Meditação para o Dia 27 de Novembro

1. O rico avarento e o pobre Lázaro! Que antagonismo! Aquele possuía tudo fartamente; e este, coberto de chagas, desejava matar a fome com as migalhas que caíam da mesa do rico. O mundo aplaude a felicidade do rico e tem a Lázaro por infeliz. Na eternidade, porém, aquele foi sepultado no inferno e este levado pelos anjos no seio de Abraão. E tu?… Não estimas mais o juízo do mundo, que foge da pobreza e de toda cruz, do que o de Deus?

2. a) Que súbita e terrível mudança na eternidade para o rico avarento! Gozava aqui; viu-se privado de tudo ali… Que sorte feliz a do pobre! Aqui sofrendo, lá em gozos sem fim! Os sofrimentos na terra, de fato, não podem ser comparados com o céu.

b) O rico, não podendo ter nem o alívio duma gota d’água, pediu que Lázaro fosse advertir seus irmãos, para que não caíssem também no inferno. Abraão declarou inútil este milagre, porque tinham na terra os profetas, a quem podiam ouvir. De fato, ressuscitado por Jesus um outro Lázaro, os fariseus continuaram obstinados. Tu tens ainda mestres melhores. Por que não os ouves?

Voltar para o Índice de Meditações Diárias do Frei Pedro Sinzig

(Sinzig, Frei Pedro. Breves Meditações para todos os Dias do Ano. 8ª Ed. Editora Vozes, 1944, p. 346)