Meditação para a Quarta Sexta-feira depois de Pentecostes. Disposição para a Comunhão

Meditação para a Quarta Sexta-feira depois de Pentecostes

SUMARIO

Meditaremos sobre as três disposições com que devemos comungar, a saber:

1.° Uma humildade cheia de respeito;

2.° Um amor cheio de confiança;

3.° Um grande desejo de nos unirmos a Nosso Senhor.

— Tomaremos depois a resolução:

1.° De formarmos em nós estas santas disposições antes da comunhão e durante ela;

2.° De as conservarmos e aperfeiçoarmos, todos os dias na nossa alma.

O nosso ramalhete espiritual será a palavra de Santo Tomás:

“Coisa admirável! O Senhor dá-Se em alimento ao Seu pobre e humilde servo” – O res mirabilis! Manducat Dominum pauper servus et humilis (Ofício de Santo Tomás)

Meditação para o Dia

Adoremos a imensa bondade do Filho de Deus dando-Se a nós pela comunhão. O Seu infinito amor ali se comunica sem reserva; dá todo o Seu corpo, o Seu sangue, a Sua alma, as Suas graças, a Sua divindade! Ó Deus, prodigo de Vós mesmo, pode haver um coração tão ingrato, que não se derreta em amor diante de tanto amor?

PRIMEIRO PONTO

Humildade cheia de respeito com que devemos Comungar

Este sentimento deve nascer em nós, fazendo as seguintes reflexões:

Quem Sois Vós, Senhor, e quem sou eu? Vós! Sois o Deus Todo-Poderoso, o meu Criador, o meu Redentor, o meu Pai, o meu Médico, o meu Mestre! E eu sou o mais miserável pecador, um servo infiel; um filho desobediente, uma criatura ingrata, um vil inseto, e um nada em comparação da Vossa grandeza. Ah! Senhor, sinto-me tomado de respeito e de confusão na Vossa presença! De respeito, considerando a Vossa augusta majestade, a Vossa santidade infinita; de confusão, considerando-me a mim mesmo, e só me resta dizer com Santa Isabel:

“De onde a mim esta dita que venhais visitar-me?” – Unde hoc mihi? (Lc 1, 43)

Com o centurião do Evangelho:

“Eu não sou digno de que entreis na minha casa” – Non sum dignus ut intres sub tectum meum (Mt 8, 8)

Com o filho pródigo:

“Pai, pequei contra o céu e diante de vós; já não sou digno de ser chamado vosso filho” – Peccavi in caelum et coram te; jam non dignus vocari filius tuns (Lc 15, 18)

Com o publicano, posto de longe no templo, não ousando nem ainda levantar os olhos ao céu e batendo no peito:

“Meu Deus, sede propicio a mim pecador” – Deus, propitius esto mihi peccatori (Lc 18, 13)

Finalmente, com o Salmista:

“Que é o homem, para vos lembrardes dele? E que é o filho do homem, para o visitardes? – Quid est homo, quod memor es ejus? Aut filius hominis, quoniam visitas eum? (Sl 8, 5)

Ai! Senhor; quando penso, que na Vossa presença as colunas do céu tremem e os mais elevados Serafins não ousam encarar a Vossa augusta majestade, há algum sentimento de humildade e de respeito em que eu não deva abismar-me?

SEGUNDO PONTO

Amor cheio de confiança, com que devemos Comungar

O amor, diz São Bernardo, só pode ser satisfeito com uma retribuição de amor (1). Ora a Eucaristia é por excelência o grande Sacramento do amor. É ali que o amor de Nosso Senhor pelos homens ostenta todas as suas riquezas, e se entrega todo inteiro. É ali, que se dá a nós sem reserva, sem divisão, sem limites: dá tudo, corpo, sangue, alma, divindade. É-lhe, pois, preciso em retribuição um amor completo, que se dê todo a Ele: um amor que se entregue a tudo o que deseja de nós; um amor que só goste dEle, que só se compraza nEle, até poder dizer-lhe como São Boaventura:

“O Senhor Jesus é o meu único amor. Nada me agrade, nada me deleite, nada me atraia senão Ele. E todo meu, seja eu todo dEle, e o meu coração um com Ele” – Unus est amor meus, Dominus meus Jesus Christus. Mihi nihil sapiat nihil me delectat, nihil me alliciat praeter ipsum Totus est meus, totus sim suus et fiat cor meum unum cum ipso (Stim. am., p. I. 6)

É-lhe preciso finalmente um amor cheio de confiança na Sua bondade. Porque é ofender um amigo não confiar nele; é ofender um benfeitor não depositar nele toda a confiança. Ora, há amigo, há benfeitor comparável a Jesus sacramentado, que se dá todo inteiro a nós pela comunhão?

TERCEIRO PONTO

Santos desejos com que devemos Comungar

Esse pão celeste, diz Santo Agostinho, quer ser comido com fome (2): produz os seus efeitos na alma em proporção do desejo com que se recebe (3). Devemos, portanto, desejar de todo a nossa alma a sagrada comunhão. Devemos desejá-la como a maior felicidade da vida, como o menino deseja o seio de sua mãe, como o servo sequioso suspira pelas fontes das águas, como Davi desejava a água da cisterna de Belém (4). Devemos desejá-la como o doente deseja a sua saúde, como a hemorroíssa, que dizia: Se eu tocar, ainda que seja somente a orla do seu vestido, serei curada (5); como os enfermos aos quais bastava apegar-se ao Salvador para recobrar a saúde porque saía dEle uma virtude, que os curava a todos (6).

Entremos aqui em nós mesmos: comungamos nós com estas três disposições, que acabamos de meditar, a humildade, o amor, os santos desejos?

Resoluções e ramalhete espiritual como acima

Referências:

(1) Amor solam amoris vicem requirit (São Bernardo, Serm. 83, de Cant.)

(2) Panis iste escuriem quaerit (Santo Agostinho)

(3) Esurientes implevit bonis (Lc 1, 53)

(4) O si quis mihi daret potum de cisterna Bethleem (Santo Ambrósio, Apol. David)

(5) Si tetigero tantum fimbriam vestimenti ejus, salvus ero (Mt 14, 36)

(6) Virtus de illo exibat, et sanabat omnes (Lc 6, 19)

Voltar para o Índice das Meditações Diárias de Mons. Hamon

(HAMON, Monsenhor André Jean Marie. Meditações para todos os dias do ano: Para uso dos Sacerdotes, Religiosos e dos Fiéis. Livraria Chardron, de Lélo & Irmão – Porto, 1904, Tomo III, p. 226-229)