Tag: crucificação (Page 1 of 2)

Calvário

Calvário, Tesouros de Cornélio à Lápide

Segundo São Jerônimo, Adão foi sepultado no Calvário, no mesmo lugar em que foi crucificado Jesus Cristo. Deste fato, fazem derivar o nome do Calvário que tem a montanha da crucificação, nome devido a cabeça de Adão ali enterrada. Costumam dar essa mesma razão para explicar o costume dos pintores de colocar uma cabeça ao pé da cruz de Jesus Cristo[1].

Orígenes, Epifânio, Santo Atanásio, São Cipriano, Santo Ambrósio etc. participam também da opinião que Adão foi sepultado no Calvário. Continue reading

Do último fruto da última palavra

Capítulo 36: Do último fruto da última palavra
Resta o último fruto, que se colhe da consideração, da obediência, manifestada nas ultimas palavras e mesmo na morte de Cristo, pois o que o Apóstolo diz:

“Humilhou-se até morte, e morte de Cruz” (Fl 2)

Cumpriu-se principalmente, quando o Senhor, proferidas aquelas palavras

“Meu Pai, nas Tuas mãos entrego o meu espírito”

Imediatamente expirou. Será, porém conveniente ir buscar mais no seu começo o que pode e deve dizer-se da obediência de Cristo, para colhermos um fruto preciosíssimo da árvore da Santa Cruz, pois Cristo, Mestre e Senhor de todas as virtudes, prestou a seu Pai uma obediência tal, que não pode mesmo imaginar-se outra maior.

Continue reading

Do quarto fruto da última palavra

Capítulo 35: Do quarto fruto da última palavra
Segue-se o quarto fruto, que se pode colher da felicíssima atenção com que foi ouvida a oração do Senhor, para que nós, animados com tão lisonjeiro resultado, mais nos inflamemos em Lhe encomendarmos o nosso espírito, pois com toda a verdade o Apóstolo deixou escrito (Hb 5) que Nosso Senhor Jesus Cristo fôra atendido pela Sua reverência. Tinha o Senhor pedido a seu Pai, como acima demonstramos que não fosse demorada a ressurreição do Seu corpo, foi ouvida aquela oração, para que a ressurreição se não demorasse mais tempo do que o preciso para se acreditar, que sem dúvida o corpo do Senhor morrera, pois se não pudesse provar-se que assim fôra, a Sua ressurreição, e a fé cristã ficava sem base. Continue reading

Do terceiro fruto da sétima palavra

Capítulo 34: Do terceiro fruto da sétima palavra
O terceiro fruto consiste em aprendermos que na proximidade da morte não se deve confiar muito nas esmolas, jejuns e orações dos parentes e amigos, são muitos os que passaram a vida esquecidos da sua alma, não tratando de mais nada senão de deixarem ricos, quanto possa ser os filhos ou netos; e, quando estão para morrer, começam então a importar-se dela; e porque repartiram a sua casa por aqueles seus descendentes, lhes recomendam a sua alma, para que eles a sufraguem com esmolas, orações, missas, e outras, boas obras. Não nos deu Cristo este exemplo, pois não encomendou o seu espírito a seus parentes, mas a seu Pai, nem é isto o que nos ensina São Pedro, que nos diz, encomendemos as nossas almas por meio de boas obras ao nosso fiel Criador (1Pd 4).

Não repreendo os que determinam, pedem, ou desejam, que, por suas almas se deem esmolas, ou digam missas, repreendo, porém em primeiro lugar os que confiam demasiadamente nos sufrágios dos filhos ou dos netos, quando a prática está mostrando que eles facilmente se esquecem dos seus maiores, depois que estes são falecidos. Continue reading

Do segundo fruto da sétima palavra

Capítulo 33: Do segundo fruto da sétima palavra
Será segundo fruto, e utilíssimo, aprendermos a dizer frequente vezes a oração que Cristo, nosso Mestre, nos ensinou, quando, estando a ir para Seu Pai, disse:

“Nas tuas mãos entrego o meu espírito”

Mas porque Ele se não via na mesma necessidade em que nós nos vemos, porque era Filho e Santo, e nós somos servos e pecadores; por isso a Igreja, nossa Mãe e Mestra, nos ensina a dizermos repetidas vezes a mesma oração, porém inteira, como está no Salmo de Davi, e não metade dela, como Cristo a disse. No Salmo é assim:

“Nas tuas mãos entrego o meu espírito; foste tu que me remiste Senhor Deus de verdade” (Sl 30)

Continue reading

Do primeiro fruto da sexta palavra

Capítulo 25: Do primeiro fruto da sexta palavra
Bastantes são os frutos que da sexta palavra pode colher quem atentamente considerar a sua fecundidade; e em primeiro lugar do: Tudo está consumado, que dissemos que se deve entender do cumprimento dos vaticínios, deduz Santo Agostinho (1) uma utilíssima prova. Pois, assim como temos a certeza, pelo que sabemos, que se realizou, que foi verdade o que os profetas predisseram tanto tempo antes, também, não devemos duvidar de que há de realizar-se o que os mesmos profetas predisseram que há de acontecer, posto que isso ainda não aconteceu; pois; que os profetas não o disseram por si mesmos mas inspirados pelo Espírito Santo (2 Pd 1); e, porque o Espírito Santo é Deus, e Deus de modo nenhum se pode enganar nem faltar à verdade, devemos com toda a certeza acreditar que sem falta nenhuma se há de cumprir que está profetizado, e que ainda se não realizou.

«Assim como até hoje tudo, se verificou, diz Santo Agostinho, também se há de verificar o que resta: temamos o dia do juízo: há de vir o Senhor; o que veio humilde virá exaltado»

Continue reading

“Tudo está consumado”

Capítulo 24: "Tudo está consumado"

Explica-se literalmente a sexta palavra

A sexta palavra que Cristo proferiu na Cruz, é referida por São João como quase junta com a quinta. Logo que o Senhor disse: Tenho sede e bebeu do vinagre que Lhe ofereceram, acrescenta São João:

“Jesus, porém tendo tomado o vinagre, disse: Tudo está consumado” (Jo 19)

E sem dúvida aquele — tudo está consumado — à letra não quer dizer mais nada senão a obra da redenção está concluída, rematada; pois dois serviços tinha o Pai imposto ao Filho: pregar o Evangelho, e sofrer pelo gênero humano. Da primeira disse o Senhor em São João:

“Eu acabei a obra que tu me encarregaste que fizesse, manifestei o teu nome aos homens” (Jo 17)

Isto disse o Senhor depois do último e extensíssimo sermão que pregou aos Seus discípulos depois da ceia, por isso mesmo concluiu a primeira obra, de que seu Pai o encarregara. Continue reading

Do quarto fruto da quinta palavra

Capítulo 23: Do quarto fruto da quinta palavra
Resta ainda um fruto, e docíssimo, para colher da palavra: Tenho sede. Santo Agostinho, explanando o Salmo 68, diz, relativamente a esta palavra, que ela mostrara não só o desejo de bebida corporal, mas também o ardente desejo de Cristo pela conversão e salvação dos Seus inimigos, nós, porém, pela ocasião que nos oferece a explanação de Santo Agostinho, podemos subir mais alto e dizer que a sede de Cristo era a sede da glória de Deus e da salvação dos homens; e que a nossa deve ser da glória de Deus, da honra de Cristo, da nossa salvação e da salvação do nosso próximo. Que Cristo teve sede da glória de seu Pai e da salvação das almas, não pode duvidar-se, pois isto o diz, clamando, todas as Suas obras, todas as Suas pregações, todos os martírios que sofreu, todos os Seus milagres. Devemos pensar de preferência a tudo, para não sermos ingratos a tamanho benefício, sobre o modo porque possamos de tal sorte inflamar-nos, que tenhamos verdadeira sede da honra de Deus, que amou os homens até sacrificar por eles o seu Unigênito (Jo 3); e termo-lO, juntamente e do mesmo modo da glória de Cristo, que nos amou e Se entregou a Si, mesmo por nós, oferenda e hóstia a Deus em perfume de suavidade (Ef 5), e para também nos compadecermos dos nossos irmãos de sorte que tenhamos ardentíssima sede da sua salvação. Continue reading

“Tenho sede”

Capítulo 19: "Tenho sede"

Explica-se literalmente a quinta palavra

Segue-se a quinta palavra mencionada por São João, e para inteligência da qual é preciso acrescentar as outras, pelas quais se exprime o Evangelista, assim os antecedentes como as consequentes. Diz São João:

“Depois sabendo Jesus, que tudo estava comprido, disse, para se cumprir uma palavra, que ainda restava da Escritura — Tenho sede — Tinha-se ali posto um vaso, cheio vinagre, e eles, molhando nele uma esponja, que depois pulverizaram com hissopo, chegaram-lhe à boca” (Jo 19)

Estas palavras querem dizer o seguinte: Nosso Senhor quis cumprir tudo o que da Sua vida e morte tinham antecipadamente sabido e predito os profetas inspirados pelo Espírito Santo; e porque estando cumprido tudo o mais só restava, estando sequioso, beber o vinagre, segundo o versículo do Salmo 68: Tendo eu sede, deram-me a beber vinagre, disse claramente, Tenho sede; e os que ali estavam, chegaram-Lhe à boca uma esponja ensopada em vinagre, e posta numa cana. Nosso Senhor disse: Tenho sede, para se cumprir a Escritura. Continue reading

Jesus Crucificado

Meditação para Dia 09 de Abril

1. Chegando Jesus, morto de cansaço, ao monte Calvário, despem-no, não com mãos delicadas, mas cruelmente, da sua túnica, pegada ao corpo ensanguentado. Corre de novo seu sangue. Mais ainda sofre Jesus por ver-se exposto nu, até à morte, aos olhos desrespeitosos ad multidão. Atiram-no ao chão. Estendem-lhe as mãos e depois os pés; retine o ar com as marteladas; em jorros corre o sangue do Salvador, manchando os circunstantes. O Cordeiro imaculado não se queixa, mas oferece suas dores indizíveis por nossa salvação. Ele sofre a pena que tu mereceste, ocupando o lugar que a ti era devido. Continue reading

« Older posts

© 2021 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑