Meditação para o Dia 30 de Outubro

O filho serve ao pai como filho e não como escravo, sem temer o castigo nem esperar recompensa. Quer agradar ao pai e dar-lhe prova de amor filial. Amor por amor! Para o coração verdadeiramente amante, a única recompensa para o amoré o próprio amor. É com afeto filial que devemos servir a Deus. Para nos provar que esse dom de piedade filial nos é dado pelo Divino Espírito Santo, diz São Paulo na epístola aos Romanos:

“Não recebemos o espírito de temor e de escravidão, mas o de adoção de filhos de Deus, em virtude de que O chamamos de Pai”

Como é doce chamar a Deus de Pai e servi-Lo como filho! É necessário pregar o amor às almas tímidas, demasiadamente assustadas com os rigores da Justiça Divina. Um filho só deve ter o receio, principalmente se é pequenino e fraco, de se afastar dos braços paternos… Façamos como as criancinhas que, sempre confiantes e abandonadas nos braços dos pais, não têm outra preocupação senão a de amá-los. Assim nos aconselha São Francisco de Sales; e a admirável missionária do Amor Misericordioso, Santa Teresinha, mostrando-nos o Evangelho, convida-nos a fazermo-nos criancinhas e entregarmo-nos ao amor, num abandono filial. Oh! Sirvamos a Deus como filhos. Há tão poucas almas que O servem por amor!

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 325)