Tag: novo testamento (Page 1 of 2)

O Apocalipse

Lição 1: As circunstâncias de origem

Nos últimos decênios do séc. I vários cristãos atravessavam séria crise de fé. Com efeito; a expectativa da segunda vinda de Cristo para breve ficava de pé, mas achava-se um tanto abalada: em 64 Nero imperador declarou ilícito o nome de cristão, desencadeando então forte perseguição aos discípulos de Cristo; os judeus, por sua vez, hostilizavam-nos; Cristo, porém, não voltava para reconfortar os seus; parecia ter esquecido a sua igreja peregrina na terra. O Imperador Domiciano (81-96) moveu nova perseguição aos cristãos, deportando então São João, bispo de Éfeso, para a ilha de Patmos (cf. 1,9). Nestas circunstâncias, o Apóstolo quis escrever aos fiéis da Ásia Menor um livro de consolação e esperança, que seria o Apocalipse.

Apocalipse (em grego, apokálypsis = revelação) é um gênero literário que se tornou usual entre os judeus após o exílio da Babilônia (587-583 a.C.): versa sobre o fim dos tempos; descreve o juízo de Deus sobre os povos, de modo a punir os maus e premiar os bons. Essa intervenção de Deus é acompanhada de sinais que abalam a natureza (todo apocalipse descreve sempre cenários cósmicos); é freqüente o recurso a símbolos e números simbólicos nesse gênero literário. Continue reading

As Epístolas de Pedro e Judas

Lição 1: A 1Pd

1.1 A pessoa do Pedro

Simão, filho de João (Jo 1,42; 21,15-17; Mt 16,17) era, como seu irmão André, discípulo de João Batista (Jo 1,40s). Foi chamado pelo Senhor, que lhe impôs o nome de Cephas = Pedro (Jo 1,42). Durante toda a vida pública de Jesus, exerceu papel de destaque; cf. Mt 14,28-31; 17,24-27; Jo 6,67-69. A Pedro o Senhor prometeu e outorgou o primado entre os Apóstolos; cf. Mt 16,16-19; Lc 22,31s;Jo 21,15-17.

Após a Ascensão do Senhor, teve atividade primacial na escolha de Matias, no dia de Pentecostes, diante do sinédrio de Jerusalém, na recepção do pagão Cornélio na Igreja (cf. At 1 -5; 8-11; Gl 1,18)…

A tradição refere que Pedro esteve em Roma, onde morreu como bispo local após ter sofrido a crucificação de cabeça para baixo. A sua sepultura foi encontrada na basílica de São Pedro em Roma. Deve ter morrido no ano de 67, em dia incerto para nós. Continue reading

As Epístolas de Tiago e João

São sete as epistolas ditas “católicas” ou “universais”: Tg, 1/2Pd, 1/2/3Jo, Jd. A designação de “católicas” é antiga, pois data do século IV; deve-se ao fato de que tais cartas têm destinação mais universal do que as cartas paulinas: Tg (1,1) se dirige às doze tribos da dispersão; 1 Pd (1,1) se dirige aos fiéis do Ponto, da Galácia, da Capadócia, da Ásia e da Bitínia; 2Pd, 1 Jo e Jd são destinadas aos fiéis da Ásia Menor e a outros cristãos. As 2/3Jo fazem exceção (2Jo 1, à Sra. Eleita; 3Jo 1, a Gaio). Estas duas últimas foram colocadas após 1Jo por causa da identidade do autor.

A ordem de tais epístolas no Cânon data do século IV. É a ordem de prestígio dos Apóstolos no Oriente antigo; Tiago, Céfas e João (cf. Gl 2,9); Jd ficou por último, porque o autor era menos conhecido.

Trataremos destas epístolas em dois Módulos: um abordará Tg, 1/2/3 Jo; o outro, 1Pd, 2Pd e Jd. Continue reading

A Epístola aos Hebreus

Lição 1: O autor de Hb

Até cinqüenta anos atrás era comum dizer-se que Hb é carta de S. Paulo Apóstolo. Em nossos dias, porém, já não se afirma isto, mesmo entre os católicos. Aliás, faz-se oportuno notar que é lícito discutir a autoria de algum escrito bíblico, contanto que não se ponha em dúvida a canonicidade do mesmo ou o seu valor de Palavra de Deus. É o que ocorre com Hb: pergunta-se qual o autor humano dessa carta inspirada pelo Espírito Santo.

1.1. Os dados da tradição

A própria tradição é hesitante sobre a origem paulina da carta. Os escritores orientais a atribuíram a São Paulo; verdade é que Orígenes de Alexandria († 258) admitia que Paulo fora o autor de Hb (isto é, a fonte da doutrina de Hb), mas não o redator; assim tentava explicar as diferenças de estilo existentes entre Hb e as cartas propriamente paulinas. Continue reading

As Epístolas Pastorais

Chamam-se “Pastorais” as epístolas 1/2 Tm e Tt, pois se dirigem a pastores de comunidades, aos quais propõem normas administrativas. O titulo de “Pastorais” data do século XVIII e deve-se ao teólogo protestante Paul Anton (t 1730). Há quem duvide da autoria paulina destas cartas. Daí o primeiro título do nosso estudo.

Lição 1 : Autenticidade

1. Até o começo do séc. XIX admitia-se tranquilamente a autoria paulina das epístolas pastorais. Esta até hoje é afirmada por grande número de autores católicos. Todavia os críticos apontam em contrário os seguintes argumentos:

1) O estilo das Pastorais é regular e harmonioso, contrastando com a impetuosidade e a exuberância das epístolas anteriores. O próprio vocabulário difere: de 848 vocábulos das cartas pastorais, 306 são exclusivos destas cartas no conjunto do epistolário paulino. Continue reading

As Epístolas do Cativeiro (II)

Lição 1: Epístola aos Colossenses

Cl e Ef são duas epístolas afins entre si, pois supõem a mesma problemática e a segunda parece ser a reedição ampliada e retocada da primeira. Estudemos cada qual de per si.

1.1. O fundo de cena geográfico

A cidade de Colossos ficava na Frigia, região montanhosa que, juntamente com Trôade, a Mísia, a Lídia e a Caria, constituía a província da Ásia pro consular. Em 133 a.C. os romanos adquiriram o domínio da região, por onde passava o rio Lico, banhando as cidades de Colossos (distante uns 200 km de Éfeso), Laodicéia e Hierápolis (distante de Colossos 16 e 20 km respectivamente). Colossos era originariamente notável centro comercial, que foi ofuscado por Laodicéia. Continue reading

As Epístolas do Cativeiro (I)

Lição 1: Introdução Geral

1. Chamam-se “epístolas do cativeiro” as cartas a Filemon, aos Colossenses, aos Efésios, aos Filipenses. E com razão, pois cada qual apresenta Paulo prisioneiro: Fm 1.9.10.13; Cl 4,3.10,18; Ef 3,1; 4,1; 6,20; Fl,7.13s.

2. Pergunta-se, porém: em qual cativeiro Paulo escreveu essas cartas?

Contam-se cinco cativeiros na vida de São Paulo: em Filipos (At 16,23-40), em Jerusalém (At 21,31 -23,31), em Cesaréia (At 23,35-26,32), em Roma primeira vez (At 27,1 -28,16), em Roma segunda vez (2Tm 1,8.12.16s; 2,9).

Há quem julgue que Paulo esteve preso também em Éfeso, pois nesta cidade permaneceu três anos (cf. At 20, 31) e sofreu hostilidades (cf. 1Cor 16,8, “adversários numerosos”; 15,32, “luta contra as feras; At 19, 13-40, tumulto dos ourives). Mais: em 2Cor 11,23 Paulo afirma que sofreu várias vezes a prisão; ora os Atos só referem até a data de 2Cor a prisão em Filipos (cf. At 16,23-40); não se deveria, por isto, supor um encarceramento em Éfeso? Em Rm 16,4 é dito que Priscila e Áquila expuseram sua cabeça para salvar a vida de Paulo – o que se supõe tenha ocorrido em Éfeso (cf. At 19, 23s). Continue reading

A Epístola aos Romanos

Lição 1: O fundo de cena de Rm

Já à primeira leitura, Rm apresenta índole diversa da de outros escritos paulinos. Em parte, isto se deve ao fato de que se dirigia a uma comunidade não fundada por S. Paulo. Quais as origens da comunidade cristã em Roma?

Havia em Roma uma colônia judaica formada por prisioneiros judeus levados para Roma pelo general Pompeu em 63 a. C. Muitos destes conseguiram a liberdade e fixaram residência em Roma. É de crer que, por ocasião do primeiro Pentecostes cristão, muitos judeus de Roma se achavam na Cidade Santa. Convertidos ao Evangelho, regressaram a Roma, onde deram origem a um núcleo de cristãos provenientes do judaísmo. Continue reading

A Primeira Epístola aos Coríntios

Lição 1: Fundo de cena

Corinto ficava na Acaia, num istmo entre dois golfos – o Sarônico, com seu porto de Cêncreas no mar Egeu, e o Coríntio, com o porto de Lequem no mar Adriático. Esta posição geográfica assegurava a Corinto prosperidade material crescente, pois para lá afluíam viajantes, com suas mercadorias e seus sistemas de vida, provenientes de diversas partes do mundo. Em 27 a. C., César Augusto fez de Corinto a capital da província romana da Acaia (Grécia Meridional).

Os cultos pagãos praticados na cidade concorriam, juntamente com a riqueza e o bem-estar, para promover a devassidão moral. Das numerosas divindades cultuadas em Corinto, a que mais em voga se achava, era Venus ou Afrodite, em cujo templo se abrigavam mais de mil mulheres prostituídas; as festas desta deusa, cognominadas Pandemos (de todo o povo), provocavam a massa da população à luxúria mais grosseira. Continue reading

Os Atos dos Apóstolos

Lição 1: Conteúdo dos Atos dos Apóstolos

O livro dos Atos refere a história da Igreja, que nasceu em Jerusalém e se propagou até Roma, ilustrando de certo modo as palavras do Senhor em At 1,8:

“O Espírito Santo descerá sobre vós e dele recebereis força. Sereis então minhas testemunhas em Jerusalém e Samaria, e até os confins da terra”.

Com outras palavras: tem-se a história da igreja que passa dos judeus para os gentios, sob o impulso do Espírito Santo. Por isto Teofilacto († após 1078) dizia:

“Os Evangelhos apresentam os feitos do Filho, ao passo que os Atos descrevem os feitos do Espírito Santo”.

Na verdade os Atos registram com freqüência a ação propulsora do Espírito: 2,4; 4,8.31; 6,3; 7,55; 8,29; 13,2.4.52; 15,28; 16,6… Continue reading

« Older posts

© 2021 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑