Meditação para o dia 07 de Maio. Maria, Rainha de Misericórdia para os miseráveis

Meditação para o dia 07 de Maio

Maria é Rainha de Misericórdia até para com os mais miseráveis

Podemos porventura temer que Maria desdenhe empenhar-se pelo pecador, por vê-lo tão carregado de pecados? Ou acaso nos devem intimidar a majestade e a santidade desta grande Rainha? Não, diz o Papa São Gregório; porque quanto ela é mais excelsa e mais santa, tanto é mais doce e mais piedosa para com os pecadores, que se querem emendar e a ela recorrem. A majestade dos reis e das rainhas causa temor e faz com que os súditos temam chegar à presença deles. Mas onde estão, pergunta São Bernardo, os infelizes que podem ter medo de apresentar-se a esta Rainha de misericórdia? Nela nada há de terrível nem de severo. É toda benigna e amável para os que a procuram. Maria não só dá quanto lhe pedimos, mas ela mesma nos oferece a todos nós leite e lã. Leite de misericórdia para animar-nos à confiança, e lã de refúgio para nos defender dos raios da justiça divina.

Narra Suetônio do imperador Tito, que ele não sabia negar favor algum a quem lho pedia. Acontecia- lhe às vezes prometer mais do que se podia esperar. Disto advertido, respondia que o príncipe não devia deixar ir descontente nenhum daqueles que admitisse à sua presença.

Tito assim o dizia; porém, muitas vezes ou mentia ou faltava à promessa. Nossa Rainha não pode, entretanto, mentir; pode sim alcançar quanto quiser para os seus devotos. Tão bom e compassivo lhe é o coração, que não deixa voltar de mãos vazias quem a invoca, observa Landspérgio.

“Mas como podereis vós, ó Maria, lhe diz São Bernardo, deixar de socorrer os infelizes, se vós sois a Rainha de misericórdia? E quem são os súditos da misericórdia, senão os miseráveis? Sois a Rainha da misericórdia e eu entre os pecadores ou o mais miserável. Logo, se eu, por ser o mais miserável, sou o maior dos vossos súditos, vós deveis ter mais cuidado de mim que de todos os outros”

Tende, pois, piedade de nós, ó Rainha de Misericórdia e cuidai em salvar-nos. Não digais, ó Virgem Santíssima que não vos é possível socorrer-nos, por ser grande a multidão de nossos pecados. Pois não há número de culpas que possa exceder ao vosso poder e amor. Tão grandes são eles! Nada resiste ao vosso poder. Pois nosso comum Criador, honrando-vos como sua Mãe, estima como sua a vossa glória. Alegra-se o Filho com vossa glorificação e atende a vossos pedidos, como se estivera saldando uma dívida. Quer o Santo dizer: Maria deve uma obrigação infinita ao Filho por havê-la destinado para sua Mãe. Contudo não se pode negar que também o Filho é muito obrigado a esta Mãe, por lhe ter dado o ser humano. Por isso, estando agora na sua glória, como em recompensa do que deve a Maria, Jesus a honra, especialmente ouvindo sempre todos os seus rogos.

Quanta não deve ser, pois, a nossa confiança nesta Rainha, sabendo nós quanto ela é poderosa perante Deus e cheia de misericórdia para com os homens! Tão misericordiosa é Maria, que não há na terra criatura que deixe de participar-lhe dos favores e das bondades. Assim o revelou esta mesma Virgem amabilíssima a Santa Brígida. Eu sou — lhe disse — Rainha do céu e Mãe de misericórdia; para os justos sou alegria e para os pecadores sou a porta por onde entram para Deus. Não há no mundo pecador tão perdido, que não participe de minha misericórdia; pois, por minha intercessão, todos são menos tentados do que, aliás, haviam de ser. Nenhum deles continuou dizendo, a não ser o que de todo esteja repudiado por Deus (o que se deve entender da última e irrevogável sentença sobre os réprobos), nenhum deles é tão abandonado por Deus, que não consiga reconciliar-se com ele e conseguir misericórdia, se implora a minha intercessão. Mãe de misericórdia me chamam todos. Em verdade, a misericórdia de Deus para com os homens me fez também tão misericordiosa para com eles. Infeliz, portanto, conclui a Virgem, infeliz será eternamente na outra vida, aquele que podendo nesta vida recorrer a mim, tão compassiva com todos, não me invoca e se perde!

Recorramos, pois, e recorramos sempre à proteção desta dulcíssima Rainha, se queremos seguramente salvar-nos.

Maria garantiu a Santa Brígida que é Mãe não só dos justos e inocentes, mas também dos pecadores que se querem emendar. Se, desejoso de emenda, recorre um pecador a esta Mãe de Misericórdia, oh! Como a encontra pronta para abraçá-lo e socorrer, ainda mais do que se fosse sua mãe corporal. Era justamente o que o Papa Gregório VII escrevia à princesa Matilde: desiste da vontade de pecar e achara Maria, eu o garanto mais pronta em amar-te do que tua própria mãe.

Portanto, quem aspira a ser filho desta grande Mãe, é preciso que primeiro deixe o pecado, e depois será sem dúvida aceito por filho.

Deus amaldiçoa quem com sua má vida e ainda mais com sua obstinação aflige essa boa Mãe.

Digo com sua obstinação. Pois, quando o pecador, embora ainda em pecados, se esforça por abandoná-los e para isso procura o socorro de Maria, esta Mãe não deixará de o socorrer e de faze-lo voltar à graça de Deus. Assim, um dia o ouviu Santa Brígida da boca de Jesus Cristo, que, falando com sua Santíssima Mãe lhe disse: Ajudas aquele que procura converter-se e a ninguém deixas retirar-se sem consolo. Enquanto, pois, o pecador está obstinado, Maria não pode amar. Mas se ele, achando-se nas cadeias de alguma paixão que o faz escravo do inferno, ao menos se encomendar à Virgem e lhe pedir, com perseverança e confiança, que o ajude a sair do pecado, sem dúvida esta boa Mãe lhe
estenderá a sua poderosa mão, quebrará suas cadeias, conduzi-lo-á pelas veredas da salvação.

EXEMPLO
O QUE PODE UMA MÃE!

O filho que teve a graça de possuir uma santa mãe é a mais feliz das criaturas. A mãe é o anjo de nossa vida. Ela tem um poder imenso sobre o destino dos filhos.

“O homem moral, dizia José De Maistre, está formado aos 11 anos, e, se não o foi dos joelhos de uma mãe, será uma desgraça para toda vida”

Realmente, a influência materna é decisiva e poderosa na formação do caráter e da alma dos filhos. O mundo hoje tem mais necessidade de mães santas do que de tratados e leis. O que aprendemos nos joelhos de nossa mãe, nos acompanha em toda a vida. O homem pode se desviar, pode ter a desgraça de haver desprezado os conselhos e as lágrimas de uma santa mãe. Porém, mais cedo ou mais tarde, a influência materna o leva ao bom caminho. Temos visto tantos exemplos e provas disto!

Tornou-se conhecido em todo o mundo o célebre caudilho Rafael dei Riego, autor de a revolta militar espanhola de Cabejas de San Juan, no ano de 1820. Preso e condenado este homem ao ver desvanecidas suas ilusões, sentiu o arrependimento de seus pecados, tocado pela graça divina. Quis se reconciliar com Deus e mostrou o desejo de se confessar a um padre dominicano do colégio de Santo Tomás, de Madri. Fora chamado o, sacerdote sem demora. Riego prostrado em terra e entre lágrimas fez a sua confissão com tal dor de haver ofendido a Deus e tais sinais de um arrependimento muito sincero, que o sacerdote não pôde conter as lágrimas.

O homem terrível, o caudilho perigoso e temido ali estava manso e humilde aos pés do ministro de Deus. Não temia a morte a que fora condenado e a esperava sem susto. Doía-lhe a alma o haver ofendido tanto a Deus em sua vida que fora um tecido de crimes hediondos. Perguntou-lhe o Padre:

— Diga-me, meu filho, que fez para merecer esta graça tão extraordinária do céu, esta contrição tão perfeita?

— Meu padre, responde Riego ainda a soluçar, toda a minha vida é um tecido de iniquidades, não me recordo de coisa alguma que me possa ter merecido esta graça da misericórdia divina.
Todavia, se alguma coisa posso atribuir a minha conversão é ao Rosário de Nossa Senhora!

— Como assim?

— Sim, padre, quando menino, minha santa mãe levava-me à igreja de São Domingos em Oviedo e ali de joelhos rezávamos o rosário de Nossa Senhora. Morreu minha mãe e antes da agonia ela me recomendou não deixasse o rosário. E apesar de minha vida de pecados nunca deixei de rezar o meu terço cada dia.

— Basta, meu filho, basta, exclama o padre e abre os braços e aperta Riego contra o peito, comovido. — Basta, meu filho, compreendo tudo. Maria Santíssima te salvou pelo Rosário. Dá graças a Deus por Ela e não tenhas mais tristeza por deixar este mundo enganador. Vamos! Um momento de dor e irás ter com tua Mãe da terra e tua Mãe do céu, no Paraíso! Duas Mães te esperam no céu! Parte para o céu meu filho!

No dia seguinte Riego subiu ao patíbulo, sereno, resignado, e, depois de haver beijado o crucifixo fora executado.

Nossa Senhora, Refúgio dos pecadores, salvara aquela pobre alma pelo seu rosário bendito.

E quanto pode o exemplo e a influência de uma boa Mãe! Ó, se as mães soubessem…

ORAÇÃO

Ó Mãe do santo amor, ó vida, refúgio e esperança nossa! Bem sabeis que vosso Filho Jesus Cristo, não contente de constituir-se nosso perpétuo advogado junto ao Eterna Padre, quis ainda que vos empenhásseis junto a ele para impetrar as divinas misericórdias. Ele dispôs que as vossas orações concorressem para nossa salvação, e deu-lhes tanto poder, que alcançam quanto pedem. Eu, miserável pecador, para vós me volto, ó esperança dos miseráveis. Espero, ó Senhora minha, que, pelos merecimentos de Jesus Cristo e pela vossa intercessão, me hei de salvar. Assim a espero e confio tanto que, se a minha salvação eterna estivesse na minha mão, certamente eu a poria na vossa. Pois mais confio da vossa misericórdia e proteção, que de todas as minhas obras. Mãe e esperança minha, não me desampareis como eu mereço; olhai para as minhas misérias e movei-vos à piedade, socorrei-me e salvai-me.

Voltar para o Índice do livro Um Mês com Nossa Senhora

(BRANDÃO, Monsenhor Ascânio. Um Mês com Nossa Senhora ou Mês de Maria, segundo Santo Afonso Maria de Ligório. Edições Paulinas 1ª ed., 1949, p. 59-65)