Tag: bondade (Page 1 of 2)

Bondade de Deus

Bondade de Deus, Tesouros de Cornélio à Lápide

Deus é a própria bondade por natureza

O próprio Deus é a bondade, é fazer o bem… Não é Deus quem nos impõe os males, e os suplícios que sofremos; somos nós quem os atraímos.

São Paulo chama a Deus “Pai das Misericórdias”: Pater misericordiarum (2 Cor 1, 3). E o é com justiça, diz São Bernardo; porque Deus não e o Pai das condenações, e dos castigos. É Ele o Pai das Misericórdias, porque, por natureza, é causa e origem do bem. Os juízos severos e os castigos vêm de nós; nossos pecados no-los atraem (Serm. V, in Nativ. Dom.).

Deus é o Pai das Misericórdias. Nossas misérias são tão grandes e multiplicadas, que o real profeta Davi não pede a Deus que nos trate segundo sua misericórdia, senão segundo a multidão de suas misericórdias: Secundum multitudinem miserationum tuarum, dele iniquitatem meam (Sl 4, 3).

Eis que o Senhor sairá de sua morada, e descendo de seu trono atropela as grandezas da terra, diz o profeta Miqueias: Ecce Dominus egreditur de loco suo, et descendet, et calcabit super excelsa terrae (Mq 1, 3). Continue reading

Confia e Espera!

Meditação para o Dia 13 de Dezembro

Lucie-Christine é o pseudônimo que oculta o nome de uma grande mística contemporânea, que viveu em Paris e nos deixou, em seus escritos, luzes maravilhosas sobre a Bondade Infinita de Nosso Senhor. Ela escreveu em um diário íntimo, publicado pelo Pe. Poulain, S.J., esta nota breve e tão sugestiva:

“25 de agosto de 1882 – Bondade de Jesus sentida na Comunhão. – Morremos sem ter conhecido a bondade de Nosso Senhor, mesmo com estas inefáveis comunicações”

Continue reading

Jesus Cristo estabelecido para Ruína e Ressurreição de Muitos

Dia de Natal - II. Jesus Cristo estabelecido para Ruína e Ressurreição de Muitos

II. Sermão para o Dia de Natal

Pregado em Meaux, no dia 25 de dezembro de 1667.

Não existe manuscrito. —Déforis, IV, p. 877. – Lachat, VIII, 279. Foi por uma cópia do abade Ledieu, a quem Bossuet o tinha ditado para uma religiosa de Jouarre, que Déforis publicou este sermão. Como Sermão da Paixão, tem ele a vantagem de manifestar na sua forma definitiva o pensamento de Bossuet.

SUMÁRIO

Exordio. —Desenvolvimento do texto: Positus est hic…

Proposição e divisão. — Um dos caracteres do Messias prometido a nossos pais era ser ao mesmo tempo um motivo de consolação e um motivo de contradição; uma pedra angular e uma pedra de escândalo. O que nos desagrada é:

1° a profunda humilhação da sua pessoa;

2.° a verdade inexorável da sua doutrina e a grandeza da sua misericórdia.

1.º Ponto. — Os filósofos da antiguidade tanto se aproximavam de Deus pela sua inteligência, como se afastavam dEle pelo seu orgulho… É o que hoje fazem muitos cristãos. A exemplo de Jesus, aniquilemos tudo o que somos, pois isso não nos causará ruína, mas dá-nos a ressurreição.

2.º Ponto. — Jesus Cristo apresentando aos homens a verdade que os condenava, e apresentando-a de mais perto do que nenhum dos profetas, fizera-o com mais vivo esplendor, sublevava necessariamente contra si todos os espíritos, até aos últimos excessos.

«Amado irmão, é Jesus Cristo que te ilumina ainda… caminha, pois, com o auxílio dessa luz»

3.º Ponto. — Como na instituição dos Seus Sacramentos, sobretudo na instituição do Batismo e da Penitência, Jesus Cristo não quis limitar a Sua bondade, também os cristãos não quiseram limitar os seus crimes; não receiam pecar porque esperam arrepender-se um dia.

«Tremei… e temei… de cometer… esse pecado contra o Espírito Santo, que não se perdoa neste mundo nem no outro»

Peroração.«Vinde contemplar os mistérios do Salvador; olhai para o lugar por onde eles vos podem causar ruína e para aqueles por onde vos podem dar consolação»

Ecce positus est hic in ruinam et in resurrectionem multorum in Israel.
Eis que este é enviado para queda e ressurreição de muitos em Israel. (Lc 2, 34)

Continue reading

Bondade Onipotente

Meditação para o Dia 21 de Outubro

Deus é Onipotente e, sendo Onipotente, é bom. Já meditamos um pouco essa verdade e estamos dela persuadidos? Em Deus une-se a bondade ao Poder Soberano. Não é uma razão, e das maiores, para que tenhamos confiança? A Liturgia sempre repete:

“Oh! Deus, sois bom e todo poderoso!”

É mister que tenhamos a persuasão firme, inabalável, de que Deus é a Bondade Onipotente. Diz o Padre Ravignan:

“Enquanto a alma não estiver firmemente persuadida da união desta bondade com o poder de Deus, não tem senão a metade da força e do amor, nem faz uma ideia perfeita do socorro Divino, do qual tudo devemos esperar. A fé, que nada teme, é sempre necessária às almas que querem imitar corajosamente a Jesus Cristo. Tenham elas a esperança de tudo conseguir!”

Continue reading

Bondade e Justiça

Meditação para o Dia 20 de Outubro

Segundo Bossuet, a bondade e a justiça Divinas são como que os dois braços de Deus. Destes, é a bondade o direito. Tudo o que de meritório aparece em todas as obras, é a bondade que faz. Deixem conduzir-se os homens pela bondade e ela os encherá de benefícios e de munificências. A bondade e a justiça operam em campos diferentes. A primeira precede à segunda. O que ela, de princípio,institui, é perfeito e são. Agrega-se-lhe, porém, depois, o pecado, criando o terreno para a ação da justiça. Entre a bondade e a justiça há esta diferença: ao passo que a justiça não invade as atribuições da bondade, esta se antecipa muitas vezes à ação daquela com a munificência do perdão ao delinquente do pecado. Continue reading

Do Homem Bom e Pacífico

Meditação para o Dia 09 de Agosto

Segundo a Imitação de Cristo, Cap. III – L. II

“Procura, para ti primeiro, a paz e depois poderás procurá-la para outros. O homem pacífico é mais útil que o homem douto. O homem apaixonado até o bem converte em mal e crê no mal com facilidade. Pelo contrário, o homem bom e pacífico todas as coisas leva em bem. Quem está em boa paz, de ninguém suspeita mal; mas quem vive descontente e inquieto, com diversas suspeitas se atormenta, nem vive em sossego, nem deixa sossegar os outros. Continue reading

As Três causas do Amor

Capítulo 17. As Três Causas do Amor - Livro Rumo à Felicidade, de Fulton Sheen
TODO o amor se apoia numa tripeça. Todo o amor tem três bases ou sustentáculos: bondade, conhecimento e semelhança.

Consideremos, em primeiro lugar, a bondade. Pode alguém enganar-se na escolha do que lhe parece ser bom, mas jamais poderá desejar alguma coisa, sem que acredite na sua bondade intrínseca. Buscava o filho pródigo algo de bom para si, algo que fosse capaz de lhe saciar a fome, quando tentou alimentar-se de bolotas; iludiu-se, apenas, no seu juízo, julgando que as bolotas eram alimento próprio de um homem. Todos nós estamos na mesma precária situação. Não deixamos de procurar encher a vida, o espírito, o corpo e as nossas casas de «bens», e nada aceitamos que, na ocasião, não nos pareça ter algo de bom em si. Os nossos juízos, porém, nem sempre são verdadeiros; podemos tomar falsamente um bem aparente por um bem real, e deste modo prejudicar-nos. Continue reading

Amor sem Limite

Meditação para o Dia 25 de Maio

1. Conheces o bom pastor, que deixa 99 ovelhas para procurar a que se perdeu?

“Eu sou o bom pastor”, diz Jesus

O bom pastor dá a sua própria vida pelas suas ovelhas.

“O Filho do homem veio buscar e salvar o que tinha perecido”

Lê em seus olhos seu terno amor, vê-o apressar seus passos, ouvi-o erguer sua branda voz que pronuncia teu nome. Preferirás andar perdido? Longe do Pai? Ainda não estás cansado? Não desejas repousar onde há verdadeiro repouso e paz e felicidade? Continue reading

Bondade de Deus

Meditação para o Dia 24 de Maio

1. A terra é cheia da misericórdia do Senhor. A criação do vasto universo a Deus só custou um ato de vontade. Quanto, porém, lhe custou a salvação? A resposta é dada por Belém, Egito, Nazaré, toda a Palestina, Jerusalém, o Calvário, a Igreja, os sacramentos, o tabernáculo. Como não amar, a quem tanto te ama! Toda gota de suor e de sangue, cada passo de Jesus, toda a palavra que proferiu, é prova da sua infinita misericórdia. Continue reading

Bondade de Jesus Ressuscitado

Meditação para o Dia 26 de Abril

1. a) Quando as piedosas mulheres regressaram do sepulcro, para anunciar aos discípulos as palavras do anjo, “saiu-lhes Jesus ao encontro, dizendo: ‘Deus vos salve’“. Jesus recompensou o amor e a fidelidade das mulheres, saindo-lhes ao encontro e saudando-as amorosamente. Confia na bondade de teu Salvador, que faz o mesmo com todo pecador arrependido.

b)E elas se chegaram a Ele e, abraçando-lhe os seus pés, o adoraram“. Com quanto respeito e amor terão feito o que a Madalena não foi concedido! Deus consola de modo diferente. Reza de coração:

“Faça-se a tua vontade”

Continue reading

« Older posts

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑