Meditação para o Dia 23 de Setembro

A felicidade de sofrer transparece em todas as fases da vida de Santa Teresinha. Ela realizou praticamente a sua admirável doutrina sobre o valor e o alcance do sofrimento. Sofrer com resignação é virtude, mas sofrer com alegria é heroísmo. Desde pequenina, Teresa sentiu irresistível atrativo para o sofrimento.

“A cruz, diz ela, acompanhou-me desde o berço, e Jesus fez-me amá-la apaixonadamente”

Ela achava que nenhuma tribulação é demais para conquistada palma, pelo que chamava perdido o dia passado sem sofrimento. Eram, para ela, de festa os dias em que sofria. Eis as palavras suas:

“Sabeis quais são os meus domingos e feriados? São os dias em que o bom Deus me envia mais provações” (1)

Mais, ainda:

“Se um sofrimento amargo um dia
O coração vos vier conter,
Dele fazei vossa alegria,
Sofrer por Deus! Oh! Que prazer!” (2)

Sofrer por Deus era a sua ventura. Numa das maiores tribulações de sua vida, quando o coração se lhe partia de dor, vendo enfermo o pai tão querido, vítima de um insulto cerebral, escreveu a uma das irmãs:

“Que privilégio de Jesus! Como é preciso que Ele nos ame para enviar-nos tamanha dor! A eternidade não nos será bastante para bendizê-Lo. Cumula-nos de favores como cumulava aos maiores santos!”

Que perfume suave exala a humilde violeta do Calvário, que, com o seu pequenino caminho, ensina-nos a chegar ao heroísmo da santidade só pelo amor, aproveitando as provações da vida!

Referências:

(1) Conseils et Souvenirs

(2) Poésies

(3) Carta à Celina – janeiro de 1889

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 286)