Meditação para a Terça-feira da 6ª Semana depois da Epifania. Vida obediente de Jesus em Nazaré

Meditação para a Terça-feira da 6ª Semana depois da Epifania

SUMARIO

Continuaremos ainda a estudar a vida de Jesus em Nazaré, e veremos:

1.° Que a Sua vida foi uma vida toda de obediência;

2.° Como devemos imitá-la.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De termos uma vida regular, sem concedermos nada aos caprichos, aos gostos e às repugnâncias;

2.º De oferecermos muitas vezes a Deus o sacrifício da nossa própria vontade, por deferência para com a Sua.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra que o Espírito Santo disse da vida de Nosso Senhor durante trinta anos:

“Estava à obediência de Maria e de José” – Erat sudbitus illis (Lc 2, 51)

Meditação para o Dia

Voltemos à santa casa de Nazaré, para contemplar o Filho eterno de Deus obedecendo a Maria e a José. Adoremos, louvemos, bendigamos este grande mistério; supliquemos a Nosso Senhor que nos aplique a Sua graça.

PRIMEIRO PONTO

Obediência de Jesus em Nazaré

O Espírito Santo resumiu em uma só palavra a história de trinta anos da vida do Deus feito homem: Estava à obediência de Maria e de José. Sondemos este profundo mistério.

— Quem é Aquele que obedece?

É o supremo Monarca do céu e da terra; ninguém podia mandar com mais justo título do que Ele, pois que o mandado supõe o poder, a prudência, a sabedoria, e ninguém possui melhor estas qualidades do que a sabedoria incriada e o poder supremo.

— A quem obedece Ele?

A Maria e a José, duas almas santas por certo, que não podiam mandar nada que não fosse prudente e justo; mas, em último resultado, duas de Suas criaturas, a quem tinha dado o ser, a vida e o movimento.

— Em que obedece Ele?

Maria e José não tinham que ordenar-Lhe grandes coisas; ela somente podia exigir-Lhe os pequenos cuidados do governo doméstico, e José o exercício de Sua arte mecânica.

— Até que idade obedece Ele?

Até à idade de trinta anos, essa época da vida em que o homem se julga em estado e no direito de mandar e de se guiar por si mesmo. Todavia, Jesus obedece como um criado aos seus amos; executa imediatamente tudo o que Lhe dizem, tudo o que Lhe insinuam, e tudo o que desejam, repetindo no fundo do Seu coração a Sua palavra querida:

“Não vim para ser servido, mas para servir” – Non venit ministrari, sed ministrare (Mt 20, 28)

Não tem vontade senão para a sacrificar à obediência; não faz nada para Sua satisfação (1), e não se exime de coisa alguma por desprazer ou repugnância. Todo o Seu gosto é deixar-Se guiar pela autoridade dos Seus santos pais, e de Se entregar em tudo à sua direção por espírito de humildade e de mansidão.

— Oh ! Que grande coisa é pois aos olhos de Deus viver na obediência, visto que foi a vida de um Deus durante trinta anos, e o único rasgo dessa vida durante esse tempo, que o Espírito Santo revelou ao mundo. Ainda que demos a Deus todos os nossos bens, os trabalhos de todos os momentos, será dar-Lhe nada, se não lhes juntarmos o sacrifício da nossa vontade: não fazendo assim, pode nisso haver devoção, mas não há virtude: falta-lhe o essencial, a realidade, o carácter distintivo da vida de Jesus Cristo, a obediência. Temos compreendido bem até ao presente a excelência da obediência?

SEGUNDO PONTO

Como devemos imitar a obediência de Jesus em Nazaré?

1.° É vendo sempre Deus nos que nos mandam: admirável segredo, de onde resulta para nós uma obediência sem tristeza nem murmúrio, sempre alegre, sempre pronta a fazer o que se quer, sem a menor demora, sem replicar nem discutir o mandado; uma obediência animosa nas coisas difíceis como nas mais fáceis, na idade mais avançada como na infância: uma obediência, finalmente, que apenas quer e deseja a vontade de Deus, pela qual se deixa manusear, como o barro nas mãos do oleiro.

2.° O exemplo de Jesus Cristo deve inspirar-nos aversão aos empregos em que há coisas a mandar, como a certo modo de vida em que, desde manhã até à tarde, se faz o que se quer. Devemos ter medo, principalmente, de fazer a nossa própria vontade, gostar de consultar, de obedecer e de submetermo-nos aos representantes de Deus na pessoa dos nossos superiores. Ter uma vida de obediência é a suprema felicidade de uma alma que possui o espírito de Jesus Cristo.

3.° Devemos obedecer a Deus em tudo, entregando-nos nas mãos da Sua Providência, observando os Seus mandamentos e os da Santa Igreja, cedendo às Suas inspirações, sendo atenciosos para com os superiores que Ele nos propôs, condescendendo com os iguais ou inferiores, tanto quanto o dever o permite e a caridade o exige; finalmente, aceitando com resignação tudo o que podem fazer-nos sofrer as criaturas, o frio ou o calor, os incômodos, os revezes e as adversidades. A verdadeira obediência sujeita-se a tudo, tranquila nas mãos de Deus, como um menino nos braços do melhor dos pais.

São estes os caracteres da nossa obediência?

Resoluções e ramalhete espiritual como acima

Referências:

(1) Christus non sibi placuit (Rm 15, 3)

Voltar para o Índice do Tomo I das Meditações Diárias de Mons. Hamon

(HAMON, Monsenhor André Jean Marie. Meditações para todos os dias do ano: Para uso dos Sacerdotes, Religiosos e dos Fiéis. Livraria Chardron, de Lélo & Irmão – Porto, 1904, Tomo I, p. 300-302)