Categoria: Na Linda Natureza de Deus (Page 2 of 5)

Confira todos os capítulos do livro Na linda Natureza de Deus, do Mons. TIhamer Toth!

Cremos sem ver

Na linda natureza de Deus
Mesmo na vida cotidiana, há inúmeras coisas nas quais apenas “acreditamos”, sem as “saber”; e se alguém não as acreditasse, não poderia dar um passo na vida.

Sabe você, por exemplo, quem são seus pais e seus irmãos? “Naturalmente que sei”! E contudo você não o “sabe”, acredita-o porque lho disseram desde a mais tenra idade, pois sabê-lo certificar-te disso, não é de sua competência.

Vem você pela primeira vez à escola. O professor escreve uns sinais no quadro-negro e diz ser isto um “a”, aquilo um “o”; e a gente acredita que é assim.

Agora você volta faminto da escola e servem-lhe uma boa sopa quente. Acaso você sabe que ela não está envenenada? Não o sabe, mas acredita que a cozinheira não é uma criminosa. Continue reading

Creio apenas naquilo que vejo!

Na linda natureza de Deus

“A causa primordial das nossas dúvidas na religião é a ilimitada confiança que temos na força invencível e na infalibilidade de nosso entendimento” (Eotvos).

Nunca senti mais fortemente a verdade dessas palavras, do que quando ouvi da boca dum operário que se julgava muito sabido:

“Não creio na eternidade, na religião, em Deus, creio somente naquilo que vejo!”

Disse, e ergueu orgulhosamente a cabeça.

O bom homem estava convencido de ter falado com abaladora sabedoria, e os que talvez repetem esse pensamento, vivam na mesma ilusão.

Insensatos! Continue reading

A água e a corruíra

Na linda natureza de Deus
Aos desunidos e inquietos homens de hoje pregam alguns, em substituição ao cristianismo, a filosofia do Oriente… Budismo…, Gandhi…, Rabindranath…, Tagore…, introspeção mística…, sabedoria de faquires. Que dizer dessa epidemia moderna?

Não podemos negar que o sistema de um ou outro dos filósofos orientais oferece pensamentos elevados. Mas, é notório que não possuam uma única idéia cativante que seja nova deveras! Nenhuma, por cujo amor deveríamos aderir a eles, nenhuma que não seja propriedade do Cristianismo, desde 2OOO anos.

Afinal de contas, isso não é erro. O essencial não é que alguém ensine novidades, mas que pregue a verdade. Se, pois, Tagore e outros filósofos do Oriente encontraram verdades do Cristianismo, temos a alegria de verificar quão universalmente aplicável é a doutrina de nossa religião e quão arraigada está na natureza humana! Não! Os sábios hindus não nos podem oferecer senão uma valorização ainda mais profunda da fé cristã. Continue reading

Darwinismo

Na linda natureza de Deus
A religião católica não teme a ciência. A fé de forma alguma, é inimiga do progresso cientifico.

Verdade é que nossa religião não abandona seus bons e velhos princípios por causa de novas e infundadas hipóteses; mas, nem por isso ela entrava o verdadeiro progresso, antes pelo contrário, sempre o incrementou.

O tempo vem sempre confirmando posteriormente, quão acertado é esse seu modo de agir da Igreja.

Para mostrar quão prudente ele é citemos a teoria da origem do homem, a questão do darwinismo, que assediou durante séculos um dos fundamentos da fé: a diferença essencial entre o homem e o animal.

Não há muito, era nota elegante proclamar que o homem descende do macaco. E o ensinavam francamente como verdade demonstrada pelas ciências naturais. Enquanto, porém todo o mundo parecia adotar o darwinismo, a Igreja Católica não abandonou sua antiga doutrina da criação do homem. Apodaram-na de arcaica e antiquada. Ela não se importou. E o tempo deu razão à Igreja. Hoje emudecem, um por um, os pregadores da doutrina darwinista. Continue reading

Por que?

Na linda natureza de Deus
O estudo torna incrédulo? Por que? O microscópio que nos revela o reino do imensamente pequeno, e o telescópio que faculta à vista penetrar na imensidade de mundos longínquos, ambos levantam a grande questão:

“Quem é o Senhor? Quem faz aqui as leis? Quem manda? Por que tudo isso é assim? Por que?”

A palavrinha “por que?”, que já surge, instintivamente nos lábios da criança, é talvez a mais humana das palavras. O eterno “por que?” nos lábios dos homens é o grande símbolo do profundo desejo de saber, da grande ânsia que enche nossa alma. Analisamos, pesquisamos, avançamos sempre mais longe, de uma causa para outra, até que atinjamos a causa primária de tudo, à qual chamamos Deus. Inata em nossa alma é a sofreguidão; nenhures nos deixa fazer alto. As pesquisas em todos os campos da ciência são um atestado único da infinita sabedoria de Deus. Continue reading

A “ciência imparcial”

Na linda natureza de Deus
Não existe ciência propriamente neutra. Os jovens imaginam muitas vezes a ciência como uma deusa, imperando em alturas inacessíveis, por todos cultuada, de intransigente veracidade. Todavia, tal ciência não existe. Há sim, “sábios”, que não sendo seres abstratos, mas homens que vivem entre nós, pertencem a este ou àquele grupo humano, simpatizando com seu modo de pensar, entusiasmando-se por suas idéias, apoiando suas aspirações. Os resultados científicos, não os recebemos da “imparcial deusa ciência”, a qual não existe, mas dos representantes humanos do saber, de seus tratados e livros.

Agora compreenderemos que não é indiferente ler um livro de um autor qualquer sobre esta ou aquela questão. É verdade: “A ciência não tem religião nem pátria.” — La Science n’a ni religion ni patrie — como reza a inscrição de um instituto zoológico na França; mas também é verdade o que Pasteur respondeu a isso:

“Os sábios, contudo, têm religião e pátria.”

Continue reading

Poderemos ainda ser cristãos?

Na linda natureza de Deus
À fé da juventude moderna poderá oferecer grande perigo ao grito de guerra de espíritos superficiais, que em toda a parte se ouve:

“O homem inteligente de hoje já não pode ser cristão e crente. As ciências modernas fizeram progressos fantásticos, e chegaram a resultados, que já não se podem coadunar com os preceitos da fé; e, pois, pode ser cristão somente aquele que ficou atrás do seu tempo.”

Tal é a expressão, enunciada com maior ou menor franqueza, tanto em livros e conferências, como nas conversas levianas e superficiais dos salões ou na imprensa diária.

Que se poderá responder? É possível que um jovem moderno, ilustrado, instruído, ainda seja devotado filho da Igreja católica? Ciência moderna e fé católica? Não se excluem elas reciprocamente? Continue reading

Demolir ou edificar?

Na linda natureza de Deus
Hoje em dia faz-se a miúdo um emprego abusivo do termo “ciência”. Tanto na positiva técnica como na teórica filosofia existe, a par de uma ciência construtiva e fecunda, outra que é destrutiva e malsã. Por exemplo, o gigantesco trabalho técnico, durante a Primeira Conflagração Mundial, foi preferentemente destrutivo, armas da guerra, gases devastadores, projéteis explosivos. Também no combate sempre aceso do mundo espiritual, o inimigo lança mão de gases deletérios, ardilosas minas e bombas explosivas.

Destruir é fácil. Muito mais fácil do que construir. Alcebíades sozinho destruiu mais em Atenas, do que uma série de geniais governantes puderam edificar durante séculos, desde Solon até Milcíades, de Temístocles a Péricles. Alguns decênios de invasões bárbaras foram suficientes para aniquilar as grandiosas obras de mil anos de cristianismo. Por que demolir é mais fácil do que edificar? Porque para construir são necessárias grandes qualidades espirituais e morais, planos, perseverança, domínio de si mesmo, valorização de ideais. Destruir, porém, qualquer malfeitor ou imbecil o pode fazer. Continue reading

O último bivaque

Na linda natureza de Deus
Amanhã de tarde voltaremos para casa. Peta última vez, arde o fogo do acampamento. Todo o grupo o rodeia com saudade. Uma inefável tristeza se apoderou de nosso coração. Certamente, em casa a gente está bem… dormir em cama bem arrumada… um almoço preparado por mamãe ou pela cozinheira… mas estas três semanas! É duro despedir-se do riacho, da floresta, do firmamento! Sim, a separação é dura!

Já eram dez horas. Continue reading

Céu, noite e silêncio

Na linda natureza de Deus
O dia de hoje foi esplêndido — Os rapazes se divertiram o dia inteiro, em trajes de banho, ao redor das tendas ou junto ao regato. Que alegria, que sadio gozo. Infelizmente está para findar nossa vida de acampamento. Quanta pena tenho da mocidade “moderna”, de trajes ao rigor da moda e perfumada decadência… Essa juventude que procura a felicidade da vida unicamente nos cinemas, bares, teatros e “footing”! Pobres almas esfaimadas! Se uma vez que fosse saboreassem o gozo da natureza livre e vivificante! Continue reading

« Older posts Newer posts »

© 2021 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑