A Confraria do Rosário

Meditação para 12 de Outubro: A Confraria do Rosário
Origem

A confraria do Rosário é uma associação das mais antigas e veneráveis da Igreja, fundada por São Domingos e cujo fim é unir os fiéis e propagar e garantir a recitação assídua do Santo Rosário.

O seu melhor elogio foi feito pelo Santo Padre Leão XIII na Encíclica Augustissimae Virginis de 12 de Setembro de 1897:

“Dentre as associações não hesitamos em dar um lugar de honra à Confraria do Santíssimo Rosário. Na verdade, se considerarmos a sua origem, ela está em primeiro lugar pela sua antiguidade, pois a sua instituição é atribuída ao Patriarca São Domingos, e, além disso, pelos privilégios inúmeros de que a enriqueceram os nossos predecessores.

A forma desta instituição, a sua alma é o Rosário. A eficácia do Rosário de Maria e o seu poder nos parecem ainda muito maiores quando estão em função da Confraria”

Nestas palavras o Augusto Pontífice define a Confraria do Rosário e a coloca entre as primeiras e mais veneráveis Associações da Igreja. E quer o Papa que rezemos o nosso Rosário sim, mas unidos aos nossos irmãos, na oração comum que é mais eficaz e poderosa, e com as riquezas das indulgências e privilégios espirituais da Confraria.

O Rosário dos confrades tem mais força para obter o socorro do céu, diz Leão XIII, porque forma um coro de suplica, é como que uma oração pública, tem alguma semelhança com o Ofício Divino que recitam os sacerdotes.

Assim como os padres, diz o Papa, quando recitam o Ofício Divino, dirigem ao céu orações públicas permanentes e, por conseguinte muito eficazes, assim também de certo modo é pública, permanente e comum a súplica que fazem os Associados do Rosário, este saltério da Virgem, como o chamaram diversas Pontífices Romanos.

“A confraria do Rosário é uma milícia orante organizada pelo Patriarca São Domingos sob o estandarte da Divina Mãe. Leão XIII convida todos os fiéis de toda Igreja a se alistarem na Confraria do Rosário a formarem uma cruzada de orações pela salvação do mundo. E o seu pensamento e desejo foi este:

Não basta recitar o Rosário. Se quisermos tornar a nossa oração mais eficaz e poderosa, é preciso alistar-nos na Confraria do Rosário, colocar-nos sob o estandarte da Divina Mãe

***

Vantagens da Confraria do Rosário

As vantagens da Confraria do Rosário para os fiéis e até para o clero e os religiosos deduzimos das palavras dos Papas. Ela é a piedosíssima confraria (1) a chamou Inocêncio VIII.

Pio V afirma que por ela os fiéis se mudam em outros homens, as trevas da heresia se dissipam e brilha a luz da fé católica (2).

O Papa Xisto V considerava-a uma das mais úteis e belas instituições da Igreja e a propagou com zelo edificante.

Outros Pontífices a enriqueceram de indulgências. E Leão Xlll exorta a todos, clero e fiéis a trabalharem pela propagação da Confraria do Rosário. E escreve aos Bispos de todo mundo:

“Que por vós meus Irmãos e pelo Clero que tem a cura d’almas o povo saiba apreciar e conhecer como esta Confraria é eficaz e como é útil para a salvação eterna dos homens” – Augustissimae Matris, 12 de Setembro de 1897

Todos os fiéis podem pertencer à Confraria do Rosário sem distinção de idade ou condição. Clérigos, leigos, religiosos podem ser recebidos na Confraria e devem nela se inscrever atendendo à vontade da Igreja expressa pelo Santo Padre Leão XIII, tão insistentemente. Agora mais do que nunca é oportuna, é necessária esta cruzada santa sob o Estandarte da Virgem do Rosário.

Um exército armado com o Rosário e Maria, o que não há de poder no combate ao inferno? Sejamos todos confrades do Rosário. As condições para pertencer à confraria são bem poucas e exigem pouco. Qualquer sacerdote, religioso ou religiosa e os fiéis em qualquer condição ou estado de vida podem facilmente cumprir os deveres do confrade do Rosário e ganhar as riquezas das suas indulgências.

As condições são as seguintes:

1.º — Inscrever o nome numa confraria canonicamente ereta. Esta condição é necessária para a validade.

2.º — Rezar um Rosário inteiro cada semana (3 terços).

Contemplar os mistérios do Rosário ao recitá-lo. É necessária a contemplação dos mistérios para ganhar as indulgências.

As principais vantagens da confraria são:

PRIMEIRA — Uma proteção especial de Nossa Senhora.

SEGUNDA — A participação durante a vida e na morte das orações e boas obras dos confrades de todo mundo.

TERCEIRA — O privilégio especial da participação de todas as orações e boas obras da ordem Dominicana. Méritos acumulados há sete séculos! (nota da edição – no mínimo, e que continua crescendo)

Que maior riqueza espiritual podemos desejar? Vamos! Alistemo-nos depressa na bela Confraria do Rosário.

***

EXEMPLO

São Carlos Borromeu e a Confraria do Rosário

Um dos grandes apóstolos da Confraria do Rosário fôra o grande Arcebispo e Cardeal de Milão São Carlos Barromeu.

Era o Santo Pontífice um fervoroso devoto de Nossa Senhora do Rosário.

Dizia com uma profunda convicção e depois de o haver provado pela sua experiência:

“Para reformar uma Diocese eu só peço uma coisa: — que se estabeleça em todas as paróquias a confraria do Rosário.”

O Santo a fundou em toda a Arquidiocese de Milão. Pregava os mistérios e instruía o seu rebanho nas contas do Rosário. Propagou a recitação do Terço em família.

Foi São Carlos um grande reformador da disciplina eclesiástica e viveu numa época agitada, sendo obrigado a lutar heroicamente em sua diocese para restabelecer os bons costumes entre o povo e santificar o Clero.

Confiara na proteção de Maria. O Rosário era a sua esperança. Pregava os mistérios do saltério da Virgem ao povo.

Aos clérigos recomendava entre outras coisas e acima de tudo a meditação quotidiana e o Rosário de Maria.

Compreendeu o grande santo que para reformar costumes e salvar uma Diocese e cada Paróquia, não há meio mais eficaz que a Confraria do Rosário para instruir e reformar o povo nas verdades meditadas dos mistérios da nossa fé. São Carlos Borromeu pode justamente ser contado entre os maiores apóstolos da Confraria do Rosário.
Referências:
(1) Splendor Paternae Gloriae – Fevereiro 1941

(2) Consueverunt – 17 Setembro 1569

Voltar para o Índice do livro Mês do Rosário, de Mons. Ascânio Brandão

(BRANDÃO, Monsenhor Ascânio. O Mês do Rosário, Edições do “Mensageiro do Santíssimo Rosário”, 1943, p. 96-102)

9 Comments

  1. Raquel Pereira

    Posso estabelecer a confraria do Rosário na minha paróquia?

  2. Gabriel

    Certamente! Busque orientar-se com livros sobre a Congregação Mariana e entre em contato com seu pároco para receber seu apoio e demais instruções. É uma belíssima iniciativa e que agrada muito à Santíssima Virgem!

  3. Elaine Cristina Lopes da Silva

    Criei um grupo chamado Confraria do Rosário pelo Whats App. São 30 pessoas que participam como ouvintes e 13 rezam o Rosário Perpétuo Meditado.
    Todos os dias até meia noite rezamos os 4 terços.
    E já fiz minha inscrição numa Confraria

  4. EZEQUIEL

    Seria ótimo se todos fizéssemos parte da Confraria do Rosário. Conseguimos criar uma relação direta com os Dominicanos, em Portugal. Quem se interessar é só deixar uma mensagem. E Elaine gostaria ter mais informações de sua confraria, achei muito interessante e gostaria de mais detalhes. Obrigado. Salve Maria

  5. Bianca

    Como posso fazer parte da Confraria?

  6. Safira Gomes dos Santos

    Muito bonito pois a cada momento de estudos vai adquirindo novos conhecimentos da palavra de Deus

  7. Paulo de Tarso Veras

    Como faço para me inscrever na Confraria do Rosário?

  8. Carlos Santi

    Link para a Confraria do Rosário: https://www.rosarycenter.org

  9. Raimundo José Reis de Castro

    Gostaria de fazer parte da Confraria do Santo Rosário, do Brasil ou Portugal. Como faço para me inscrever?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2020 Rumo à Santidade

Theme by Anders NorenUp ↑