Meditação para o Dia 28 de Fevereiro

“Sou inútil” – geme alguém no leito de dores, reduzido a uma inação dolorosa. Quer trabalhar, quer lutar como antes, e se vê amarrado, de mãos e pés, num leito, preso à monotonia de um quarto de enfermo. Sou inútil! Que pensamento cruciante, por exemplo, para um coração de apóstolo, sedento de lutar pela salvação das almas, ao contemplar a seara amadurecida e…, sem operários. Ah! Não digamos – sou inútil –, quando é vontade de Deus que soframos. Inútil era, talvez, o nosso trabalho todo, sem vida interior, sem pureza de intenção. Deus não precisa de nós. Somos puros instrumentos nas Suas Mãos Divinas. E o instrumento pode ser robusto ou enfermo, grande ou pequeno. A salvação das almas é Obra Divina. No leito de dores, o apóstolo pode salvar mais almas pela paciência do que pelas mais brilhantes pregações.

“O que glorifica a Deus – diz Santo Afonso – não são as nossas obras, mas a nossa resignação e a conformidade da nossa vontade com a Vontade de Deus”

O apostolado do sofrimento, por ser o mais oculto e penoso, é também o mais eficaz. Escrevia Santa Teresinha a um missionário:

“Meu irmão, Deus quer firmar o Seu Reino nas almas; muito mais pelo sofrimento e a perseguição do que por brilhantes pregações” (1)

Não és inútil na cruz da enfermidade, oh! não, bom apóstolo; estás firmando o Reino de Deus nas almas!

Referências:
(1) “Lettres de Sainte Therèse de L’Enfant jesus à des missionaires” – 6. mer lettre

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 69)