Meditação para o Dia 19 de Novembro

No Céu conheceremos nossos parentes e amigos e haveremos de amá-los mais do que durante a nossa vida neste mundo.

“A contemplação da Essência Divina – diz Santo Tomás de Aquino – não absorve os santos de maneira a impedir-lhes apercepção das coisas sensíveis, a contemplação das criaturas e a sua própria ação. Reciprocamente, essa percepção, essa contemplação e essa ação não os podem distrair da visão beatífica de Deus. Assim era em relação a Nosso Senhor aqui na terra” (1)

Que consolação para nós quando, feridos pela saudade, choramos a morte de amigos e parentes queridos! É tão difícil, em meio das paixões e vicissitudes deste mundo, sustentar a amizade aqui na terra contra as ingratidões e tantos outros contratempos e obstáculos! No Céu, entretanto, nós nos amaremos em Deus, de uma amizade pura, sublime, como é a dos eleitos. Disse Santo Agostinho que os bem-aventurados formarão uma cidade onde terão todos uma só alma e um só coração, de tal sorte que, na perfeição dessa unidade, os pensamentos de cada um não serão ocultos aos outros. Lá não haverá olhares indiferentes. Todos serão mutuamente amigos, na harmonia de uma intimidade deliciosa.

“Oh! – exclama São Francisco de Sales – como essa amizade é preciosa e como é preciso amar, na terra, como se ama no céu!”

Referências:

(1)  Sum. 30. part. Questio 84.

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 346)