Calicem quidem meum bibetis — “Haveis de beber o meu cálice” (Mt 20, 23)

Sumário. Não bastou ao discípulo predileto o ter sofrido no Gólgota um martírio interior. Para plena realização da profecia de Jesus Cristo, que havia de beber o cálice da sua Paixão, foi necessário que padecesse também um martírio exterior, tal como de fato o sofreu quando foi lançado em uma caldeira cheia de azeite a ferver. Deus, porém, preservou-o milagrosamente, e deu a São João a glória do martírio, sem que se lhe abreviasse a vida. Regozijemo-nos com o santo e peçamos que nos alcance a graça de imitarmos as suas virtudes, especialmente o seu amor para com Deus e para com o próximo.

I. São João protestou a Jesus Cristo que poderia beber o cálice de sua Paixão e foi-lhe respondido que a seu tempo o havia de beber: Calicem quidem meum bibetis (1)— “Haveis de beber o meu cálice”. Esta predição do Senhor não tardou a ser realizada; porquanto o santo apóstolo, avantajando-se aos outros, acompanhou o seu amado Mestre até o Calvário, onde partilhou de todos os insultos, injúrias e padecimentos de Jesus.

Não se contentou, porém, o discípulo predileto de sofrer aquele martírio no coração. Para que se realizasse ao pé da letra, necessário era que padecesse também um martírio exterior. Com efeito, começou a sofrê-lo, quando, como refere São Lucas, foi, juntamente com os outros apóstolos, açoitado em Jerusalém, por ordem do príncipe dos sacerdotes. Ele saiu da presença do Conselho verdadeiramente contente de ter sido achado digno de sofrer afrontas pelo nome de Jesus (2).

Na perseguição ordenada depois pelo imperador Domiciano, São João foi preso na cidade de Éfeso, onde se achava, foi levado a Roma entre sofrimentos indizíveis. Ali foi primeiro encarcerado e barbaramente flagelado; em seguida foi condenado a ser lançado numa caldeira cheia de azeite a ferver, e afinal obrigaram-no a tomar uma taça de veneno mortífero. Procuremos entrar nos sentimentos do coração do santo e reflitamos na alegria que devia experimentar ao ouvir a sentença de condenação e ao ver-se tão perto de dar a vida por Jesus Cristo.
Ó! Como ele praticou perfeitamente o que tinha ensinado dizendo: Non diligamus verbo, neque lingua, sed opere et veritate (3) — “Não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade”. Nós, ao contrário, temos o amor de Deus sobre a língua, mas no coração o amor desordenado às criaturas e a nós mesmos. Excite-nos, ao menos, o exemplo de São João a que nos emendemos.

II. Jesus Cristo, que sempre tinha distinguido o seu discípulo amado com favores especiais, quis também dar-lhe nova prerrogativa no seu martírio. Deu-lhe a glória do martírio, ao mesmo tempo que tirava aos homens o poder de abreviar uma vida tão preciosa e tão necessária à Igreja nascente. Por isso, lançado que foi São João na caldeira, o fogo perdeu sua força sobre ele; queimou, porém, os ministros que o atiçavam.

Assim também, quando o santo fez o sinal da cruz sobre a taça que continha o veneno, este se tornou inofensivo, segundo a promessa do Senhor: Si mortiferum quid biberint, non eis nocebit (4) — “Se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará mal”. Pelo que o imperador envergonhado e estupefato, o desterrou para a ilha de Patmos, onde Deus lhe revelou todas as vicissitudes futuras da Igreja, referidas no Apocalipse.

De volta a Éfeso, São João escreveu o seu Evangelho, e dirigiu os povos por ele convertidos, edificando-os com os exemplos de todas as virtudes e em particular da caridade cristã. Narra São Jerônimo que estando o Apóstolo já acabado pelos trabalhos e pela idade, e não podendo fazer mais pregações prolongadas, não deixava de dizer a seus discípulos: Meus filhos, amai-vos uns aos outros; amai-vos uns aos outros. Perguntado porquê sempre repetia a mesma coisa, deu esta resposta, digna do Apóstolo do amor: “Este é o preceito do Senhor, e quem o observa, faz quanto basta”.

Ó santo Apóstolo e meu poderoso Protetor, regozijo-me convosco pelo belo título de Mártir, que vos compete como aos outros apóstolos. Dou graças ao Senhor, e peço-vos que me alcanceis a graça de sempre vos imitar, especialmente em vosso amor a Deus e ao próximo. “Ó Pai Eterno, Vós que vedes que os nossos males nos apertam por toda a parte; fazei com que sejamos protegidos pela gloriosa intercessão de vosso bem-aventurado apóstolo e evangelista São João” (5). Fazei-o pelo amor de Jesus Cristo e pela intercessão de Maria Santíssima.

Referências:
(1) Mt 20, 23.
(2) At 5, 40.
(3) 1 Jo 3, 18.
(4) Mc 16, 18.
(5) Or. festi.

Voltar para o Índice de Meditações

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo II: Desde o Domingo da Páscoa até a Undécima semana depois de Pentecostes inclusive. Friburgo: Herder & Cia, 1921, p. 330-333)