Meditação para o Dia 27 de Dezembro

A paciência é uma virtude heroica. A Escritura diz que é melhor o homem paciente do que o guerreiro conquistador de cidades e que mais vale o homem paciente do que o forte – Melior est patiens viro forti. Et qui dominatur animo suo expugnatores urbium. Os teólogos classificam as virtudes e as dividem em grupos caracterizados pelas virtudes cardeais. A paciência deveria estar no grupo das virtudes da Temperança. E não está. Foi classificada como Fortaleza e como parte desta virtude. De fato, o homem paciente é o verdadeiro forte. A paciência é uma virtude oculta, silenciosa, sem brilho. Há virtudes brilhantes e virtudes da obscuridade. Há virtudes que todos veem e admiram, aclamam, recompensam, e virtudes ignoradas como a violeta e que só se percebem pelo suave e divino perfume que exalam. As grandes virtudes, as que aparecem aos olhos humanos, são mais fáceis e atraentes. As virtudes ocultas, porém, são tão difíceis e pesadas! Sofrer sem que ninguém o saiba, ter um sorriso na adversidade, um olhar de doçura para o inimigo ou para quem nos maltrata e persegue, procurar, em tudo, o mais perfeito e com mais sacrifício. Oh! Meu Deus, só uma fonte inesgotável de paciência! Também chamam a isso longanimidade. Realmente, só uma grande alma pode resistir e perseverar nessa luta. E eis porque a paciência é a virtude dos heróis!

Voltar para o Índice do Breviário da Confiança

(Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 386)