Dom Henrique Soares da Costa
Reze o Salmo 119/118,129-136
Agora, leia com piedade, com atenção e um coração que escuta Dt 13

1«Cumprireis todas as ordens que eu vos prescrevo, sem nada lhes acrescentar ou suprimir. 2Se no meio de vós aparecer um profeta ou um visionário, mostrando-te um sinal ou um prodígio; 3se se realizar o sinal ou prodígio que te anunciou e ele te disser: ‘Sigamos os deuses estrangeiros – que não conhecias – e adoremo-los’, 4não ouvirás as palavras desse profeta ou desse visionário, porque o SENHOR, vosso Deus, vos põe à prova para verificar se realmente o amais com todo o vosso coração e com toda a vossa alma.

5Seguireis ao SENHOR, vosso Deus, e a Ele haveis de temer; cumprireis os seus preceitos e não obedecereis senão à sua voz; a Ele prestareis culto e só a Ele servireis! 6Esse profeta ou esse visionário será condenado à morte, porque pregou a revolta contra o SENHOR, vosso Deus, que vos fez sair da terra do Egipto, que te resgatou da casa da servidão. Esse procura, assim, desviar-te do caminho que o SENHOR, teu Deus, te indicou para seguires por ele. Assim, extirparás o mal do meio de ti.

7Se o teu irmão, filho da tua mãe, o teu filho ou a tua filha, a tua companheira ou o amigo a quem estimas vier secretamente seduzir-te, dizendo: ‘Vamos servir os deuses estrangeiros’ – deuses que nem tu nem os teus pais conheceram, 8os deuses dos povos que estão à tua volta, na tua vizinhança ou ao longe, de um extremo ao outro da terra – 9não o aceitarás nem ouvirás; não levantarás para ele olhos de compaixão, nem o ajudarás a esconder-se. 10Pelo contrário, tens o dever de o matar. A tua mão será a primeira a levantar-se contra ele para lhe dar a morte e, a seguir, a mão de todo o povo. 11Apedrejá-lo-ás até morrer, porque ele tentou desviar-te do SENHOR, teu Deus, que te fez sair da terra do Egipto, da casa da servidão. 12Todo o Israel, ao sabê-lo, tremerá e ninguém repetirá mais tal delito no meio de vós.

13Quando ouvires dizer numa das tuas cidades que o SENHOR, teu Deus, te deu para habitação, que 14homens perversos, nascidos no meio de vós, desencaminham os habitantes das suas cidades, dizendo: ‘Vamos servir os deuses estrangeiros’ – deuses que vós não conheceis – 15farás um inquérito, averiguarás e informar-te-ás bem. Se for verdade que essa abominação foi cometida no meio de vós, 16passarás ao fio da espada os habitantes dessa cidade. Votarás à destruição essa cidade com tudo o que nela houver, incluindo o gado. 17Reunirás em seguida no centro da praça todas as riquezas e queimá-las-ás juntamente com a cidade e todos os seus bens, sem excluir nada, em honra do SENHOR, teu Deus. Ficará para sempre em ruínas e não voltará a ser reconstruída.

18Que a tua mão não retenha coisa alguma da cidade amaldiçoada, para que o SENHOR aplaque a sua ira e use de piedade e misericórdia para convosco, e te multiplique como jurou a teus pais, 19se obedeceres à voz do SENHOR, teu Deus, cumprindo todos os seus mandamentos que hoje te prescrevo e fazendo o que é justo aos olhos do SENHOR, teu Deus.»

1. Este capítulo nos fala de uma realidade intrigante, perigosa e ameaçadora: os falsos profetas, aqueles que parecem falar em Nome do Senhor Deus, quando, na verdade, não foram enviados e não têm nos lábios as palavras do Senhor (cf. Jr 28,15-17). Esses, seduziam pela palavra, pelas ideias atraentes e pelos sinais que realizavam… E, no entanto, sempre existirão falsos profetas no seio do Povo de Deus! Quem são eles? Primeiramente, é necessário insistir nisto: eles não foram enviados por Deus e, portanto, não falam as palavras do Senhor, não falam em Nome do Senhor, não são instrumentos da vontade do Senhor! Eles falam suas próprias ideias, anunciam seus próprios sonhos vazios, suas ideias, suas ideologias, segundo sua própria medida e sua própria mente! Desse modo, terminam por afastar quem os ouve da vontade e da verdade do próprio Deus. O difícil, o tremendo, é que são lobos sob pele de ovelhas! Leia Mt 7,15-20!

Lembre bem: a palavra “profeta”, “nabi”, em hebraico, quer dizer porta-voz, isto é, aquele que fala em nome de alguém! Quem fala em seu próprio nome, expondo suas próprias ideias, não é profeta; é um impostor! O profeta é unicamente o que foi enviado por Deus para falar as palavras do Senhor Deus!

Aquele que fala em seu próprio nome fazendo-se passar por enviado de Deus termina a serviço do Pai de Mentira, de Satanás, pois desvia o coração dos homens para os ídolos, os falsos deuses! No fundo, por trás das palavras de todo falso profeta há o risco da idolatria, da falsa religião:

“Vamos seguir outros deuses e servi-los” (v. 7)

2. Atenção, que há ainda um perigo, uma armadilha escondida nos ardis dos falsos profetas: eles podem realizar sinais e milagres! Recorde dos magos do Egito (cf. Ex 7,11.22); lembre das palavras do Senhor nosso Jesus Cristo (cf. Mc 13,21ss) e da advertência do Apocalipse (cf. 13,11-18)! Esses falsos profetas seduzem, enganam; podem ter características do Cordeiro, mas, na verdade, sua palavra é de dragão, pois queima, destrói (cf. Ap 13,11)! Falsos profetas milagreiros, falsos profetas curandeiros, falsos profetas que prometem prosperidade, falsos profetas que prometem uma sociedade perfeita na terra, falsos profetas arautos de ideologias diabólicas e anticristãs… E usando o santíssimo Nome de Jesus Cristo e Seu santo Evangelho:

“Se alguém disser ‘Eis o Messias aqui!’ ou ‘Ei-lo ali!’ não creiais!” (Mc 13,21).

Então, qual o critério do verdadeiro profeta? Ei-lo: se anunciam a fé verdadeira, se aquilo que eles dizem a cada geração é de acordo com a “fé uma vez por todas confiada aos santos” (Jd 3), se se esforçam para ter uma vida santa, evitando toda vida dupla, então, são enviados por Deus! Se a pregação desses “profetas” traz novidades que ferem o que ouvimos desde o princípio, que, sob capa de bondade, de piedade ou de utilidade, destrói o que o Senhor nos ensinou pelos santos profetas e pastores desde os tempos antigos, então, devemos rejeitar firmemente esse profeta; ele é um falso profeta!

3. O Texto Santo diz que os falsos profetas são um teste, uma prova para os fieis:

“É o Senhor vosso Deus que vos experimenta para saber se de fato amais o Senhor vosso Deus com todo o vosso coração e com todo o vosso ser”. (v. 4).

E a mesma Palavra santa nos dá o modo de não entrar nesse triste caminho errado e de morte:

“Seguireis o Senhor vosso Deus e a Ele temereis, observareis os Seus mandamentos e obedecereis a Sua voz, a Ele servireis e a Ele vos apegareis” (v. 5).

Pense: Quantos falsos profetas hoje! Há aqueles cuja pregação, na aparência, parece a Palavra do Senhor, mas, na verdade, se tratam de malditas ideologias mundanas: a capa é piedosa, mas o conteúdo é venenoso… Basta observar os frutos na vida dos fieis, do clero, da Igreja como um todo! É pura erva daninha e veneno que mata a piedade e o temor de Deus, traz impiedade, decadência moral, erros doutrinais, descaso pela disciplina da Igreja, escândalo para os fieis, divisão no rebanho de Cristo, desprezo pelo sagrado…

“Pelos frutos os conhecereis!” (Mt 7, 16.20)

4. Observe que, segundo o texto, a sedução contra a fé pode vir de onde menos esperamos, pode vir disfarçada de bondade na boca dos amigos ou de alguém a quem amamos: “a mulher que repousa no teu seio ou o amigo que é como tu mesmo” (v. 7). Nunca devemos esquecer: nosso primeiro e absoluto compromisso é com o Senhor Deus! Tudo quanto nos possa afastar Dele, tudo quanto nos possa desviar da verdadeira fé, da reta doutrina, deve por nós ser repelido, ser “morto”! Lembre-se de que o Diabo é o Pai de Mentira (na Escritura Santa, mentira quer dizer vazio, nada, ídolo), é o dissimulado! Ele, Príncipe das Trevas, não age às claras, não mostra o seu rosto miserável, feio, repugnante! Ele vem sempre mascarado, disfarçado em anjo de luz, em felicidade, verdade, sucesso, facilidade, prazer: “Não lhe darás consentimento, não o ouvirás, e que teu olho não tenha piedade dele! Deverá matá-lo!” (v. 9), ou seja, deverás eliminá-lo do teu coração, afastar-te de suas ideias, de suas propostas, de suas seduções e, se necessário, até mesmo de sua convivência! Um amigo que me afaste de Deus, não é meu amigo! Um amigo que me afaste da fé, não é meu amigo! Um amigo que me leve por caminhos tortos aos olhos do meu Senhor, não é meu amigo! Um amor que me desvirtue o coração, não pode ser um amor para mim!

A radicalidade com que a Escritura manda tratar os falsos profetas e os que querem nos desviar da fé é para nos deixar claro o perigo que é abandonar o Deus vivo e a fé reta para cair nos enganos humanos! Estejamos atentos, guardemos a reta e íntegra fé católica e apostólica continuamente crida e ensinada no seio do Novo Povo de Deus, que é a Igreja. Não aconteça que, andando em más companhias, frequentando más leituras e informações tortas, comecemos a alimentar dúvidas no Senhor e na doutrina da Sua Igreja e terminemos por perder a fé!

5. Leia Jr 23,9-40. Medite, reze! Agora, leia 1Jo 4,1-6! Medite, reze! Eis o critério: tudo o que nos aparta de Jesus, do Seu amor, da sua compaixão, tudo aquilo que nos faz esfriar no amor a Jesus, nosso Senhor, e da prática da virtude e do bem, não vem de Deus, mas é do Anticristo! Pense nisto!