Meditação para a Décima Quinta Quinta-feira depois de Pentecostes. Ódio ao Pecado

Meditação para a Décima Quinta Quinta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre o ódio ao pecado, que é o primeiro efeito da penitência, e veremos:

1.° Os motivos de odiar o pecado em geral;

2.° Os motivos de odiar o mesmo pecado venial.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De nunca cometermos de propósito nenhum pecado venial;

2.° De vigiarmos principalmente sobre certos pecados, em que caímos mais vezes, como os pecados de língua.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra do patriarca José:

“Como poderei eu pecar contra o meu Deus?” – Quomodo possum… peccare in Deum meum? (Gn 39, 9)

Meditação para o Dia

Adoremos a Deus, a santidade infinita, no imenso ódio que tem ao pecado; amemos a sua santidade, que não pode tolerar nem sequer a sombra do pecado; adoremos a sua justiça, que o persegue por toda a parte; temamos os seus castigos, que lhe não perdoam em nenhum tempo e lugar.

PRIMEIRO PONTO

Do ódio ao pecado em geral

O verdadeiro penitente odeia todo o pecado como inimigo irreconciliável de Deus. Abomina-o e detesta-o como a coisa mais execranda do mundo; como a fonte desse dilúvio de misérias, que cobre a terra desde a desobediência do primeiro homem; como o maior de todos os males, pois que pode condenar-nos às penas eternas; como um mal, finalmente, que devemos temer mais que as doenças mais agudas, que os tormentos, que a morte ainda a mais cruel. Devemos estar sempre dispostos a antes perder e sofrer tudo do que cometê-lo; fugir dele como da peste; fazer-lhe em todo o tempo e lugar uma guerra mortal; persegui-lo, como as pessoas mais odientas perseguem os seus inimigos onde quer que os encontram; atacá-lo até na sua fonte, crucificando a carne e a sua concupiscência (1); finalmente, apagar ainda a menor ideia e lembrança dele. Eis aqui o que nos prescreve o ódio ao pecado; e roguemos a Deus que nos faça penetrar estes sentimentos no fundo do nosso coração para que possamos dizer com o profeta:

“Eu aborreço e abomino o pecado” – Iniquitatem odio habui et abominatus sum (Sl 118, 163)

SEGUNDO PONTO

Do ódio ao pecado, ainda mesmo venial

Devemos temer mais que a morte o pecado venial:

1.º Porque desagrada a Deus, ofende-O, faz-Lhe injúria, e contrista o Espírito Santo; ora um mal, que tem tais consequências, não é um mal mais grave que todos os males imagináveis?

2.° Porque Deus lhe inflige na outra vida castigos mais espantosos que todas as tribulações deste mundo, e porque, mais que uma vez, o tem punido de morte, desde a vida presente: por uma curiosidade imprudente, a mulher de Ló ficou convertida em estado de sal (Gn 19, 26); por ter enfeixado lenha em dia de sábado, um homem é apedrejado e morto pelo povo (Nm 15, 32-36); um profeta demora-se mais tempo do que devia no lugar aonde o tinham enviado, e um leão, saindo-lhe ao encontro, mata-o! (1Rs 23, 24) Davi, por uma secreta vaidade, manda fazer o recenseamento de seu povo, e dez mil súditos são feridos de peste! (2Sm 24, 9-15).

3.° Porque suspende a efusão das graças e conduz ao pecado mortal, segundo o oráculo do Espírito Santo, que aquele que despreza as pequenas faltas, pouco a pouco cairá nas grandes (2), e porque assim um pecado venial é algumas vezes a primeira fonte da reprovação;

4.° Porque multas vezes o que se julga ser só pecado venial é perante Deus pecado mortal: de onde devemos concluir, que nos convém evitar as mentiras, as maledicências, ainda aquelas a que chamamos leves, os escárnios, as palavras picantes, todos esses pecados veniais em que se cai tantas vezes nas conversações; as perdas de tempo, as negligências nos nossos cargos, a sensualidade nas nossas refeições, a vaidade no nosso exterior, o respeito humano nos deveres da religião.

É esta a ideia que formamos do pecado venial? Não o cometemos todos os dias por demasiado amor para conosco, ou demasiada complacência para com os outros, muitas vezes até sem escrúpulo, de caso pensado e de boamente, sob pretexto de que não seremos por causa disso eternamente castigados? Enfim, odiamo-lo, a ponto de impedir, quanto podemos, que os outros o cometam, desaprovando os seus defeitos, e induzindo-os a evitar até mesmo as menores palavras e ações licenciosas?

Resoluções e ramalhete espiritual como acima

Referências:

(1) Concupiscentia, cum conceperit, parit peccatum (Zc 1, 15)

(2) Qui spernit modica, paulatim decidet (Ecl 19, 1)

Voltar para o Índice das Meditações Diárias de Mons. Hamon

(HAMON, Monsenhor André Jean Marie. Meditações para todos os dias do ano: Para uso dos Sacerdotes, Religiosos e dos Fiéis. Livraria Chardron, de Lélo & Irmão – Porto, 1904, Tomo VI, p. 184-187)