Pro anima tua ne confundaris dicere verum —“Não te envergonhes de falar a verdade, quando se trata da tua alma” (Eclo 4, 24)

Sumário. O demônio, depois de obcecar tantas pobres ovelhas de Jesus Cristo, induzindo-as a pecar, faz como o lobo; apanha-as pelo pescoço, a fim de que não gritem por socorro, confessando-se sinceramente. E deste modo fazendo que cometam novo pecado, de ordinário mais grave que o primeiro, como é o sacrilégio, leva-as com segurança ao inferno. Oxalá que aquelas almas desgraçadas compreendessem o grande mal que causam a si mesmas, e o grande bem de que se privam pela maldita vergonha na confissão!

I. Diz Santo Agostinho que o lobo, para que a ovelha lhe não escape, a apanha pelo pescoço, de modo que não possa gritar por auxílio balando, e assim a leva com segurança, e a devora. O mesmo pratica o demônio com tantas infelizes ovelhas de Jesus Cristo. Depois de obcecá-las, para que não vejam o mal que cometem ofendendo a Deus, apanha-as pelo pescoço, para que não se confessem. Deste modo fá-las cometer um pecado, de ordinário mais grave que o primeiro, como é o sacrilégio, e assim conduz a presa com segurança ao inferno. Oxalá que aqueles pecadores desgraçados compreendessem o grande mal que causam a si mesmos, e o grande bem de que se privam pela maldita vergonha!

Nos tribunais da terra se diz que o que confessa é condenado; mas no tribunal de Jesus Cristo acontece o contrário: o que confessa é que obtém o perdão. Mais, para quem cometeu um pecado grave, não há outro remédio de salvação, senão a confissão do pecado. Ou confissão, ou condenação! Não basta que se arrependa de coração; não basta que vá ao deserto e pratique a penitência mais sincera: Ou confissão, ou condenação!

Que esperança de salvação pode ter aquele que vai confessar-se, e, calando o pecado, se serve da confissão para mais ofender a Deus, e constituir-se mais escravo do demônio? Que dirias do enfermo que tomasse uma taça de veneno, em vez do remédio que o médico lhe tinha ordenado? Ó céus! Que é a confissão para um pecador que cala os pecados, senão uma taça de veneno, que lhe agrava a consciência com a malícia do sacrilégio?

Quando o confessor absolve o penitente, ministra-lhe o Sangue de Jesus Cristo, visto que o absolve pelos merecimentos deste Sangue. Mas o que cala os pecados, calca aos pés o Sangue de Jesus, e, se além disso recebe a comunhão, atira em certo modo, como diz São João Crisóstomo, a hóstia consagrada aos esgotos. Daí provêm que tais sacrílegos já nesta terra sofrem um inferno antecipado; como se carregassem com tantas víboras, quantos são os sacrilégios que cometem.

Se ao menos os criminosos de tão nefandos excessos pudessem consolar-se com o pensamento: Ninguém conhecerá jamais o meu pecado. Não, porque o mesmo pecado que agora eles se recusam a confessar em segredo a um só homem, que tem compaixão e nunca dele poderá falar, a fé nos diz que, para maior confusão deles, o Senhor o manifestará no dia do juízo em presença dos anjos e de todos os homens. Revelabo pudenda tua in facie (1) — “Descobrirei tuas infâmias diante de tua própria face”.

II. Ânimo, pois, meu irmão; se porventura tivesses cometido o erro de calar pecados por vergonha, escuta o que te aconselha Santo Ambrósio: O demônio tem preparado o processo de todos os teus pecados, para deles te acusar no tribunal de Deus. Queres fugir a esta acusação? Toma a dianteira a teu acusador, diz o santo, acusa-te tu mesmo a um confessor: Praeveni accusatorem tuum. Basta que lhe digas:

“Meu pai, tenho um escrúpulo sobre a vida passada, mas tenho vergonha de o dizer”

Basta que digas isso, porque será dever do confessor tirar-te do coração a serpente que te rói a consciência.

Ânimo pois: “Pelo amor de tua alma, não te envergonhes de dizer a verdade; há vergonha que conduz ao pecado; e há vergonha que traz consigo glória e graça” — Pro anima tua ne confundaris dicere verum (2). Vai prontamente, ovelha perdida, Jesus Cristo te espera; tem os braços abertos para te perdoar e te abraçar, desde o momento em que confesses o teu pecado. Asseguro-te que depois de uma confissão completa, sentirás uma alegria tão grande, por teres limpado a tua consciência e recuperado a graça de Deus, que sempre bendirás a hora em que fizeste uma boa confissão.

Apressa-te, pois, a procurar teu confessor, e não dês mais tempo ao demônio, para de novo te tentar; apressa-te, porque Jesus Cristo te está esperando. Qual bom pastor, deixa de novo as outras noventa e nove ovelhas, procura-te com ânsia e suspira pelo momento em que sobre os ombros te possa reconduzir ao aprisco e dizer aos anjos e santos do céu:

“Congratulai-vos comigo, porque achei a minha ovelha desgarrada” (3)

Ó Eterno Pai, fortalecei tantos pobres pecadores para vencerem o respeito humano e fazerem confissão sincera de todos os seus pecados. Vós também, ó grande Mãe de Deus, e Refúgio dos pecadores, ajudai-os.

Referências:
(1) Na 3, 5.
(2) Eclo 4, 24.
(3) Lc 15, 6.

Voltar para o Índice de Meditações

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo I: Desde o primeiro Domingo do Advento até a Semana Santa inclusive. Friburgo: Herder & Cia, 1921, p. 503-506)