Soberba

16º Domingo depois de Pentecostes

Ecce homo quidam hydropicus erat ante illum – “Eis que diante dele estava um hidrópico” (Lc 7, 12)

Sumário. O hidrópico, de quem fala o Evangelho, é figura de um cristão que se deixa dominar por uma paixão qualquer e particularmente pelo desejo das honras. Com efeito, o soberbo nunca acha a paz, porque nunca se vê tratado conforme o vão conceito que faz de si mesmo. Se por desgraça nos achamos infectados desta hidropisia espiritual, representemo-nos Nosso Senhor, e contemplemo-Lo reduzido como foi por nosso amor a ser o último dos homens; e envergonhados da nossa ambição, digamos-lhe: Ó Jesus manso e humilde de Coração, fazei o meu coração semelhante ao vosso.

I. Refere São Lucas que “entrando Jesus num Sábado em casa de um dos principais fariseus, a tomar a sua refeição, eles O estavam ali observando. E eis que diante d’Ele estava um homem hidrópico. E Jesus dirigindo-se aos doutores da lei e aos fariseus, disse-lhes: É permitido fazer cura aos Sábados? Mas eles ficaram calados. Então Jesus, tomando a si o homem, o curou e o mandou embora – Sanavit eum, ac dimisit.”

Sob a figura daquele pobre hidrópico, os santos intérpretes veem a imagem do homem que se deixa dominar por uma paixão qualquer e particularmente pelo orgulho e pelo desejo imoderado das honras e das grandezas. E com razão; pois, assim como o doente de hidropisia é devorado por tamanha sede, que, quanto mais bebe, tanto mais fica assedentado; assim o soberbo nunca tem paz, porque nunca chega a ver-se tratado conforme o vão conceito que forma de si próprio. Até entre as mesmas honras não está contente, porque sempre tem os olhos fitos nos que são mais honrados. – Sempre faltará ao orgulhoso ao menos alguma honra ambicionada, e esta falta atormentá-lo-á mais do que o consolam todas as outras dignidades obtidas. Quanto não era honrado Aman no palácio de Assuero, assentando-se até à mesa do rei! Mas porque Mardocheo não o quis saudar, disse que se julgava infeliz (1).

Meu irmão, examina a tua consciência, e, se achares que, no passado, também tu andaste atrás do vapor das honras vãs, para remédio desta tua enfermidade espiritual, imita o hidrópico do Evangelho e põe-te logo na presença do Senhor. Contempla como Jesus, posto que fosse o filho de Deus, por teu amor se aniquilou, tomando a forma de servo (2), quis por teu amor fazer-se o último dos homens, o mais desprezado e ultrajado (3). E envergonhado da tua ambição, dize-Lhe com amor: † Ó Jesus, manso e humilde de Coração, fazei o meu coração semelhante ao vosso.

II. Escreve São Jerônimo que a glória verdadeira é semelhante à sombra, que segue a quem dela foge, e foge de quem a quer prender: Appetitores suos deserens, appetit contemptores. É isto exatamente o que Jesus Cristo quis ensinar no Evangelho de hoje, quando, depois de curar o hidrópico, e observando que os fariseus escolhiam os primeiros lugares à mesa, lhes disse esta parábola: “Quando fores convidado a algumas bodas, não te assentes no primeiro lugar;… mais vai tomar o último lugar; para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, sobe para cima. Então te servirá isto de glória na presença de todos os convidados: porque todo o que se exalta será humilhado, e todo o que se humilha será exaltado – Omnis qui se exaltat humiliabitur, et qui se humiliat exaltabitur.

Humílimo Jesus, como é que em mim há tanto orgulho depois de tantos pecados? Vejo que as minhas faltas, sobre me fazerem tão ingrato para convosco, fizeram-me ainda orgulhoso. Ne proicias me a facie tua (4) – “Não me rejeiteis de diante de vossa presença, conforme merecia”. Tende piedade de mim e fazei-me conhecer o que sou e o que mereço. Em vez de obter honras e dignidades, mereceria estar no inferno, onde já estão ardendo tantos outros por menos pecados do que foram os meus. Vós, porém, ó meu Jesus, me ofereceis o perdão, se eu o desejo. Sim, desejo-o. Meu Redentor, perdoai-me, já que de todo o coração detesto as minhas ambições e orgulho, que não somente me fizeram desprezar o próximo, mas também a Vós, meu soberano Bem.

Dir-vos-ei com Santa Catarina de Gênova: Meu Deus, nada mais de pecado, nada mais de pecado! Já basta de ofensas, não quero mais abusar de vossa paciência. De hoje em diante quero amar-Vos de todo coração e, para Vos agradar, quero abraçar com humildade todos os desprezos que me sejam feitos. Já prevejo que o inferno aumentará tanto mais tentações, quanto mais me vir desejoso de ser todo vosso. Vós, porém, meu Senhor, ajudai-me a ser-Vos fiel. “Fazei com que a vossa graça me previna sempre, me acompanhe e me afervore na continua prática das boas obras.”

† Doce Coração de Maria, sede minha salvação.

Referências:

(1) Est 5, 13
(2) Fl 2, 7
(3) Is 53, 3
(4) Sl 50, 13

Voltar para o Índice de Meditações de Santo Afonso

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo III: Desde a Décima Segunda Semana depois de Pentecostes até o fim do ano eclesiástico. Friburgo: Herder & Cia, 1922, p. 95-97)