Curiosidade, Tesouros de Cornélio à Lápide

Devastações produzidas pela curiosidade

Eva percebeu, diz a Escritura, que a fruta proibida era boa para comer, bela para a vista, e de aspecto deleitável; colheu o fruto, comeu-o, e deu também dele a seu marido, que igualmente comeu: Vidit mulier quod bonum esset lignum ad vencendum, et pulchrum oculis, aspectuque delectabile; et tulit de fructu illius, et comedit; deditque viro suo, qui comedit (Gn 3, 6). E os olhos de ambos abriram- se; e reconheceram que estavam nus: Et aperti sunt oculi amborum, cumque cognovissent se esse nudos (Gn 3, 7).

Ó Eva, diz São Bernardo, conformai-vos com a ordem que recebestes; aguardai o cumprimento da promessa que vos foi feita; evitai aquilo que vos está proibido; não percais as prerrogativas que vos foram concedidas: Serva, o Eva, commissum; expecta promissum; cave prohibitum; ne perdas concessum (De Grad. Humil.).

Porque olhais tão atentamente aquilo que deve ser vossa morte? Quid tuam mortem tam intente intuearis?

Porque desejais espargir com tanta frequência vossos olhos sobre esta fruta? Quid illo tam crebro vagantia lumina jacis?

Porque vos agrada considerar aquilo que não vos está permitido comer? Quid spectare libet quod manducare non licet?

Faço uso de minha vista, dizeis, e não de minha mão; não me está proibido olhar, mas tão apenas comer.

Ainda que esta mirada não seja uma falta, é, sem embargo, o indício de uma falta que se aproxima. Porque, enquanto Eva ocupa-se de outra coisa diferente da observância da ordem do Senhor, a Serpente insinua-se em seu coração, e fala-lhe de um modo sedutor e adulador; debilita e turba seu coração com belas promessas e rouba-lhe todo o temor com suas mentiras: Não morrereis, diz: Nequaquam morte moriemini (Gn 3, 4).

A Serpente excita sua curiosidade, e desperta seus desejos, inspirando-lhe a gula; provoca sua vontade; louva o que está proibido; desaprova e condena o que está mandado; apresenta a fruta e arrebata o paraíso: Porrigit pomum, et subripit paradisum. Eva traga o veneno que devia matá-la e juntamente matará aqueles de quem deveria ser mãe: Haurit virus peritura, et perituros paritura (Ut supra). Assim, foi como a curiosidade de Adão e Eva trouxe o dilúvio de males que inunda ao universo.

Filhos de Eva, quantas curiosidades temos! Curiosidade dos olhos, curiosidade dos ouvidos, curiosidade das mãos e dos pés, curiosidades do espírito, curiosidades da memória, curiosidade da vontade, curiosidade do coração etc. E quão lamentáveis desgraças produzem!

Da curiosidade nascem todos os vícios, todos os excessos, todos os crimes: desejamos experimentar um prazer proibido. Da curiosidade, saem todas as heresias; e os inovadores curiosos suspeitam, e querem esquadrinhar. As pesquisas da curiosidade terminam em heresia, diz Santo Agostinho: Curiositas invente haeresim (De Morib.).

Tertuliano chama aos filósofos curiosos de Patriarcas das Heresias (In Apolog.).

Eis aqui porque diz São Nilo: Não trateis de descobrir os mistérios de Deus, limitai-vos a crer e adorar (In Vita Patr.).

Perdestes a vista, diz Sêneca! Ó quantas ganâncias destruirá em vós esta perda! Quantas coisas não vereis mais porque, ao tê-las visto, deveríeis vos arrancar os olhos. Não compreendeis que, para conservar a inocência, temos de não ser curiosos?

A curiosidade descobre o caminho do adultério, do incesto, da avareza e de todos os males. Os olhos são o aguilhão de nossas paixões: levam-nos a todos os crimes: Oculi certe irritamenta sunt vitiorum, ducesque scelerum (De Remed. Fortuit.).

A curiosidade é insaciável

O Inferno e a perdição nunca dizem basta: assim também são insaciáveis os olhos dos homens, dizem os Provérbios: Infernus et perditio nunquam implentur; similiter et oculi hominum insatiabiles (Pr 27, 20).

A curiosidade é um fogo que devora; é um abismo sem fundo: por isso jamais está pleno.

Alguns querem saber o que é inútil e mau e terminam como ignorantes daquilo que seja útil e bom

O curioso, diz Santo Agostinho, quer saber o que não lhe importa; porém, o homem prudente não se ocupa mais que de seus afazeres: Curiosus avide scrutatue e aquae ad se non pertinente; studiosus vero diligenter perquirit e aquae ad se attinent (Medit.).

Olhando os astros, Tales caiu em um fosso, e ridicularizam-no, dizendo-lhe: bem mereceis esta queda, já que pretendeis conhecer os céus, e ignorais o que tendes perante os pés. Quão numerosos são os imitadores de Tales!

De que serve, diz o autor da Imitação de Cristo, de que serve muitíssima aplicação em esquadrinhar as coisas obscuras e desconhecidas, posto que não seremos condenados no juízo de Deus por não haver tomado conhecimento delas? É muita loucura descuidar das coisas úteis e necessárias, e dedicar-nos a coisas inúteis e vãs (Lib. I., c. III).

Com efeito, diz o Eclesiástico: Não é necessário ver por nossos próprios olhos os ocultos arcanos de Deus: Non est tibi necessarium e aquae abscôndita sunt, videre oculi tuis (Eclo 3, 23).

Queremos ignorar o que Deus quer que saibamos, e queremos saber o que Ele quer que ignoremos.

Não queirais, diz o Eclesiástico, esquadrinhar com ânsia as coisas supérfluas: In supervacuis rebus noli scrutari multipliciter (Eclo 3, 24).

Deixai de lado as coisas vãs e inúteis, das quais não tendes uma necessidade absoluta; porque nos fazem perder inutilmente o tempo, o talento e o trabalho.

É preciso conter e reprimir a curiosidade que divaga, de uma a outra parte, a qual vos impede de observar o que deveis ver; e aplicá-la àquilo que vos há de ser vantajoso.

Diz muito bem São Gregório: A curiosidade é um grande vício; enquanto leva o espírito a examinar vidas alheias, oculta ao ouvinte os deveres que deve cumprir, de tal modo que sabe as coisas alheias e ignora-se a si mesmo. Quanto mais hábil é o espírito curioso para compreender o mérito dos demais, tanto menos conhece suas próprias qualidades: Grave curiositatis est vitium; quae dum cujuslibet mentem ad investigandam vitam proximi exterius ducit, semper ei sua intima abscondit; ut aliena sciens, se nesciat, et curiosi animus quanto peritus fuerit alieni meriti, tanto fiat agnarius sui (Homil. XXXVI, in Evang.).

Devemos conhecer a vontade e a Lei de Deus, a Religião, a virtude, nossos deveres, e descuidamos esta ciência. Devemos ignorar o vício, o mundo etc. e nossa curiosidade nos inclina a querer conhecê-los.

A curiosidade deve ser prudente e sábia

Aquele que se mete a esquadrinhar a majestade de Deus, será abatido pelo peso de sua glória, dizem os Provérbios: Qui scrutador est majestatis, opprimetur a gloria (Pr 25, 27). Aquele que queira fitar o sol, segundo após segundo, ficará cego. Querer sondar os segredos da Divindade é buscar o erro e a heresia. Não vos intrometais a inquirir aquilo que supera vossa capacidade, diz o Eclesiástico, nem trateis de escrutinar aquelas coisas que excedem vossas forças; senão, melhor, pensai sempre naquilo que Deus tem mandado, e não sejais curiosos escrutinadores de suas muitas obras: Altiora te ne quaesieris, et fortiora te ne scrutatus fueris, quae praecipit tibi Deus, illa cogita semper, et in pluribus operibus ejus nec fueris curiosus (Eclo 3, 22).

Firmemos como pressuposto, diz Santo Agostinho, que Deus tem poderes que nós não podemos compreender: Demus Deum aliquid posse quod fateamur investigare non posse (Epist. III ad Volus).

O Eclesiástico proíbe-nos de escarafunchar aquilo que é superior a nossas forças por cinco razões:

1.° Porque devemos ocupar-nos exclusivamente das coisas necessárias, isto é, dos preceitos de Deus; pois, aplicando-nos inteiramente a eles, apenas o entendimento basta para compreendê-los e cumpri-los;

2.° Porque aquilo que é superior a nossas forças está naturalmente fora do alcance de nossas pesquisas;

3.° Porque são coisas que nos são inúteis;

4.° Porque são superiores aos nossos sentidos e a nossa inteligência;

5.° Porque a maior parte dos homens deixa-se seduzir por suas próprias opiniões; e a ilusão dos sentidos detêm-nos na vaidade (Eclo 3, 26). Muitíssimas das maravilhas nas quais não pode penetrar o espírito do homem estão diante de nossa vista (Eclo 3, 25).

A curiosidade imprudente induz ao erro, seduz e engana. Nós cremos compreender bem aquilo que compreendemos mal, ou que sequer compreendemos. Então, caímos no erro, e a ele arrastamos os demais.

Assim sucedeu com a maior parte dos filósofos. Expressaram e expressam sobre Deus, sobre a Religião, sobre a virtude, muitas ideias fora de lugar, falsas, perigosas e errôneas; e, enquanto jactavam-se de sábios, estacionaram em estado de néscios, disse São Paulo aos Romanos: Dicentes se esse sapientes, stulti facti sunt (Rm 1, 22).

São Próspero diz perfeitamente: Sem sol, a terra não é mais que trevas; assim, tudo quanto queremos saber somente com as forças da natureza, somente mediante as luzes da razão e sem o auxílio da Revelação, sobre Deus, sobre o homem e seus deveres, não é mais que trevas e obscuridades; somente o próprio Deus pode explicar a verdadeira doutrina nestas matérias (In Sentent.).

Querem alguns descer até ao fundo do mar, e ali encontram somente barro: ao sondar os filósofos as profundidades das coisas para achar ali a sabedoria, não encontraram nada além de erros.

Sempre enganamo-nos quando, unicamente com as forças da razão, queremos explicar-nos tudo. Daí vem os erros a galope, as dissidências, as contradições, as obscuridades: todos querem ter razão; todos pretendem conhecer a verdade. Dizem-se sábios, e tornam-se loucos: Dicentes se esse sapientes, stulti facti sunt (Rm 1, 22). Assim, perde-se a fé; assim, perde-se a alma; assim, perde-se a Deus.

Por esta razão, escrevia o Papa Urbano a Carlos d’Anjou: Deus não quis conservar e salvar seu povo pela dialética; o Reino de Deus está na simplicidade da

fé, e não na luta de raciocínios: Non in dialectica placuit Deo servare populum suum, regnum Dei in simplicitate fidei est, non in contentione sermonum (Lib. I Onirocrit., c. XXVIII).

Alguns, diz São Paulo, querem se fazer de doutores da Lei, sem entender aquilo que falam nem aquilo que afirmam: Volentes esse legis Doctores, non inteligentes neque quae loquuntur, neque de quibus affirmant (1 Tm 1, 7). Andam sempre aprendendo sem chegar jamais ao conhecimento da verdade: Semper discentes, et nunquam ad scientiam veritatis pervenientes (2 Tm 3, 7).

Evitai, escreve aquele grande Apóstolo a Tito, seu discípulo, evitai as questões néscias, as genealogias e contendas e debates sobre a lei, porque são inúteis e vãs: Stultas autem quaestiones, et genealogias, et contentiones, et pugnas legis devita, sunt enim inutiles et vanae (Tt 3, 9).

Quando Deus fala por meio de sua Igreja, devem-se cessar toda a curiosidade e toda disputa; devemos nos submeter e crer, seguros de não poder jamais ser enganados.