Meditação para o Sábado da Segunda Semana da Quaresma. Lições de Humildade e de Abnegação no Tabor

Meditação para o Sábado da Segunda Semana da Quaresma

SUMARIO

Terminaremos as nossas meditações sobre a Transfiguração, considerando:

1.° A profunda humildade que este mistério faz sobressair em Jesus Cristo;

2.° O desapego universal que este mesmo mistério revela nos Apóstolos.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De nos afeiçoarmos só a Deus, sem nada mais desejarmos;

2.° De nunca dizermos nem fazermos coisa alguma por amor-próprio ou em atenção à criatura.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de São Paulo:

“Jesus Cristo é tudo” – Omnia… Christus (Col 3, 11)

Meditação para o Dia

Prostremo-nos pelo pensamento aos pés de Jesus transfigurado; admiremos ali a humildade que este mistério faz sobressair em Jesus, e o desapego que Ele revela nos três Apóstolos que estavam no Tabor. Roguemos-Lhe que introduza estas disposições na nossa alma.

PRIMEIRO PONTO

A Transfiguração faz sobressair em Jesus Cristo uma profunda Humildade

Jesus, revelando a glória a que tem direito a Sua santa humanidade em virtude da Sua união hipostática com o Verbo, faz-nos conhecer com isto mesmo a profunda humildade que o leva a conservar sempre oculto tão magnifico privilegio. É a unica vez, durante toda a Sua vida, que deixa escapar alguns vislumbres da Sua glória; e ainda assim, se o faz, não é senão para fortalecer a fé e sustentar o ânimo dos Seus escolhidos no meio das perseguições que os esperavam, não é senão na presença de três Apóstolos, em um lugar retirado e solitário, para não deixar ver mais que o que era necessário para Lhe poder atrair honra e louvor; não é senão por alguns instantes, e logo depois retoma o Seu estado pobre, humilde, obscuro; não é finalmente senão recomendando aos Seus três Apóstolos que guardem segredo, que não digam a pessoa alguma o que tinham visto, e que lhe deixem toda a sua obscuridade (1). Ó admirável humildade!

A Sua Transfiguração dá testemunho que Ele dispõe de riquezas, em comparação das quais o ouro e as pedras preciosas nada valem; e todavia Ele tem vida mais pobre: as raposas têm covas e as aves do céu um ninho, e Ele não tem onde reclinar a Sua cabeça.

A Sua Transfiguração dá testemunho que Ele é grande além de todo o pensamento; que Moisés e os profetas não são senão os Seus servos e os Seus enviados; e, não obstante isto, esconde-Se nos exteriores mais humildes, oculta aos olhos do mundo tudo o que é glorioso, e se mais tarde escolhe Jerusalém como o mais elevado teatro em que possa mostrar-Se, será para sofrer ali no grande dia o opróbrio e a confusão.

A Sua Transfiguração dá testemunho de que possui em si todas as delícias do céu; e todavia entregará a Sua alma às angústias, e o Seu corpo ao sofrimento, à fome, à sede, ao trabalho, à fadiga, às dores, à morte. Que lições de virtude! Prostremo-nos, adoremos, amemos e imitemos. Não busquemos mais mostrar-nos pelo lado que nos dá honra, e encobrir o que nos humilha.

SEGUNDO PONTO

A Transfiguração faz sobressair nos Apóstolos um Desapego Universal

Os Apóstolos estão tão encantados das belezas que descobrem em Jesus, que nada mais desejam cá na terra. Senhor, exclamam eles, bom é que nós estejamos aqui; conVosco só possui-se tudo, e o coração nada mais tem a desejar. Nós temos no mundo parentes, amigos, conhecimentos, milhares de coisas a que somos afeiçoados; mas, Senhor, em Vós só achamos tudo; por Vós só consentimos de boa vontade em abandonar tudo; julgamo-nos bastantemente ricos possuindo-Vos, bastantemente felizes se estais conosco, bastantemente honrados se estamos na Vossa companhia: estejamos aqui (2). É assim que uma alma que gostou Jesus, que estudou as Suas perfeições e os Seus atrativos, se desapega de todas as coisas criadas (3), diz Santo Ambrósio. Nem a enleva a prosperidade, nem a abate a adversidade; louvem-a ou censurem-a, honrem-a ou desprezem-a, esteja na abundância ou na miséria, pouco lhe importa. Jesus é para ela tudo (4). Como os Apóstolos no Tabor, ela não vê senão tão somente Jesus (5), não pensa senão em agradar a Jesus, não ambiciona senão o amor de Jesus, tudo o mais nenhum valor tem para ela. E para que, diz ela consigo, afeiçoar-me durante a vida ao que a morte mo há de tirar? Para que amar no tempo o que de nada me valerá na eternidade?

É deste modo que o nosso coração está desapegado de tudo o que passa e fixado em Jesus, que não passa?

Resoluções e ramalhete espiritual como acima

Referências:

(1) Nemini dixeritis visionem donec Filius hominis a mortuis resurgat (Mt 18, 9)

(2) Domine, bonum est nos hic esse

(3) Illi pro omnibus divitiis Christus abundant (Santo Ambrósio)

(4) Omnia… Christus

(5) Neminem viderunt, nisi solum Jesum (Mt 12, 8)

Voltar para o Índice das Meditações Diárias de Mons. Hamon

(HAMON, Monsenhor André Jean Marie. Meditações para todos os dias do ano: Para uso dos Sacerdotes, Religiosos e dos Fiéis. Livraria Chardron, de Lélo & Irmão – Porto, 1904, Tomo II, p. 131-134)