Jesus no Santíssimo Sacramento

Dominus Iesus, in qua nocte tradebatur, accepit panem … et dixit: Hoc est corpus meum – “O Senhor Jesus, na noite em que foi entregue, tomou o pão… e disse: Isto é o meu corpo” (I Cor 11, 23)

Sumário. Porque os testemunhos de amor, dados pelos amigos no momento de morrer, se gravam mais fundo na memória e se conservam mais preciosamente, o Senhor quis instituir a santíssima Eucaristia na véspera de sua morte. Ó prodígio de amor! Os homens preparam para Jesus açoites, espinhos e uma cruz, e ele escolhe exatamente esse tempo para nos dar a prova mais preciosa de seu amor. Este amor de Jesus convida-nos a que lhe correspondamos pelo nosso afeto e façamos alguma coisa por seu amor.

I. O Santíssimo Sacramento é um dom feito unicamente por amor. Segundo os decretos divinos, foi necessário para nossa salvação que o Redentor morresse e que, pelo sacrifício de sua vida, satisfizesse à divina justiça pelos nossos pecados. Mas que necessidade havia que Jesus Cristo se nos desse em sustento, depois de sua morte? Assim o quis o seu amor. Se Ele instituiu a Eucaristia, diz São Lourenço Justiniani, foi unicamente para nos fazer compreender o imenso amor que nos tem.

É o que escreve também São João: Sciens Iesus quia venit hora eius (1) — Sabendo Jesus que era chegado o tempo de deixar a terra, quis deixar-nos a maior prova de seu amor, isto é, o dom do Santíssimo Sacramento. Tal é o precisamente o sentido destas palavras: In finem dilexit eos – “Amou-os até o fim”, isto é, segundo a explicação de Teofilato e São João Crisóstomo, extremo amore, summe dilexit eos — “amou-os com amor extremo”.

— E observemos o que nota o Apóstolo: o tempo em que Jesus nos quis fazer este donativo, foi o de sua morte: na noite em que foi entregue. Enquanto os homens preparavam açoites, espinhos e uma cruz para o supliciarem, é que o bom Salvador nos quis dar este último penhor de sua ternura.

Mas porque instituiu este sacramento no momento de sua morte, e não antes? Diz São Bernardino que Jesus assim fez, porque os testemunhos de afeto dados pelos amigos no momento da morte, se imprimem mais profundamente na memória e mais preciosamente se conservam. Jesus Cristo, continua o mesmo Santo, já se nos tinha dado por muitos modos: por amigo, por mestre, por pai, por guia, por modelo, por vítima. Restava um último grau de amor, que era dar-se por alimento, a fim de se unir todo a nós, assim como o sustento se une ao que o toma, e é o que fez dando-se-nos no Santíssimo Sacramento.

II. Dizia o Padre Colombière:

“Se alguma coisa pudesse abalar a minha fé no mistério da Eucaristia, não duvidaria do poder que Deus nele manifesta, mas sim do amor que Deus nos mostra no Santíssimo Sacramento. A pergunta: como é que o pão se torna o corpo de Jesus? Como é que Jesus está presente em diversos lugares? Respondo que Deus tudo pode. Mas se me perguntarem como é que Deus pode amar o homem a ponto de se lhe dar em alimento? Não sei responder senão que não o compreendo e que o amor de Jesus é incompreensível.”

Ah, bem se vê, ó meu Senhor, que o amor não reflete, e faz o amante esquecer-se da própria dignidade, e, como diz São João Crisóstomo, quando o amor se quer patentear ao amado, não vai aonde convém, mas aonde o leva o seu ardor: Amor ratione caret.

O amor imenso de Jesus convida-nos a que lhe correspondamos com outro tanto amor. Ad nihil amat Deus, nisi ut ametur — Deus, diz São Bernardo, não ama senão para ser amado. Se, pois, o amor de Jesus para conosco o levou a sacrificar-se todo para nosso bem, justo é que nós também nos sacrifiquemos todos para sua glória e o amemos tanto quanto deseja.

Ó amor infinito de Jesus, digno de infinito amor! Quando, ó meu Jesus, Vos amarei assim como Vós me amastes? Vós não tendes mais o que fazer para serdes amado por mim; e eu tive ânimo para Vos abandonar, a Vós, ó Bem infinito, a fim de correr atrás de bens vis e miseráveis! Ó meu Deus, suplico-Vos que me ilumineis, descobri-me cada vez mais as grandezas de vossa bondade, a fim de que me inflame todo no vosso amor e me esforce por Vos agradar. Amo-Vos, † Jesus, meu Deus, amo-Vos sobre todas as coisas; e muitas vezes me quero unir a Vós no Santíssimo Sacramento para me desprender de tudo e amar somente a Vós, minha vida, meu amor, meu tudo. Socorrei-me, Redentor meu, pelos merecimentos de vossa paixão.

— Também vós, ó Mãe de Jesus e minha Mãe, Maria, rogai a Jesus que me abrase todo no seu amor.

Referências:

(1) Jo 13, 1

Voltar para o Índice de Meditações de Santo Afonso

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo III: Desde a Décima Segunda Semana depois de Pentecostes até o fim do ano eclesiástico. Friburgo: Herder & Cia, 1922, p. 235-238)