Meditação para o Dia 03 de Julho

“Há duas maneiras de sofrer – dizia o santo Cura d’Ars: sofrer amando e sofrer sem amar. Uns sofrem como o Bom Ladrão; outros, como o mau. Ambos sofreram pena igual, mas só um tornou meritório o seu sofrimento”

Sem Deus não é possível a um pobre e fraco mortal o peso de tantos sofrimentos! Do berço ao túmulo, é nossa vida um gemido entrecortado de uns poucos sorrisos. Sofrer, sempre sofrer, é o destino de todo mortal. Mas é mister aproveitar o sofrimento. Soframos bem, já que não é possível evitar as cruzes. E o amor, só o amor nos pode consolar e aliviar o coração. Não sejamos quais mercenários que trabalham com má vontade e a se queixarem. Trabalhemos e soframos alegremente.

“No serviço de Deus – dizia São Francisco de Sales – devem-se considerar mais os advérbios do que os verbos. Não está o nosso mérito em servir a Deus ou sofrer, mas em servi-lo BEM e sofrer BEM”

E, para bem servir a Deus e bem sofrer, é preciso amar. O amor ajuda a sofrer e o sofrimento ajuda o amor. Um não vive sem o outro. Sofrer bem ajuda a bem amar. E quanto mais se ama ainda mais se sofre. Há, porém, uma diferença entre sofrer amando e sofrer sem amar: quem sofre amando, sofre em paz e, quem sofre sem amar, sofre em desespero. Pode-se dizer com Santo Agostinho:

Si amatur non laboratur, aut si laboratur, labor amatur – “Quem ama não sofre e, se sofre, ama o sofrimento”

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 202)