Meditação para o dia de São João Evangelista

Meditação para a Festa de São João, Evangelista

SUMARIO

Na nossa próxima oração, aprenderemos de São João:

1.° A amar a Jesus Cristo;

2.° A amar ao próximo;

3.° A amar especialmente a Santíssima Virgem:

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De praticar todas as nossas obras por amor de Deus;

2.° De amar ao próximo com esse amor generoso, que sabe suportar e perdoar;

3.° De avivar o nosso amor para com a Santíssima Virgem.

O nosso ramalhete espiritual será o título, que São João a si próprio deu:

“Era o discípulo a quem Jesus amava” – Discipulus quem deligebat Jesus (Jo 13, 23)

Meditação para o Dia

Adoremos Jesus Cristo amando a São João com um amor de predileção, e em compensação, amado por São João com um incomparável afeto. Honremos também Maria como Mãe adotiva de São João; e felicitemos este ditoso discípulo por ter tido tão ternas e íntimas relações com Jesus e Maria.

PRIMEIRO PONTO

São João ensina-nos a Amar a Jesus Cristo

1.° Oferece-nos em toda a sua vida um dos mais belos modelos deste amor. Se escreve o seu Evangelho, sentimos, ao lê-lo, que é o amor que guiou a sua pena; cada página não respira senão amor. Se escreve as suas Epístolas, a própria caridade, parece havê-las ditado; elas podem todas reduzir-se a três palavras: amemos a Deus, amemos a Jesus, amemos ao próximo. Se compõe o seu Apocalipse, o amor ali trasborda de todas as partes e inspira até a sua última linha, que é um suspiro de amor:

“Vinde, Senhor Jesus” – Veni, Domine Jesu (Ap 22, 20)

Os seus atos como os seus escritos não são senão inspirações do seu amor. Deste amor procedem, dentro da sua bela alma, a inocência da vida e a simplicidade dos costumes; fora, a candura e a modéstia; dentro, uma pureza virginal, que faz as delícias de Jesus, o amigo das Virgens, o rei das Virgens; fora, peregrinações evangélicas, primeiramente através das cidades de Israel e dos campos de Samaria, em seguida, depois do Pentecostes, através da Ásia, onde funda Igrejas, consagra bispos, combate os hereges; e quando a velhice o impede de andar, faz-se transportar à igreja para pregar o amor e dizer aos fiéis:

“Meus filhinhos, amai-vos uns aos outros” – Filioli, diligite alterutrum

O seu amor, superior a todo o receio, havia-o conduzido na noite da Paixão, ao meio de um povo enfurecido para ali buscar o seu bem amado, o no mesmo dia da Paixão, ao pé da cruz para ali servir de consolação a Jesus, se não pudesse servir-Lhe de defesa: mas depois da morte de Jesus, o amor lhe faz afrontar o desterro e o martírio, o azeite a ferver e o furor dos tiranos. Pode haver um amor mais intenso? Ah! Que é o nosso em comparação? Despertemos, e excitemo-nos a amar ao extremoso Jesus.

2.º São João faz sobressair na sua vida os grandes bens que o amor obtém à alma que ama. Vê-se nisto que quem ama a Jesus, está certo de ser por Ele amado na mesma proporção. Porque São João amou muito, Jesus dispensa-lhe mais favores do que a todos os outros juntos; fá-lo ao mesmo tempo apóstolo, evangelista, bispo, doutor, mártir, confessor, virgem, patriarca e fundador das Igrejas da Ásia; na ceia, recebe-o sobre o Seu coração, cumula-o de santidade e de luzes; eleva a sua vista até ao seio do Pai para ali contemplar a geração do Verbo, ali copiar o seu Evangelho, ali ler no futuro os triunfos da Igreja e as suas provações, a queda da idolatria e os acontecimentos dos últimos tempos. Oh! Quão bom é amar a Jesus, e quão magnificamente Ele recompensa os que amam! Ó alma minha, abre-te ao amor de Jesus, e não vivas senão para O amar!

SEGUNDO PONTO

São João ensina-nos a Amar ao Próximo

Os outros evangelistas não fizeram mais do que indicar o preceito de caridade; a São João foi concedido expô-lo em toda a sua beleza. É ele que nos ensina que a caridade evangélica é um mandamento verdadeiramente novo pela perfeição, a que ela deve elevar-se (1); que é o distintivo do cristão (2); que ela deve tomar por modelo o mesmo amor de Jesus Cristo para com os homens, a ponto de perdoar as injúrias, e não opôr senão amor à ingratidão ou à frieza (3); que deve até tomar o seu modelo mais alto, na união das três pessoas divinas entre si (4). Tal é a sublime doutrina que ele prega toda a sua vida; e quando a sua avançada idade lhe não permite já longos discursos, sabe ainda repetir à assembléia dos fiéis:

Filhinhos meus, amemo-nos uns aos outros

Mas porque nos repetis sempre as mesmas palavras? Lhe perguntam. É, responde ele, porque é este o preceito do Senhor; e se o observam, basta (5). É deste modo que nós entendemos a caridade?

TERCEIRO PONTO

João ensina-nos a Amar a Santíssima Virgem

Com efeito, ele amou-a como Mãe de Jesus: este título bastava ao discípulo, a quem Jesus amava; mas além disto amou-a como sua própria Mãe, legada ao seu amor por Jesus agonizante. Meu filho, eis aqui a tua mãe (6), lhe tinha dito este divino Salvador. E por este duplo título, teve para com ela tudo o que a natureza põe de mais terno no coração de um filho, e tudo o que a graça, de quem possuía esta filiação, pode juntar à natureza. Ele era o seu anjo tutelar, o seu consolador, o seu amparo, o seu refugio. Depois da morte do Salvador, recebeu em sua casa essa aflita viúva, essa mãe amargurada; prodigalizou-lhe os seus serviços e a sua ternura, e enquanto ela viveu, proveu a todas as suas necessidades. Oh! Quantos benefícios provieram a São João destes bons ofícios para com Maria! Que grande proveito não tirou para a sua alma desses santos exemplos de piedade, de humildade, de mansidão, de modéstia, de caridade, que tinha constantemente diante dos olhos; dessas celestiais conversações com a Mãe de um Deus, desses bons conselhos, dessas tocantes exortações que dela recebia, e principalmente das orações com que atraía as bênçãos do céu sobre ele e sobre todos os seus trabalhos apostólicos! Oh! Quão bom é amar a Maria, ser-lhe inteiramente devotado, e quantas graças são anexas a esta devoção! Compreendemo-lo nós bem, e com este intuito, buscamos crescer todos os dias no amor de Maria?

Resoluções e ramalhete espiritual como acima

Referências:

(1) Mandatum novum (Jo 13, 34)

(2) In hoc cognoscent omnes quia discipuli mei estis (Jo 13, 35)

(3) Diligatis invicem sicut dilexi vos (Jo 13, 34)

(4) Sint unum, sicut et nos unum sumus (Jo 17, 22)

(5) Praeceptum Domini est, et si solum fiat, sufficit (São Jerônimo, in Epist. ad Galatas)

(6) Ecce mater tua (Jo 19, 27)

Voltar para o Índice do Tomo I das Meditações Diárias de Mons. Hamon

(HAMON, Monsenhor André Jean Marie. Meditações para todos os dias do ano: Para uso dos Sacerdotes, Religiosos e dos Fiéis. Livraria Chardron, de Lélo & Irmão – Porto, 1904, Tomo I, p. 125-129)