmulo da vítima confessou-o publicamente e pedia, perdão. A Igreja Católica venera este santo no dia 29 de dezembro.

(V. S. Tomás Becket, sua vida e suas Cartas, obra de M. Darboy, organizada segundo o trabalho de R. Giles. Paris, 1858, 2 vol, em 8º)

Pregado em Paris, na colegiada de Saint Thomas du Louvre, no dia 29 de dezembro de 1668.

SUMÁRIO

Exordio. — Jesus Cristo praticou sempre atos e humilhação, primeiramente na santidade da Sua pessoa e depois em todos os dias da Sua vida. A Igreja não pode gozar de vantagem alguma que lho não custe a morte de seus filhos. Foi por este motivo que São Tomás deu a vida.

Proposição e divisão. — Os mártires que combateram pela fé consolidaram-na pelo testemunho do seu sangue, açaimaram pela sua paciência o ódio público, e pela sua constância invencível confirmaram os fiéis. O santo arcebispo de Cantuária consolidou primeiro a autoridade eclesiástica violentamente oprimida; converteu depois os corações indóceis; e animou em seguida o zelo dos que foram propostos para seus defensores.

1.º Ponto. — Igreja é como que uma desconhecida na terra onde se acha revestida dum caráter real, pela soberania inteiramente espiritual que nela exerce. Os príncipes concederam a Igreja grandes privilégios e a Igreja erigiu aos príncipes um trono nas consciências. Henrique II, rei da Inglaterra, declara-se inimigo da Igreja; mas São Tomás representa com brandura e firmeza que as duas potências devem auxiliar-se mutuamente, e morre pelos direitos da Igreja.

2.º Ponto. — Nos primeiros séculos cristãos eram os príncipes inimigos da Igreja, mas, depois de assinada a paz, operou-se a união. São Tomás resiste até à morte do príncipe que quer usurpar os direitos da Igreja, e o seu sacrifício converteu Henrique II.

3.º Ponto. — O sangue de São Tomás reanimou a coragem do clero, que tem privilégios para que a religião seja respeitada, possui bens para o exercício dos santos ministérios e parada subsistência dos pobres; e tem autoridade para que ela sirva de freio a licença, de barreira a iniquidade e de apoio a disciplina.

Peroração. — Praza ao divino Salvador que todos os que Ele chamou a vida eclesiástica imitem as virtudes, de São Tomás de Cantuária.

In morte mirabilia operatus est
Na morte operou coisas maravilhosas.
(Eclo 48, 15)

Continue reading

« Older posts

© 2019 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑