Meditação sobre o Hábito e a Irreflexão

SUMARIO

Meditaremos sobre um vício, que constitui um dos principais obstáculos à santificação do ano novo, em que acabamos de entrar. Este vício é o hábito de fazer todas as coisas maquinalmente e sem reflexão. Veremos:

1.° A gravidade deste mal;

2.° Os seus remédios.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De fazer com a maior exatidão e o melhor possível os nossos exercícios espirituais;

2.° De refletir antes de obrar para nos animarmos a fazer santamente e com o intuito de agradar a Deus cada uma das nossas obras.

O nosso ramalhete espiritual será a oração dos Macabeus:

“Deus dê a todos um mesmo coração para que o adorem e façam a sua vontade” – Det vobis cor omnibus ut colatis eum (2Mc 1, 3)

Meditação para o Dia

Adoremos a Deus, supremo Senhor dos tempos, árbitro da nossa vida e da nossa morte, que nos concede este novo ano, não para dispôr dele como quisermos, mas para empregar todos os seus momentos em servi-lO bem. Supliquemos-Lhe a graça de não recair este ano no vício do hábito e da irreflexão, a respeito do qual Jeremias proferiu esta terrível lamentação:

“Toda a terra tem sido inteiramente desolada, porque não há ninguém que considere no seu coração” – Desolatione desolata est omnis terra, quia nullus est qui recogitet corde (Jr 12, 11)

PRIMEIRO PONTO

Gravidade do Mal do Hábito ou da Irreflexão

Que maior mal se pode imaginar do que um mal que torna as graças de Deus inúteis, a fé estéril, a reforma dos costumes impossível? Ora, tal é o mal do hábito ou da irreflexão.

1.° Torna as graças inúteis. Deus concede-nos a graça da oração; mas a oração feita por hábito e sem reflexão reduz-se a um movimento maquinal dos lábios, incapaz de honrar a Deus e de alcançar coisa alguma para o homem. Deus concede-nos a graça de um bom pensamento, de um piedoso impulso, de uma advertência preciosa para a nossa salvação. Mas esta semente, que teria produzido fruto, se tivesse sido madurecida pela reflexão, não é dentro em pouco tempo senão a semente lançada no caminho, em que as quimeras, as novidades do mundo, a espezinham e a destroem. Deus concede-nos a graça dos Seus Sacramentos, mas a vida de hábito e de irreflexão paralisa todo o seu fruto. Deus concede-nos um novo ano para efetuarmos a nossa salvação; mas o hábito, se não o destruímos, não fará mais do que acumular sobre a nossa cabeça, como um novo anátema, um ano de abuso de graças acrescentado aos anos precedentes.

2.° O hábito e a irreflexão tornam a fé estéril. É deplorável coisa ver o que vem a ser da fé sob o império do hábito. Não existe já na alma senão como em uma parte secreta de nós mesmos onde nunca entramos, ou em um lugar distante e obscuro, de onde a sua luz não fere já a nossa vista; de sorte que se crê como não crendo; fala-se, obra-se, pensa-se como se realmente se não cresse. A morte, que se avizinha, o juízo que a segue, seguido também do paraíso ou do inferno, já não nos move. Os mistérios mais augustos da religião, os Sacramentos, a mesma Eucaristia já não encontram na alma senão a frieza do mármore. É uma indiferença, uma insensibilidade que nada abala. Se nos familiarizamos com estes altos mistérios, se nos habituamos a eles, serão estéreis para nós, enquanto não tivermos curado este mal.

3.° O hábito torna a reforma dos costumes impossível. Arrastados por ele, como por um rio que corre sempre no mesmo leito, não pensamos seriamente em nos corrigirmos, nem sequer compreendemos a necessidade disso, e não sentimos a sua força. Cedemos à corrente do hábito, e isto parece-nos mais suave, parece-nos até, talvez, a única coisa possível. Estamos como adormecidos neste triste estado. Temamos o despertar; será terrível.

SEGUNDO PONTO

Remédios para o Hábito e para a Irreflexão

O primeiro remédio é a oração. Roguemos a Deus, com todo o fervor de que formos capazes, que sare a nossa alma enferma (1), que aumente a nossa fé (2) nas excelências da divindade, na profunda devoção que lhes é devida, e que nos conceda a graça de uma vida melhor para o novo ano.

O segundo remédio é sermos fiel a todos os nossos exercícios de piedade, isto é, não somente fazê-los com exatidão, mas bem, em uma atitude meditativa, com um grande desejo de nos utilizarmos deles para melhoramento da nossa vida, e tratar sempre Deus como Deus, isto é, com extremo respeito.

O terceiro remédio é examinarmos, séria e frequentemente, se não nos deixamos ainda arrastar pelo nosso antigo hábito e pela nossa irreflexão, se os nossos atos e as nossas palavras, as nossas intenções e os nossos pensamentos, são sempre inspirados por esse espírito de fé, de humildade, de caridade, de amor de Deus, que caracteriza uma alma cristã; e logo que reconhecermos que recaímos no nosso antigo modo de obrar, corrigirmo-nos de pronto, pondo mãos á obra com zelo e boa vontade.

Resoluções e ramalhete espiritual como acima

Referências:

(1) Sana animam meam, qui peccavi tibi (Sl 40, 4)

(2) Adauge nobis fidem (Lc 17, 5)

Voltar para o Índice do Tomo I das Meditações Diárias de Mons. Hamon

(HAMON, Monsenhor André Jean Marie. Meditações para todos os dias do ano: Para uso dos Sacerdotes, Religiosos e dos Fiéis. Livraria Chardron, de Lélo & Irmão – Porto, 1904, Tomo I, p. 155-158)