Meditação para o Dia 21 de Julho

Em diversas passagens da Escritura, o Espírito Santo compara o homem à obrado oleiro. Não nos formou Deus do barro? O oleiro torneia os vasos e os destina ao uso que lhe apraz. Ora o endurece no fogo, ora o prepara de mil formas, quebra-o até. E nunca o vaso diz ao oleiro:

“Não estou contente. Por que me faz assim?”

“Levanta-te – diz o Senhor ao profeta Jeremias – e desce à casa do oleiro”

Nesse momento o artista torneava um de seus vasos. De repente quebra o que estava preparando com argila. Não o achou a seu gosto. Então disse o Senhor a Jeremias:

“Ó casa de Israel, não poderia eu fazer de vós o que o oleiro faz com seu vaso? Não estais na Minha Mão como o barro na mão do oleiro?”

Sim, estamos nas Mãos de Deus como o barro na mão do oleiro. Deixemos que o Divino Artista faça de nós o que quiser. Cumpra-se a Sua Santíssima Vontade. O barro não se pode queixar. Passará a pobre argila de nosso corpo, talvez pelo fogo das provações de tantas doenças e o martírio da dor. Seremos quebrados, sofreremos mil golpes e reveses. Deixemos que este barro vil e pecaminoso seja amassado e batido. E não nos queixemos da Divina Providência! O barro por acaso diz ao oleiro:

“Não estou contente? Por que me fazes assim?”

Abandonemo-nos nas Mãos de Deus como a argila nas mãos do oleiro. E Ele, o Divino Artista, fará de nós um belo e rico vaso de eleição!

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 220)