Meditação para a Décima Sétima Segunda-feira depois de Pentecostes. Primeiro remédio para os extravios da Imaginação

Meditação para a Décima Sétima Segunda-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre o primeiro remédio que se deve aplicar aos extravios da imaginação, o qual consiste em reprimir o desejo de ver, de conhecer e de ouvir tudo. Para nos decidirmos a isto, provaremos:

1.° A influência da curiosidade sobre os extravios da imaginação;

2.° A necessidade e a maneira de a corrigir.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De sermos mais modestos nas vistas e mais reservados nas perguntas acerca do que não precisamos de saber;

2.° Se nos derem notícias sem as pedirmos, e as recebermos com moderação, quase com indiferença, sem essa avidez que perturba o interior.

O nosso ramalhete espiritual será o conselho do Espírito Santo:

“Tende cobro em vós, e ouvi com atenção o que vos disserem” – Cave tibi, et attende diligentur auditui tuo (Ecl 13, 16)

Meditação para o Dia

Adoremos Nosso Senhor no divino uso que fez de Sua imaginação. Nunca a ocupava em coisas vãs a supérfluas, mas em coisas santas e úteis, conservando-a sujeita à vontade de seu eterno Pai, e não a empregando senão nos seus adoráveis desígnios. Tributemos, todos os nossos respeitos a este divino Salvador, e roguemos-Lhe que nos permita imitá-lO.

PRIMEIRO PONTO

Influência da curiosidade sobre os extravios da Imaginação

A curiosidade representa todos os objetos exteriores na imaginação, como em um espelho em que se refletem todas as nossas sensações, e em que elas se conservam muito tempo ainda depois que passaram: porque, deixando de ver os objetos, não deixamos de os imaginar. Uma vez percebidos, ficam interiormente depositados na imaginação que, guarda fiel, no-los representa, sem esperar que lho peçamos, muitas vezes até nos momentos em que não o quiséramos. Em outro tempo ofereceu-se à nossa vista um objeto curioso, um belo espetáculo. Imortificados que éramos, olhamo-lo com uma avidez, que parecia paixão; e em castigo desta imprudência, a imaginação no-lo representa na oração, nos nossos diversos exercícios espirituais, tão viva e exatamente, que julgamos vê-lo ainda a falar com as pessoas, até mesmo depois de decorrerem meses e anos: porque tem o funesto talento de prolongar sem limites a existência das coisas que já não existem, e de tornar presentes os fatos ainda os mais remotos. Daí, o custar-nos tanto a orar bem, a viver no retiro, a conservar a paz interior, a adquirir uma verdadeira e sólida piedade.

Examinemo-nos sobre um objeto tão importante.

SEGUNDO PONTO

Necessidade e maneira de corrigir a Curiosidade

Dar largas à curiosidade, procurar ver, saber, e ouvir tudo; e depois disto queixarmo-nos das divagações da imaginação, das faltas de atenção na oração, das imagens importunas que nos perseguem e nos conservam em uma incessante distração, é imitar o menino que, pondo um objeto diante de um espelho, se agastasse de o ver ali representado. Ler uma carta com um zelo muito humano, deixar a vista errar livremente pelas ruas ou praças públicas, receber com avidez e pedir por curiosidade notícias de tudo o que se diz ou se faz, ler com empenho os periódicos, os escritos que contém as narrações mais ou menos interessantes de acontecimentos pitorescos; e querer, depois disto, que o interior esteja apto para a oração, que a oração nos deixe tranquilos, é querer tirar das trevas a luz, da agitação a ordem e a paz; é querer o impossível. Por isso lemos a respeito de São Carlos que, quando lhe falavam das coisas do mundo, se conservava precavido para não se deixar preocupar delas. Todos os santos têm feito o mesmo. Cuidando da sua alma e dos deveres do seu estado, não desejavam nem buscavam saber notícias; e era assim que se preservavam da maior parte dos extravios da imaginação. A seu exemplo, devemos vigiar sobre os nossos olhos, conservá-los sempre modestos, e privá-los de ver o que não precisamos de ver; devemos vigiar sobre as nossas palavras, e não pedir notícias, nem fazer perguntas acerca do que não necessitamos de conhecer; devemos vigiar sobre os nossos pensamentos, e não os deixar divagar por mil ninharias ou objetos fantásticos: do contrário, a imaginação toma-os como realidades, apresenta-os à alma com as suas formas e circunstâncias, e no-las põe, em cena com as coisas e pessoas. Vemo-las, ouvimo-las, gozamos da sua companhia, abrasamo-nos em desejos, buscando alcançar o fantasma que nos persegue; e não é necessário mais para distrair o nosso interior e interromper os nossos exercícios de piedade. O Espírito do mundo é querer saber tudo, e encher-se de milhares de coisas vãs. O Espírito de Deus, ao contrário, induz a que se ignore tudo o que de nada serve ao nosso adiantamento espiritual ou aos deveres do nosso estado. Bem-aventurada ignorância, que facilita à alma o conhecimento das coisas divinas, que a desprende do que poderia alterar a sua paz, e a torna senhora de si.

Examinemo-nos: quantas vezes fomos perturbados e inquietados por havermos inquirido o que não necessitamos de saber, e nos termos preocupado com assuntos de que podíamos muito bem abster-nos?

Resoluções e ramalhete espiritual como acima

Voltar para o Índice das Meditações Diárias de Mons. Hamon

(HAMON, Monsenhor André Jean Marie. Meditações para todos os dias do ano: Para uso dos Sacerdotes, Religiosos e dos Fiéis. Livraria Chardron, de Lélo & Irmão – Porto, 1904, Tomo V, p. 23-25)